Sistema de saneameno doméstico: eficácia do uso de fossa verde para o tratamento unifamiliar de esgoto

Main Article Content

Soralene Cunha da Silva
Valerie Sarpedonti

Resumo

A universalização dos serviços de saneamento no Brasil torna-se um desafio para os administradores públicos, sobretudo em municípios de pequeno porte, devido à pouca disponibilidade de recursos financeiros. No município de Tomé-açu/PA, a maioria da população rural, em 2010, destinava seu esgoto sanitário de forma inadequada, como uso de fossas negras ou a céu aberto. Diante deste cenário, foi aplicado um questionário em uma comunidade rural deste município, visando caracterizar a situação do saneamento. Os resultados serviram de base para a viabilidade e implantação de um sistema fossa verde para tratar esgoto sanitário doméstico em duas residências. Os resultados demonstraram que os domicílios não possuem sistema de distribuição e tratamento de água. Toda água utilizada pelos moradores é proveniente de poços ou nascentes. Não existe coleta pública ou particular dos resíduos sólidos gerados, a alternativa utilizada é a queima. As condições de lançamento de efluentes são precárias, pois não possuem sistema de captação e tratamento de efluentes. O esgoto doméstico gerado nas pias e lavanderias é disposto a céu aberto. A fossa negra ainda é utilizada pela grande maioria dos munícipes. Tais condições, aliadas à ausência de ações de educação ambiental na comunidade, afetam a saúde principalmente das crianças. A implementação da fossa verde trouxe uma nova perspectiva para as famílias beneficiadas, pois é um sistema de baixo custo, fácil operação e manutenção e pode substituir o uso de fossas rudimentares. As análises das frutas oriundas das fossas estão dentro dos padrões estabelecidos pela legislação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Cunha da Silva, S., & Sarpedonti, V. . (2021). Sistema de saneameno doméstico: eficácia do uso de fossa verde para o tratamento unifamiliar de esgoto. Revista Brasileira Multidisciplinar, 24(3). https://doi.org/10.25061/2527-2675/ReBraM/2021.v24i3.1219
Seção
Artigos Originais
Biografia do Autor

Valerie Sarpedonti, Instituto de Ciências Biológicas/UFPA

Doutorado em Ciências Biológicas. Líder do Grupo de Estudos em Educação Inclusiva e Ambiental. Instituto de Ciências Biológicas/UFPA.

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 5426. Planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos ABNT. Rio de Janeiro, 1985, 63p. Acesso em 08 de abril de 2019.

BORGES, A.L.; SOUZA, L. da S. (1ª ed.). O cultivo da bananeira. Cruz das Almas: Embrapa e Fruticultura, 2004. 279p. Acesso em 20 de maio de 2019.

BRASIL. Fundação Nacional de Saúde, FUNASA. Manual de Cloração de Água em Pequenas Comunidades Utilizando o Clorador Simplificado Desenvolvido pela Funasa. Brasília: Funasa,

36 p. Disponível em:<http://www.funasa.gov.br/site/wp-

content/files_mf/manualdecloracaodeaguaempequenascomunidades.pdf >. Acesso em 06 de junho de 2018.

BRASIL. Fundação Nacional de Saúde, FUNASA. Orientações metodológicas para Programa de Educação Ambiental em Saneamento para pequenos municípios: Caderno de orientações: Caderno 1. Universidade Estadual de Feira de Santana. – Feira de Santana: UEFS – Brasília: FUNASA, 2014. 61p. Disponível em: <http://www.funasa.gov.br/site/wpcontent/files_mf/orient_ed_sa_caderno1.pdf>. Acesso em 06 de junho de 2018.

BRASIL. Fundação Nacional de Saúde. Aplicação controlada de água residuária e lodo de esgoto no solo para melhorar e incrementar a agricultura do semiárido nordestino, 2007. 120p. Brasília: Funasa. Acesso em 09 de fevereiro de 2019.

BRASIL. Lei n° 12.305, de 02 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei n° 9.605, de 12 de fevereiro de 1998 e dá outras providências. Diário Oficial da União 2010. Acesso em 2 agosto de 2018.

BRASIL. Lei no 11.445, de 05 de janeiro de 2007. Estabelece diretrizes nacionais para o saneamento básico; altera as Leis nos 6.766, de 19 de dezembro de 1979, 8.036, de 11 de maio de 1990, 8.666, de 21 de junho de 1993, 8.987, de 13 de fevereiro de 1995; revoga a Lei no 6.528, de 11 de maio de 1978; e dá outras providências. Diário Oficial da União, 2007. Acesso em 02 de fevereiro de 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 12, de 2 de janeiro de 2001. Regulamento Técnico sobre Padrões microbiológicos para alimentos. Brasília: ANVISA. Acesso em 05 de maio de 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Guia de Vigilância em Saúde / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, 2014. 812 p. Brasília: Ministério da Saúde. Acesso em 21 de março de 2019.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988, 292 p. Acesso em 21 de março de 2019.

CAMPOS, L. E. DE F.; PETTER, C. O. KAUTZMANN, R. M. Filtro Anaeróbio: Uso de resíduos de construção como material suporte. Revista de Ciências Ambientais, v. 2, n. 1, p. 5-13, 2008. Disponível em <https://biblioteca.unilasalle.edu.br/>. Acesso em: 10 de maio de 2019.

