A Percepção do Enfermeiro Sobre Cuidados a Pacientes Oncológicos

Fernanda Zucolo, Camila Pereira Paulino, Maria Carolina Ortiz Whitaker

Resumo


O câncer se caracteriza como uma doença que acomete diferentes etnias, sexo e nível socioeconômico. A incidência de câncer está cada vez maior, e, segundo estimativas nacionais e internacionais, os números continuarão aumentando. Diante dessa constatação, o enfermeiro deve estar preparado para desenvolver um plano de cuidados a pacientes oncológicos atendendo às necessidades biológicas, sociais e emocionais decorrentes do diagnóstico, tratamento e sobrevivência. O estudo tem por objetivo conhecer a percepção do enfermeiro acerca do cuidar de enfermagem ao paciente com câncer. É um estudo de natureza descritiva com abordagem metodológica qualitativa dos dados, realizado com 12 enfermeiros que desenvolviam atividades assistenciais a pacientes com câncer de um hospital escola do interior do estado de São Paulo. Os dados foram coletados com base em uma entrevista semiestruturada. Os dados foram organizados ao redor de dois temas principais: a percepção e as dimensões do cuidar e os cuidados ao paciente oncológico. Os resultados revelaram que, para os enfermeiros, a assistência é direcionada a questões como os cuidados durante o tratamento, administração de quimioterápicos, alívio da dor e as dimensões emocionais da convivência ao paciente com câncer, no processo de terminalidade e morte. Concluímos que o cuidar do paciente oncológico requer conhecimento especializado e humanizado de toda a equipe multiprofissional envolvida neste processo.

Palavras-chave


Cuidar; Oncologia; Enfermagem

Texto completo:

PDF

Referências


BACKES et al. O Papel do enfermeiro no contexto hospitalar: a visão de profissionais de saúde. Cienc. Cuid. Saúde, v.7, n 3, p319-326, Jul/Set, 2008.

BARBOSA, L.G., TELLES FILHO, P.C.P.

Conhecimento de Pacientes oncológicos Sobre Quimioterapia. Ver. Cienc. Cuid. Saude. v.7, n 3, p 370-375, Jul/Set, 2008.

BRASIL – CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM. Resolução COFEN 358/2009.

Brasília, 2009.

BRASIL. Estimativa 2012: incidência de câncer no país. Rio de Janeiro: INCA, 2009. Disponível em: http://www1.inca.gov.br/estimativa/2010> Acesso em: 17 maio 2012.

BRASIL, Ministério da Saúde. Resolução 466/ 2012. Disponívelem: Acessado em: 29/ 08/2013.

BONASSA, E.M.A. Conceitos gerais em quimioterapia antineoplásica. In: Bonassa EMA, Santana TR. Enfermagem em terapêutica oncológica. São Paulo: Atheneu; 2005. p. 3-19.

CARVALHO, C.S.U. ANecessária atenção à família do paciente oncológico. Ver. Brasileira de Cancerologia. v.54, n 1, p. 87-96, 2008.

CELICH, K.L.S. Dimensões do processo de cuidar na enfermagem: Umolhar da enfermeira. Porto Alegre, 2003.

CLEMENTE, R.P.D.S., SANTOS, E. H. Anão-

ressuscitação do ponto de vista da enfermagem, em uma unidade de cuidados paliativos oncológicos.

Rev Brasileira de Cancerologia. v.53, n 2, p 231-236, 2007.

FONSECA, A. M; SOARES, E. Desgaste

emocional: Depoimentos de enfermeiros que atuam no ambiente hospitalar. Rev Rene, v.7, n 1, p 91- 97, jan/abril. 2006.

FONTES, C.A.S.; ALVIM, N.A.T. ARelação

humana no cuidado de enfermagemjunto ao cliente comcâncer submetido à terapia antineoplasica. Acta paul. enferm. v.21, n 1, p 77-83, 2007.

MACHADO et al. Integralidade, formação de saúde, educação em saúde e as propostas do SUS: Uma revisão conceitual. Ciênc. saúde coletiva [online]. 2007, v.12, n 2, p 335-342, 2007.

PETERSON A.A.; CARVALHO E. C.

Comunicação terapêutica na enfermagem: dificuldades para o cuidar de idosos com câncer. Rev Bras Enferm, v. 64.n.4.p. 692-7, 2011.

SILVEIRA, C.S; ZAGO, M.M.F. Pesquisa

brasileira emenfermagemoncológica: uma revisão

integrativa. Revista Latino Americana de Enermagem, v.14, n 4, p 614-9, julho/ago. 2006.

SUSAKI, T.T.; SILVA, M.J.P.; POSSARI, J.F.

Identificação das fases do processo de morrer pelos profissionais de Enfermagem. Acta Paul Enferm. v.19,n.2,p.144-9, 2006.

TANNURE, M.C; GONÇALVES, A.M.P. SAE:

Sistematização da assistência deenfermagem: Guia Prático. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008.

VENÂNCIO, J.L. Importância da atuação do psicólogo no tratamento de mulheres comcâncer de mama. Rev Brasileira de Cancerologia. v.50, n 1, p 55-63, 2004.

VILA, V.S.C. O significado de qualidade de vida: perspectivas de indivíduos revascularizados e de seus familiares. 2006. 148 f. Escola de Enfermagemde Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2006.




DOI: https://doi.org/10.25061/2527-2675/ReBraM/2014.v17i1.5

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Brasileira Multidisciplinar-ReBraM (e-ISSN: 2527-2675)

Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / Brasil / CEP 14801-340