Diversidade da Mirmecofauna em uma Área Degradada pela Garimpagem de Diamantes no Estado de Mato Grosso, Brasil

Wilian de Oliveira Rocha, Alberto Dorval, Otavio Peres Filho, Caroline dos Anjos Vaez, Cibele Kotsubo da Cunha Castro

Resumo


Este trabalho teve por objetivo amostrar a diversidade de formigas em ambientes influenciados pelas atividades de garimpagem de diamantes no Cerrado, disponibilizando informações sobre a mirmecofauna nesta região de Mato Grosso. O estudo foi realizado no município de Poxoréu-MT, em propriedade com garimpagem de diamantes, onde foram instaladas armadilhas "pitfall" em quatro transectos lineares distintos por ambiente: A1 – ambiente degradado pela garimpagem de diamantes, A2 – ambiente adjacente a A1 apresentando vegetação de Cerrado com influência antrópica, A3 – ambiente adjacente a A2 com vegetação de Cerrado antropizada, fazendo limite com A4 – ambiente com vegetação de Cerrado preservada sem alterações antrópicas. As coletas foram realizadas bimestralmente em um período de um ano, sendo as amostras quantificadas e identificadas em nível de espécie para que fossem aplicados os índices de diversidade para cada ambiente. Foram amostradas 15 espécies de formigas dentre os quatro ambientes, sendo 9 espécies em A1, 13 em A2, as 15 em A3 e 12 espécies em A4, apresentando a espécie Brachymyrmex patagonicus como a mais abundante, forrageando em todos os ambientes. Os índices de diversidade permitem concluir que A3 possui a maior diversidade de espécies, e inversamente a menor dominância destas, entre todos os ambientes. Já A1 demonstrou a maior dominância das espécies de formigas em função da menor diversidade destas. Assim, a degradação ambiental pelo garimpo de diamantes pode afetar a composição da diversidade de formigas e sua dominância em meio à vegetação de Cerrado.

Palavras-chave


Formigas; Degradação ambiental; Armadilhas "pitfall".

Texto completo:

PDF

Referências


AGOSTI, D. et al. (Eds.). Ants: Standard methods for measuringand monitoring biodiversity.

Washington, D. C.: Smithsonian Institution Press, 2000. Disponívelem: . Acesso em: 01 ago. 2010.

AQUINO, A. M.; AGUIAR-MENEZES, E. L.;

QUEIROZ, J. M. Recomendação para coleta de artrópodes terrestres por armadilhas de queda (pit- fall traps). Seropédica, Rio de Janeiro: Embrapa Agrobiologia, 2006 (Circular Técnica, 18).

AZEVEDO, A.C. Funções ambientais do solo. In: AZEVEDO, A.C.de.; DALMOLIN, R.S.D.;

PEDRON, F.de A. (Org.). Fórum Solos e

ambiente, 1., 2004, Santa Maria: Pallotti, 2004. p.7-22.

BOLTON, B. Synopsis and classification of Formicidae. Memoirs of the American Entomological Institute, Gainesville, v.71, p.1- 370. 2003.

CUEZZO, F. Revision del género Forelius (Hymenoptera: Formicidae: Dolichoderinae). Sociobiology, California, v.35, n.2A, p. 197-275, 2000.

DELABIE, J.H.C.;AGOSTI, D.; NASCIMENTO,

I.C. Litter and communities of the BrazilianAtlantic rain forest region. In: Agosti, D.; Majer, J.D.; Alonso, L.T. e Schultz, T. (ed.). Measuring and monitoring biological diversity: standart methods for ground living ants. Washington: Smithsonian Institution, 2000. p.280.

FOWLER, H. G. Ecologia nutricional de formigas. In: PANIZZI, A. R.; PARRA, J. R. P. (Eds).

Ecologia nutricional de insetos e suas implicações no manejo de pragas. São Paulo: Manole, 1991. p. 131-223.

FOWLER, H. G. Relative representation of Pheidole (Hymenoptera: Formicidae) in local ground ant assemblages of the Américas. Anales de Biologia, Murcia, v.19,n.8, p. 29-37, 1993.

HÖLLDOBLER, B.; WILSON, E. O. The ants.

Harvard: University Press, 1990. 732p.

JAIME, N. G. Levantamentos mirmecofaunísticos em três ambientes antrópicos nos Estados de Goiás e Tocantins, Brasil. 2010. 131f. Tese (Doutorado). Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2010.

LIMA, A. A. de; LIMA, W. L. de; BERBARA, R.

L. L. Diversidade da mesofauna de solo em sistemas

de produção agroecológica. Revista Brasileira de Agroecologia, Porto Alegre, v. 1, n. 1, 2006. Porto Alegre. Disponívelem:.

Acesso em: 01 set. 2009.

LUDWIG, J. A.; REYNOLDS, J. F. Statistical

ecology: a primer on methods and computing. New York: John Wiley& Sons, 1988. 337p.

OLIVEIRA, M. A. de. Diversidade da mirmecofauna e sucessão florestal na Amazônia

– Acre, Brasil. 2009. 132 f. Tese (Doutorado) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2009.

PEREIRA, M. P. S. et al. Fauna de formigas como ferramenta para monitoramento de área de mineração reabilitada na Ilha da Madeira, Itaguaí, RJ. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 17, n. 3, jul- set. 2007. Disponívelem: < http:// redalyc.uaemex.mx/redalyc/pdf/534/ 53417302.pdf>. Acesso em: 01 set. 2009.

PREFEITURAMUNICIPAL DE POXORÉU –

MT. Nossa cidade: caracterização do município. Disponívelem: . Acesso em: 14 fev. 2010.

RÉ, T. M. O uso de formigas como bioindicadores no monitoramento ambiental de revegetação de áreas mineradas. 2007. 244 f. Tese (Doutorado) – Escola Politécnica da

Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

RIBAS, C. R.; SCHOEREDER, J.H.; PIC, M.;

SOARES, S.M. Tree heterogeneity, resource availability, and larger scale processes regulating arboreal ant species richness. Austral Ecology, Australia, v. 28, p.305-14. 2003.

RIBEIRO, J. F.; WALTER, B. M. T. Fitofisionomias do bioma Cerrado. In: SANO, S. M.; ALMEIDA,

S. P. (Eds.). Cerrado: ambiente e flora. Planaltina: Embrapa Cerrados, 1998. p. 89-168.

ROCHA, R. A.; SOLFERINI, V. N. Número de

rainhas e acasalamentos em Camponotus crassus (Mayr, 1862). CONGRESSO INTERNO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, 16, 2008,

Campinas. Anais... Campinas, s. ed., set. 2008. Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2010.

ROCHA, W. O. Análise faunística da mirmecofauna em áreas degradadas pelo garimpo de diamantes no município de Poxoréu

– MT. 2010. 38f. Monografia (Graduação) – Universidade Federal de Mato Grosso, 2010.

RODRIGUES, S. T. et al. Composição florística e abundância de pteridófitas em três ambientes da bacia do rio Guamá, Belém,Pará, Brasil. Acta Amazonica, Manaus, v. 34,n.1, p. 35 - 42, 2004.




DOI: https://doi.org/10.25061/2527-2675/ReBraM/2014.v17i2.25

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Brasileira Multidisciplinar-ReBraM (e-ISSN: 2527-2675)

Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / Brasil / CEP 14801-340