Perfil epidemiológico do consumo de álcool entre acadêmicos do curso de ciências biológicas em Ribeirão Preto- SP

Matheus William Moschegni Baia, Gabrielli Dayana Suemitsu, Lana Marini Fernandes, Rafaela Fernanda Ferreira, Lucila Costa Zini Angelotti, Soraya Duarte Varella

Resumo


Desde o período Neolítico, o álcool parece estar presente em todas as sociedades. Nos anos 50, a dependência alcoólica passou a ser considerada como uma doença e mais tarde foi adicionada à classificação internacional de doenças, devido ao seu maior impacto na saúde pública. Enquanto os países desenvolvidos exibem uma maior taxa de consumo de álcool, os países em desenvolvimento tendem a mostrar um maior número de mortes associadas a doenças causadas pelo álcool. A Organização Mundial da saúde (OMS) aponta para o álcool como a principal causa de morte entre os jovens brasileiros entre 15 e 19 anos. Este estudo teve como objetivo descrever as características epidemiológicas do consumo de álcool entre estudantes de um curso de ciências biológicas. Utilizou-se um questionário para coleta de dados de 83 alunos. Foram utilizados estatística descritiva, teste t de Student e teste qui-quadrado para análise dos resultados. Não foi encontrada diferença entre o consumo alcoólico em homens e mulheres. 15,66% dos alunos entrevistados, muitas vezes, perdem aulas depois de beber. A idade média de início para o consumo de álcool foi de 16 anos, e 45% dos estudantes bebem pelo menos uma vez por semana. O consumo de álcool entre estudantes de ciências biológicas é alto e está relacionado à interação social, liberdade e felicidade. Aqueles que bebem começam em uma idade adiantada, e não há nenhuma diferença no hábito etilista entre homens e mulheres.


Palavras-chave


Perfil epidemiológico; Universitários; Consumo de álcool

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, A. G.; ANTHONY, J. C.; SILVEIRA, C. M. Álcool e suas consequências: uma abordagem multiconceitual. Barueri, SP: Minha Editora, 2009.

BRASIL. Constituição (88). Lei nº 13106. De 17 de março de 2015. Brasília, 17 mar. 2015. Disponível em . Acesso em: 15 nov. 2018

CALLEGARI-JACQUES, S. Bioestatística: princípios e aplicações. Porto Alegre: Artmed. 2003.

CASTAÑO-PEREZ, G. A.; CALDERON-VALLEJO, G. A. Problems associated with alcohol consumption by university students. Revista Latino-americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 22, n. 5, p.739-746, out. 2014. Disponível em: . Acesso em: 31/10/2018.

Estadão Conteúdo. Consumo de álcool aumenta 43,5% no Brasil em dez anos, afirma OMS. 2017. Disponível em: . Acesso em: 13 set. 2018.

FAR, A. C.; JEREZ, M. J.; MOYÁ, M. À. D. Conductas de riesgo de jóvenes turistas españoles de vacaciones en Mallorca e Ibiza: consumo de alcohol, drogas y otros riesgos para la salud. Revista Española Drogodependencias, Palma de Mallorca, v. 2, n. 36, p.137-148, fev. 2011.

JEROME, J. H. The concept of dependence: historical reflections. Alcohol Health & Research World, v. 17, n. 3, p. 188-190, 1993. Disponível em: < https://search.proquest.com/openview/bfe3b48dcfcec98638abceb21a4128a2/1?pq-origsite=gscholar&cbl=48866>. Acesso em: 31/10/2018.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Fundamentos da metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003. 311 p. Disponível em: . Acesso em: 08 ago. 2018.

LANDIM, G. S. A cultura do álcool. 2015. Disponível em: . Acesso em: 15 maio 2018.

MCGOVERN, P. E.; FLEMING, S. I.; KATZ, S. H. The origins and ancient history of wine. Amsterdam: Gordon And Breach, 1996. 400 p.

MENDONÇA, A. K. R. H.; JESUS, C. V. F.; LIMA, S. O. Fatores Associados ao Consumo Alcoólico de Risco entre Universitários da Área da Saúde. Revista Brasileira de Educação Médica, Aracaju, v. 42, n. 1, p.207-215, jan. 2018. Disponível em: . Acesso em: 31 out. 2018.

