Zonas de processamento de exportação (ZPE): condições de implementação na China e no México

Main Article Content

Rogério de Jesus Ribeiro
Vera Mariza Henriques de Miranda Costa
Ethel Cristina Chiari da Silva
Mario Sacomano Neto

Resumo

As Zonas de Processamento de Exportação (ZPEs) são aglomerações industriais, estruturadas visando atrair investimentos estrangeiros e desenvolver regiões, por meio da geração de divisas, especialização da indústria e aumento das exportações. China e México optaram pela criação de ZPEs e têm motivado diversos países a formularem propostas para implementação desse tipo de aglomeração. No Brasil, dos anos 1990 até 2019 foram criadas 25 ZPEs, visando o desenvolvimento de diversas regiões do país, mas apenas a unidade em Pecém-CE deu início a suas atividades. Neste contexto, este artigo tem por objetivo descrever, a partir de levantamento bibliográfico, as experiências de implementação de duas ZPEs - China e México – colocando em evidência as especificidades e peculiaridades desses dois casos. Destacaram-se como fatores positivos, para a implementação das ZPEs nesses dois países, além de condições geográficas e socioeconômicas: capacidade do Estado em articular políticas favoráveis; empreendedorismo interno; combinação de estratégias relacionadas a custos de produção e vantagens locacionais; infraestrutura logística e planejamento estratégico. Portanto, apenas desejos e planos de países e regiões de criação de ZPE’s não garantem a implementação desse tipo de projeto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Ribeiro, R. de J., Costa, V. M. H. de M., Silva, E. C. C. da, & Sacomano Neto, M. (2021). Zonas de processamento de exportação (ZPE): condições de implementação na China e no México. Revista Brasileira Multidisciplinar, 24(1). Recuperado de https://revistarebram.com/index.php/revistauniara/article/view/1021
Seção
Artigos Originais
Biografia do Autor

Rogério de Jesus Ribeiro, Docente da Fundação Educacional de Fernandópolis-SP – FEF e da ETEC "Prof. Armando José Farinazzo", Fernandópolis-SP, Brasil.

Mestre em Engenharia de Produção pela Universidade de Araraquara - UNIARA, Araraquara-SP, Brasil

Vera Mariza Henriques de Miranda Costa, Universidade de Araraquara - UNIARA.

Programa de Mestrado Profissional em Engenharia de Produção da Universidade de Araraquara - UNIARA. Bolsista FUNADESP

Ethel Cristina Chiari da Silva, Universidade de Araraquara - UNIARA.

Programa de Mestrado Profissional em Engenharia de Produção da Universidade de Araraquara - UNIARA. Bolsista FUNADESP

Mario Sacomano Neto, Universidade Federal de São Carlos – UFSCAR.

Departamentp de Engenharia de Produção, Universidade Federal de São Carlos – UFSCAR.

Referências

ABRAZPE. Associação Brasileira de Zonas de Processamento de Exportação. Disponível em: <http://www.abrazpe.org.br/> Acesso em 12 dez.2018.

BERTO, R.M.V.S.; NAKANO, D.N. A Produção Científica nos Anais do Encontro Nacional de Engenharia de Produção: um levantamento de métodos e tipos de pesquisa. Produção, vol.9, nº 2, p.65-76, 2000.

BERTO, R. M. V. S.; NAKANO, D. N. Revisitando a produção científica nos Anais do Encontro Nacional de Engenharia de Produção. Production Journal, vol. 24, nº 1, p. 225-232, 2014.

BOLLE, M. J.; WILLIANS, B. R. U. S. Foreign-Trade Zones: Background and Issues for Congress. Congressional Research Service. 2013. Disponível em: <http://fas.org/sgp/crs/misc/R42686.pdf> Acesso em: 30 ago.2014.

BRASIL. Decreto-Lei nº 2.452, de 29 de julho de 1988. Dispõe sobre o regime tributário, cambial e administrativo das Zonas de Processamento de Exportação e dá outras providências.

BRASIL. Lei nº 11.508, de 20 de Julho de 2007. Dispõe sobre o regime tributário, cambial e administrativo das Zonas de Processamento de Exportação e dá outras providências. Regulamenta as disposições da Lei n. 8.630, de 25 de fevereiro de 1993 e dá outras providências.

BRASIL. Ministério da Economia, Indústria, Comércio Exterior e Serviços. ZPE criadas no Brasil. 2019. Disponível em http://www.mdic.gov.br/index.php/zpe/regime-brasileiro-de-zpe. Acesso em: 25 ago. 2019.

CARBAJAL, D. H. V.; RAVENNA, M. C. La construcción de un “entorno” institucional de apoyo a la industria maquiladora em la frontera norte de México. Revista Galega de Economía, vol. 14, núm. 1-2, p. 1-20, 2005. ISSN 1132-2799.

