Balanço e perspectivas da evolução do emprego industrial Baiano formal (2004/2014)

José Edigle Alcantara Moura, Maria Jeanne Gonzaga de Paiva

Resumo


O artigo tem por objetivo fazer uma análise do emprego formal industrial baiano no período de 2004 e 2014, desagregando a unidade federativa em Região Metropolitana de Salvador (RMS) e Interior do Estado. Para tanto, são estudadas as seguintes variáveis: número de estabelecimentos industriais, porte da indústria, empregos formais por setor, ramo de atividade, sexo, grau de instrução, tempo de serviço e faixa de remuneração. Os dados utilizados são da Relação Anual de Informações Sociais do Ministério do Trabalho e Emprego. Os principais resultados mostram ampliação das plantas industriais, principalmente no Interior do Estado. No que tange ao perfil socioeconômico e sociodemográfico existe uma predominância da mão-de-obra masculina alocada predominantemente em empreendimentos de médio e grande porte com menos de 01 ano, no tempo de serviço com ampliação da escolaridade dos ocupados formais e contrariamente ao esperado redução do salário médio mediante empobrecimento ao longo dos anos do estoque de empregados.


Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, R. Adeus ao trabalho?:ensaios sobre a as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. 10 ed. São Paulo: Cortez, 2005.

ARAÚJO, J. B. Mercado de trabalho e desigualdade: o Nordeste brasileiro nos anos 2000. Campinas, SP, 2017, 319 p. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Econômico)- Universidade Estadual de Campinas, 2017.

ARRAIS, A. K. M; QUEIROZ, S. N.; ALVES, C. L. B. Mercado de trabalho formal na indústria: comparativo entre as regiões Nordeste e Sudeste nos anos de 1994 e 2004. In: II Encontro Internacional Trabalho e Formação de Trabalhadores. Anais... Fortaleza: LABOR/UFC, 2008.

BALTAR, Paulo Eduardo de Andrade. Estrutura econômica e emprego urbano na década de 1990. In: Trabalho, mercado e sociedade: o Brasil nos anos 90. (Org) Marcelo Weishaupt Proni e Wilnês Henrique. São Paulo: editora UNESP, 2003, p.107-152.

BARBOSA, M. N. F. A evolução do emprego formal industrial nas cidades médias do Estado do Ceará (Juazeiro do Norte, Crato, Sobral) no período de 1990 a 2010. Natal, RN, 2013, 113 f. Dissertação (Mestrado em Economia Regional)- Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), 2013.

BRANDÂO, D. D. As reconfigurações industriais das regiões metropolitanas do Nordeste: uma análise do emprego formal . Natal, RN,2013, 165f. Dissertação (Mestrado em Economia Regional)- Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), 2013.

BRITO, F. A transição demográfica no Brasil.; as possibilidades e os desafios para a economia e a sociedade, Minas Gerais; Cedeplar, 2007 (Textos para Discussão, 1998).

CANO, W. Ensaios sobre a Crise Urbana no Brasil. Campinas: Editora da UNICAMP, 2011.

CANO, W. Concentração e desconcentração industrial no Brasil: 1970/95. In: Revista econômica e sociedade. São Paulo, n.8, p. 101-141, jun.1997.

CAVALCANTE, L. H. M. T. Economia baiana: configuração espacial e desenvolvimento recente. In: Revista Econômica do Nordeste, Fortaleza, v. 35, n01, jan- mar, 2004.

DEDECCA, C. S. Reestruturação e tendência de emprego. In: OLIVEIRA (org). Economia e trabalho, pp. 163-185, Campinas, UNICAMPIE, 1998.

FERREIRA, M. F. S; LEMOS, M. B. Localização Industrial e Fatos Estilizados da Nova Reconfiguração Espacial do Nordeste. Revista Econômica do Nordeste, Fortaleza, v.31, n. Especial p.484-507, novembro, 2000.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa.5.a ed. São Paulo: Editora Atlas, 2010.

GRAZIANO DA SILVA, J. A nova dinâmica da agricultura brasileira. 2 ed. Campinas, SP, UNICAMPIE, 1998.

HAGUENAUER, L. et al. Evolução das cadeias produtivas brasileiras na década de 90. Brasília: IPEA, 2001 (Texto para discussão n 786).

IBGE. - INTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA Microdados do Censo Demográfico de 2010. 2010. Disponível em: .Acesso em: 05/06/2017.

LIMA, J. P. R. Traços gerais do desenvolvimento recente da economia do Nordeste. Revista Econômica do Nordeste, Fortaleza, v. 36, n 1, jan-mar. 2005.

MTE- MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. Disponível em: http://www.rais.gov.br/sitio/index.jsf. Acesso em dezembro de 2016.

PACHECO, C. A. Fragmentação da nação. Campinas, SP: UNICAMPIE, 1998.

PEREIRA, W. E. N. Evolução do emprego formal nas indústrias das metrópoles nordestinas (1994/2004). Nexos econômicos, v. 10, p. 80-116, 2016.

PEREIRA, J.da S. Dinâmica do emprego formal industrial: comparativo entre a Bahia e o Ceará - (1996/2006). Crato-CE. 2008, 86f. Monografia de Conclusão de Curso (Graduação em Ciências Econômicas). Universidade Regional do Cariri- URCA, 2008.

PEREIRA, G. dos S. As transformações e precarização no mundo do trabalho. In: Revista de Iniciação Científica da Faculdade de Filosofia e Ciências. São Paulo: Unesp, v.4, n.2, 2004.

POCHMANN, M. O Emprego na Globalização: a nova divisão internacional do trabalho e os caminhos que o Brasil escolheu. São Paulo, Boitempo Editorial, 2001.

POCHMANN, M. O trabalho sob fogo cruzado: exclusão, desemprego e precarização no final do século. São Paulo: contexto, 1999.

SANDRONI, P. Novíssimo Dicionário de Economia.12. ed. São Paulo: Best Seller, 2003.

SILVA FILHO, L. A; QUEIROZ, S .N. de. A trajetória da Indústria e do Emprego formal no Ceará 1996/2006. ...Anais do XI Encontro Nacional de Estudos do Trabalho. ABET, Campinas – SP, 2009.

SILVA FILHO, L. A. da; QUEIROZ, S. N. de. Errantes do século XXI: de construtores a vítimas do trabalho precário. In: Revista de Economia. V, 40, n.1 (ano 38), n.165-190, jan/abr, 2014.




DOI: https://doi.org/10.25061/2527-2675/ReBraM/2019.v22i3.637

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Brasileira Multidisciplinar-ReBraM (e-ISSN: 2527-2675)

Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / Brasil / CEP 14801-340