MONTI, P. M. et al. Adolescence: booze, brains, and behavior alcoholism. Clinical and Experimental Research. Denver, v. 29 n. 2, p. 207-220. fev. 2005. Disponível em: . Acesso em: 06 mar. 2018.

MORENO, J. Brasileiros consomem menos álcool, mas seguem entre os que mais bebem na AL. 2015. Disponível em: . Acesso em: 15 maio 2018.

MUSSE, A. B. Apologia ao uso e abuso de álcool entre universitários: uma análise de cartazes de propaganda de festas universitárias. Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool e Drogas, Ribeirão Preto, v. 4, n. 1, p.1-13, fev. 2008. Disponível em: . Acesso em: 06 mar. 2018.

OLIVEIRA, M. S.; WERLANG, B. S. G.; WAGNER, M. F..Relação entre o consumo de álcool e hábitos paternos de ingestão alcoólica. Boletim de psicologia, São Paulo, v. 57, n. 127, p. 205-214, dez. 2007. Disponível em . Acessos em 23 out. 2018.

PEDROSA, A. A. S. et al. Consumo de álcool entre estudantes universitários. Cadernos de Saúde Pública, Alagoas, v. 27, n. 8, p.1611-1621, ago. 2011. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2018.

PELICIOLI, M. et al. Perfil do consumo de álcool e prática do beber pesado episódico entre universitários brasileiros da área da saúde. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, Rio de Janeiro, v. 66, n. 3, p.150-156, set. 2017. Disponível em: . Acesso em: 31 out. 2018.

PIEDRAHITA, A. S.; VARGAS, B. P.; CULMA, L. A. R. Neurotoxicidad alcohólica. Revista Med, Bogotá, v. 25, n. 1, p.87-101, 25 jun. 2017. Universidad Militar Nueva Granada. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2018.

Plan nacional sobre drogas. Encuesta domiciliaria sobre alcohol y drogas en España Encuesta domiciliaria sobre alcohol y drogas en España (EDADES), 1995-2007. 2007. Disponível em: . Acesso em: 19 mar. 2018.

RAMIS, T. R. et al. Tabagismo e consumo de álcool em estudantes universitários: prevalência e fatores associados. Revista Brasileira de Epidemiologia, Pelotas, v. 15, n. 2, p.376-385, jun. 2012. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2018.

SANTOS, M. V. F.; PEREIRA, D. S.; SIQUEIRA, M. M. Uso de álcool e tabaco entre estudantes de Psicologia da Universidade Federal do Espírito Santo. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, Vitória, v. 62, n. 1, p.22-30, 2013. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2018.

TAPERT, S. F. et al. Adolescent substance use and sexual risk-taking behavior. Journal of Adolescent Health, [SI], v. 28, n. 3, p.181-189, mar. 2001. Disponível em: . Acesso em: 31/10/2018.

VAILLANT, G. E. The natural history of alcoholism revisited. Estados Unidos: Harvard University Press, 1995. 462 p.

VIALA-ARTIGUES, J.; MECHETTI, C. Histoire de l´alcool archéologie partie 1. 2003a. Disponível em: Acesso em 26 fev. 2018.

VIALA-ARTIGUES, J.; MECHETTI, C. Histoire de l´alcool les temps modernes partie 1. 2003b. Disponível em: . Acesso em: 26 fev. 2018.

VIALA-ARTIGUES, J.; MECHETTI, C. Histoire de l´alcool les temps modernes partie 2. 2003c. Disponível em: . Acesso em: 26 fev. 2018.

VIEIRA, S. Bioestatística: tópicos avançados. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

WILLHELM, A. R. et al. Consumo de Álcool na Adolescência e Relação com Uso Excessivo de Bebidas Alcóolicas dos Pais: Estudantes de Quatro Escolas de Porto Alegre. Psico, Porto Alegre, v. 46, n. 2, p.208-216, 22 abr. 2015. EDIPUCRS. http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2015.2.18129. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2018




DOI: https://doi.org/10.25061/2527-2675/ReBraM/2020.v23i1.775

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Brasileira Multidisciplinar-ReBraM (e-ISSN: 2527-2675)

Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / Brasil / CEP 14801-340