CARRILLO, J.; GOMIS, R. Los retos de las maquiladoras ante la pérdida de competitividad. Comercio Exterior, vol. 53, núm. 4, p. 318-327, abril, 2003.

CARRILLO, J.; HUALDE, A.; VILLAVICENCIO, D. (Coord.) Dilemas de la innovación en México: dinamicas sectoriales, territoriales e institucionales. 1 ed. – Tijuana: El Colegio de la Frontera Norte; México, D.F.: Red Temática Complejidad, Ciencia y Sociedad de Conacyt, 2012. ISBN: 978-607-479-074-0.

DALLABRIDA, V. R. A Gestão Social dos Territórios nos Processos de Desenvolvimento Territorial: Uma Aproximação Conceitual. Sociedade, Contabilidade e Gestão, Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, segundo semestre de 2007, p. 44-60.

DOUGLAS, L.; HANSEN, T. Los orígenes de la industria maquiladora em México. Comércio Exterior, vol. 53, núm. 11, noviembre de 2003.

FIERRO, J. O. O. Proveeduría nacional a la industria maquiladora en México: Un reto tecnológico. Frontera Norte, vol. 19, núm. 38, Julio-Diciembre de 2007.

FU, X. L.; GAO, Y. N..Export Processing Zones in China: A Survey. A report submitted to ILO - International Labour Office, 2007. Disponível em: <http://ilo.org/public/french/dialogue/download/epzchineenglish.pdf> Acesso em: 20 dez. 2017.

FULLERTON JR, T. M.; MORALES, J. C. V.; ANDA, M. P. B. de. Dinámica de corto plazo del empleo em las maquiladoras de Reynosa, Tamaulipas. Ensayos Revista de Economía, vol. 30, n 1, p. 23-40, 2011.

FUJITA, M.; KRUGMAN, P. The new economic geography: Past, present and the future. Regional Science, 83, 139-164, 2004. DOI: 10.1007/s10110-003-0180-0.

GIBBON, P.; JONES, S.; THOMSEN, L. An assessment of the impact of Export Processing Zones and an identification of appropriate measures to support their development. Copenhagen: Danish Institute for International Studies, April 2008.

HADJIMARCOU, J., BROUTHERS, L. E., MCNICOL, J. P.; MICHIE, D. E. Maquiladoras in the 21st century: Six strategies for success. Bussiness Horizons, 56, 207-217, 2013.

HENDERSON, V.;KUNCORO, A; TURNER, M. Industrial Development in Cities. Journal of Political Economy, 103, 1067- 1090, 1995.

HOOVER, E. M. La localisation des activités économiques. Paris: Les Editions Ouvrières, 1955.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTADÍSTICA Y GEOGRAFIA - INEGI. Disponível em: <http://www.inegi.org.mx/> Acesso em: 16 ago.2015.

ISARD, W. Localization and Space Economy: A General Theory Relating to Industrial Location, Market Areas, Land Use, Trade and Urban Structure. Cambridge: MIT Press, 1956.

JOHANSSON, H.; NILSSON, L. Export Processing Zones as Catalysts. World Development, Vol. 25, nº 12, pp. 2115-2128, 1997.

KRUGMAN, P. Geography and Trade. Leuven University Press/ MIT Press, Leuven – London, 1991.

KRUGMAN, P. Development, Geography and Economic Theory, The MIT Press, Cambridge, Masschusetts, London, England, 1995.

KRUGMAN, P. The self–organizing economy, Ed. BLACKWELL Publishers, Oxford, UK. 1996.

MARSHALL, A. Princípios de Economia. São Paulo: Abril Cultural, 1982 (Os economistas).

MARTÍNEZ CUERO, J. La subcontratación como estrategia de rentabilidad para el capital transnacional: la industria maquiladora en Tijuana, 1990-2017. Análisis económico, Dez. 2018, vol. 33, n. 84, p.143-167.

MILBERG, W.; AMENGUAL, M. Economic development and working conditions in export processing zones: A survey of trends. International Labour Office, ILO: Geneva, 2008. Disponível em: <http://ilo.org/public/french/dialogue/download/wp3englishfinal.pdf> Acesso em 30 maio 2018.

NONNENBERG, M. J. B. China: Estabilidade e Crescimento Econômico. Revista de Economia Política, vol. 30, nº 2 (118), p. 201-218, abril-junho/2010.

NIU, H. A Grande Estratégia Chinesa e os BRICS. Contexto Internacional, Rio de Janeiro, vol. 35, nº 1, p. 197-229, janeiro/junho, 2013.

NUNES, P. R. de C.; LOURENÇO, M. S. M.; SOUSA FILHO, J. M. de. Condições Facilitadoras e Aspectos Limitadores ao Processo de Implantação da Empresa ZPE Ceará à Luz da Visão Baseada nas Instituições. Gestão&Regionalidade, vol. 31, nº 92 – maio-ago/2015.

