Qualidade da assistência de enfermagem prestada a pacientes oncológicos na percepção da família

Main Article Content

Simone Patrícia Melo
Valderice Maria Falcão
Michael Gabriel Barbosa
Simone Martins Santos
Severina Rodrigues Lins

Resumo

O enfermeiro que atua nas Unidades de Saúde tem posição de relevância, por desenvolverem um papel proativo em suas atividades. Por esses motivos ganham destaque como o profissional mais preparado e disponível para apoiar e orientar o paciente e a família na vivência do processo de doença, tratamento e reabilitação. O tratamento humanizado ao paciente oncológico não se aplica somente à doença, mas sim ao estado geral da pessoa que está sofrendo. Para sua eficácia é necessário, o interesse, competência e o diálogo do profissional, com o paciente e seus familiares. Finalizou-se, com esta pesquisa, traçar um perfil da equipe de enfermagem do ponto de vista do acompanhante de pacientes oncológicos, identificar como se dá sua prática e a satisfação dessa assistência, com o intuito de proporcionar a reflexão dos profissionais da área em relação a sua atuação diária e contribuir para o aperfeiçoamento da assistência da equipe ao paciente oncológico. As informações foram obtidas por meio de um questionário individual composto por 21 questões com perguntas claras e objetivas, elaborados pelas próprias pesquisadoras, abordando idade, sexo, grau de parentesco e questões acerca da assistência de enfermagem prestada aos pacientes acompanhados. Os resultados comprovam que os acompanhantes reconhecem a importância da equipe de enfermagem, ressaltando o bom acolhimento e orientação na atenção quanto opinião do acompanhante e do paciente. Os participantes da pesquisa concordam que a equipe de enfermagem proporciona segurança e confiança frente à assistência fornecida. Referem, ainda, que os itens imprescindíveis que devem ser considerados pela equipe são a humanização e a comunicação.

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Melo, S. P., Falcão, V. M., Barbosa, M. G., Santos, S. M., & Lins, S. R. (2021). Qualidade da assistência de enfermagem prestada a pacientes oncológicos na percepção da família. Revista Brasileira Multidisciplinar, 24(1). https://doi.org/10.25061/2527-2675/ReBraM/2021.v24i1.661
Seção
Comunicação Breve
Biografia do Autor

Simone Patrícia Melo, Instituição: centro universitário do vale do Ipojuca-UNIFAVUP/WYDEN

Bacharel em enfermagem 

Valderice Maria Falcão, Instituição: centro universitário do vale do Ipojuca-UNIFAVUP/WYDEN

Bacharel em enfermagem

Michael Gabriel Barbosa, Centro universitário vale do Ipojuca – UNIFAVIP\WYDE

Discente do curso de biomedicina

Simone Martins Santos, Instituição: centro universitário do vale do Ipojuca-UNIFAVUP/WYDEN

Bacharel em enfermagem

Severina Rodrigues Lins, Universidade Federal Rural de Pernambuco

Doutora em Fitopatologia e Pós-Doutora em Agronomia/Fitotecnia na área de Controle da Qualidade de Sementes, pela UFLA

Referências

ARAÚJO, I. M. A. et al. A comunicação da enfermeira na assistência de enfermagem à mulher mastectomizada: um estudo de Ground Theory. Revista Latino – Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, vol. 18, n.1, pág.54-60, fev. 2010.

ARRUDA, I.B.; PAULA, J.M.S.F.; SILVA, R.P.L. Efeitos adversos da quimioterapia antineoplásica em crianças: o conhecimento dos acompanhantes. Revista Cogitare Enfermagem, v.14, n.3, p. 535-539. 2009.

ALMEIDA, C. R. V. et al. Sobre o cotidiano no contexto do adoecimento e da hospitalização: o que dizem as mães acompanhantes de crianças com diagnóstico de neoplasia? Caderneta de Terapia Ocupacional UFSCar, São Carlos, v. 24, n. 2, p. 247-259. 2016.

BATISTA, D. R. R.; MATTOS, M.; SILVA, S. F. Convivendo com o câncer: do diagnóstico ao tratamento. Revista de Enfermagem UFSM, Santa Maria – RS, v. 5, n. 3, pág. 499-510, jul/set. 2015.