OHLIN, B. Interregional and International Trade. Cambridge: Harvard University Press, 1933.

OSPINA GRAJALES, M. P. El proceso de toma de decisiones en el Mercosur y el TLCAN: la disyuntiva entre integración regional y soberanía nacional en América Latina. Colombia Internacional, Out 2019, nº 100, p. 237-261.

OTA, T. Industrial Policy in Transitional Economy: The Role of China’s Special Economic Zone in Economic Development (Part I) 2003.

PINTO, E. C.; GONÇALVES, R. Globalização e poder efetivo: transformações globais sob efeito da ascensão chinesa. Economia e Sociedade, Campinas, v. 24, n. 2 (54), p. 449-479, ago. 2015.

PORTER, M. E. Vantagem competitiva: criando e sustentando um desempenho superior. Rio de Janeiro: Campus, 1990.

PORTER, M. E. Vantagem Competitiva das Nações.Rio de Janeiro: Campus, 1993.

PORTER, M. E. Clusters and the new economics of competition. Harvard Business Review. Harvard Business,76 (6): 77-90, 1998.

PORTER, M. E. Competição – estratégias competitivas essenciais. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

RAMOS, G.; GÓMEZ, E. L.; GÓMEZ CHIÑAS, C. ¿Genera el Tratado de Libre Comercio de América del Norte distorsiones para México? Un análisis a partir de medidas no arancelarias. Análisis económico, Abr 2019, v. 34, nº 85, p. 53-70

RIBEIRO, R. J; COSTA, V. M. H. M; SILVA, E. C. C; SACOMANO NETO, M; MAZZALI, L. Zona de Processamento de Exportação (ZPE) em Fernandópolis-SP: Objetivos e Dificuldades. Rev. FSA, Teresina, v.17, n. 2, art. 8, p. 143-168, fev. 2020.

RIONDA RAMÍREZ , J. I. Ciclo económico y desarrollo regional: Nuevo programa de investigación en México. Fides et Ratio - Revista de Difusión cultural y científica de la Universidad La Salle en Bolivia, Mar 2015, vol. 9, n 9, p.37–48.

RODRIK, D. Abrindo Espaço para a China na Economia Mundial. Tradução de Fernando Rugitsky. Novos Estudos CEBRAP, nº 89, p. 59-68. São Paulo, 2011.

ROTHER, E. T. Revisão sistemática versus revisão narrativa. Editorial. Acta Paul Enferm,; 20 (2) vi, 2007. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ape/v20n2/a01v20n2.pdf> Acesso em: 27 abr. 2016.

SCOTT, A. J., STORPER, M. Regions, Globalization, Development. Regional Studies, vol. 37, 2003.

SILVA, R. O.; MARQUES, M. D. Neoliberalismo e Desenvolvimento Regional: Obstáculos da Política Regional no Brasil. DRd – Desenvolvimento Regional em debate, v. 10, p. 348-369, 2020.

SOTOMAYOR, M. Patterns and Determinants of Intra Industry Trade for the Mexican Non-Maquiladora Manufacturing Industry. The Journal of Business Inquiry, 11, 1, 33-57, 2012.

SOUTH, E. As maquiladoras mexicanas: uma frágil opção de modelo de desenvolvimento. In CONFERÊNCIA INTERNACIONAL EM HISTÓRIA ECONÔMICA, 3 & ENCONTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA ECONÔMICA, 5. Brasília, 2010. Anais..., 2010.

TURRIONI, J. B.; MELLO, C. H. P. Metodologia de Pesquisa em Engenharia de Produção: Estratégias, métodos e técnicas para condução de pesquisas quantitativas e qualitativas. Itajubá: UNIFEI, 2012.

VARGAS-HERNÁNDEZ, J. G.; Impacto de las maquiladoras centroamericanas en el crecimiento económico y em el empleo. Suma de Negocios, Bogotá (Col), Vol. 2, n° 2: 31-43, diciembre 2011.

WEISBROT, M.; MERLING, L.; MELLO, V.; LEFEBVRE, S.; SAMMUT, J. Did Nafta Help Mexico? An Update After 23 Years. Mexican law review, Dez 2018, v. 11, nº 1, p. 159-183

YEUNG, Y.; LEE, J.; KEE, G. China’s Special Economic Zones at 30. Eurasian Geography and Economics, 50, nº. 2, p. 222–240, 2009.

ZENG, X.; ZHANG, C.; CHEN, L.; YANG, X.; SU, Y. Export Processing Zones in China: A Survey. Report and a Case Study. Working Papers Document, International Labour Office, ILO: Geneva, 2012.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)