FERREIRA, P. C. et al. Sentimentos existenciais expressos por usuários da casa de apoio para pessoas com câncer. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, Rio de Janeiro, v. 19, n. 1, pág. 66-72, Jan-mar. 2015.

LIMA, L. M. et al. Adoecer de câncer: o agir e o sentir do grupo familiar. Ciência Cuidado e Saúde, v. 11, n. 1, pág. 106-112, Jan/Mar. 2012.

MUNIZ, R. M.; ZAGO, M. M. F. A perspectiva cultural no cuidado de enfermagem ao paciente oncológico. Ciência Cuidado Saúde Maringá –PR, vol.8 (suplem.), pág. 23 – 30, 2014. Disponível em: <http://apps.cofen.gov.br/cbcenf/sistemainscricoes/arquivosTrabalhos/I47669.E11.T9135.D7AP.pdf> Acesso em: 01 dez. 2016

PINHEIRO, M. L. A. et al. Pacientes oncológico em cuidados paliativos: perspectiva do familiar cuidador. Revista de enfermagem UFPE on line., Recife, v. 10, n. 5, pág.1749- 1755, maio. 2016.

SALES, C.A. et al. Cuidado de enfermagem oncológico na ótica do cuidador familiar no contexto hospitalar. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 25, n. 5, pág. 736-42, 2012.

SAMPAIO, C.E. P. et al. Sentimento dos acompanhantes de crianças submetidas a Procedimentos cirúrgicos: vivencias no Peri operatório. Revista Mineira de Enfermagem, Minas Gerais, v. 13, n. 4, pág. 558-564, out./dez.2009.

_______________ et al. Nível de ansiedade dos acompanhantes de crianças em cirurgia ambulatorial: contribuições da consulta de enfermagem. Revista de enfermagem UERJ, Rio de Janeiro, v. 22, n. 2, pág.233-8, mar/abr. 2014.

SILVA, L.F. A Importância da Consulta de Enfermagem na Assistência à Saúde Ocupacional. (Monografia). Faculdade Redentor, departamento Nacional De Pós-Graduação E Atualização Volta, Redonda (SP): Faculdade Redentor. 2013.

SOUZA, A. S.; VALADARES, G. V. Desvelando o saber/fazer sobre o diagnóstico de enfermagem: experiência vivida em neurocirurgia oncológica. Revista Brasileira de Enfermagem. Brasília, Vol. 64, n. 5, pp. 890 – 897, out. 2013.

SOUZA, L. A.M. et al. Perfil dos acompanhantes das crianças submetidas à cirurgia: contribuições para os cuidados Peri operatórios. Revista de enfermagem. UERJ, Rio de Janeiro, v. 20(esp.2), pág. 714-9, dez. 2012.

SOUZA, M. M. S. et al. Sentimentos de idosos hospitalizados pelo câncer: expectativas sobre alta hospitalar e a influência familiar. Revista de enfermagem UFPE on line, Recife, v. 10, n. 10, pág.3720-6, out. 2016.

SOUZA, M. G. G.; SANTO, F. H. E. O olhar que olha o outro: um estudo com familiares de pessoas em quimioterapia antineoplásica. Revista Brasileira de Cancerologia. Vol. 54, n.1, pág. 31 – 41. 2012.

STÜBE, M. et al. Percepções de enfermeiros e manejo da dor de pacientes oncológicos. Revista Mineira de Enfermagem, Minas Gerais, v. 19, n. 3, pág. 696-703, jul/set. 2015.

STUMM, E.M. F.; LEITE, M.T.; MASCHITO, G. Vivências de uma equipe de enfermagem no cuidado a pacientes com câncer. Cogitare Enfermagem, v. 13, n. 1, pág. 75-82, Jan/Mar; 2008.

VILLA, L. L. O. et al. A percepção do acompanhante sobre o atendimento humanizado em unidade de terapia intensiva pediátrica. Revista fundamental care Online, Rio de Janeiro, v. 9, n. 1, pág. 187-192, jan./mar. 2017.

WAKIUCHI, J. et al. Sentimentos compartilhados por acompanhantes de pacientes oncológicos hospedados em casas de apoio: um estudo fenomenológico. Escola Anna Nery, Rio de Janeiro, v. 21, n. 1, p. 1-8. 2017.