CARVALHO, A. R. de; OLIVEIRA, M. V. C. Princípios Básicos do Saneamento do Meio - 10ª ed. 400p. SENAC. São Paulo, 2010.

COELHO, C. F.; REINHARDT, H.; ARAÚJO, J. C. De. Fossa verde como componente de saneamento rural para a região semiárida do Brasil. Engenharia sanitária e ambiental, v. 23, n. 4, 11 p. 801-810, 2018. Acesso em 15 de maio de 2019.

COSTA, L. dos S. Utilização do caroço de açaí como leito filtrante no tratamento de água de abastecimento e residuária. 2014. 112 p. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Pará, Instituto de Tecnologia, Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil. Belém, 2014. Disponível em:< http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/7924>. Acesso em 05 de junho de 2019.

DE ARAÚJO ALMEIDA, R.; ALMEIDA, N. A. M. Remoção de coliformes do esgoto por meio de espécies vegetais. Revista eletrônica de enfermagem, v. 7, n. 3, 2005. Disponível em:< https://www.revistas.ufg.br/fen/article/view/902/1098>>. Acesso em 10 de maio de 2019.

DE MELO, M. F.T.; SILVA, H. P. Doenças crônicas e os determinantes sociais da saúde em comunidades quilombolas do Pará, Amazônia, Brasil. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), v. 7, n. 16, p. 168-189, 2015. Disponível em:< http://abpnrevista.org.br/revista/index.php/revistaabpn1/article/view/103>. Acesso em 10 de maio de 2019.

DOWNES, F. P., & K. Compedium of methods for the microbiological. Examinations of Foods (4th. ed.). Washington, DC: APHA. 2001.

FRAZÃO, D. A. C., Homma, A. K. O. ISHISUKA, Y., de MENEZES, A. J. E. A., de MATOS, G. B., & de ROCHA, A. C. P. N. Indicadores tecnológicos, econômicos e sociais em comunidades de pequenos agricultores de Tomé-Açu, PA. Embrapa Amazônia Oriental-Documentos (INFOTECA-E), 2005. Acesso em 23 de abril de 2019.

FURLAN, A. C., DOS SANTOS, A. V., RICARDA, C. M., ESPOLADOR, R. D. C. R. T., & DUBUC, M. A. Educação Ambiental para o Desenvolvimento Sustentável. Revista de Ciências Jurídicas, v. 11, n. 2, 2015. Acesso em 15 de março de 2019.

GALBIATI, A. F. Tratamento domiciliar de águas negras através de tanque de evapotranspiração. 2009. 38f. Dissertação (Mestrado em Tecnologias Ambientais) – Universidade Federal de Mato Grosso do Sul-UFMS. Campo Grande, Mato Grosso do Sul, 2009.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA, IBGE. Indicadores sociais municipais: uma análise dos resultados do universo do censo demográfico 2010 / IBGE. 151p. 2011. Rio de Janeiro (RJ). Acesso em 05 de agosto de 2018.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA, IBGE. Pesquisa nacional de Saneamento Básico 2008. 219p. 2010. Acesso em 05 de agosto de 2018.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA, IBGE. Síntese de Indicadores, 2015. Rio de Janeiro (RJ). Acesso em 18 de junho de 2019. Disponível em:<https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/populacao/19897-sintese-de-indicadorespnad2.html?edicao=9129&t=resultados>. Acesso em 10 de maio de 2019.

INSTITUTO TRATA BRASIL. Benefícios Econômicos da Expansão do Saneamento brasileiro 2017. Disponível em:<http://www.tratabrasil.org.br/saneamento/principais-estatisticas/nobrasil/saude>. Acesso em 20 de janeiro 2019.

LISBOA, S. S.; HELLER, L.; SILVEIRA, R. B. Desafios do planejamento municipal de saneamento básico em municípios de pequeno porte: a percepção dos gestores. Engenharia Sanitária e Ambiental, v. 18, n. 4, p. 341-348, 2013. Acesso em 10 de abril de 2018.

MARTINS, A. S. Influência de Produtos de Higiene Pessoal e Limpeza na Concentração de Sólidos Totais, DBO, DQO, Nitrogênio Total e Fósforo Total do Esgoto Doméstico. 2018. Acesso em 02 de março de 2018.

MEDEIROS, A. C.; LIMA, M. de O. GUIMARÃES, R. M. Avaliação da qualidade da água de consumo por comunidades ribeirinhas em áreas de exposição a poluentes urbanos e industriais nos municípios de Abaetetuba e Barcarena no estado do Pará, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 21, p. 695-708, 2016.

METCALF & EDDY; AECOM. Wastewater engineering: Treatment and Resource Recovery. 5 ed. 2018 p. New York: McGraw-Hill Education, 2014.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA DO SUS (DATASUS),

Saneamento Senso, 2013. Acesso em 07 de janeiro de 2019.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA DO SUS (DATASUS),

Morbidade Hospitalar do SUS, 2014. Acesso em 07 de janeiro de 2019.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA DO SUS (DATASUS). Sistema de informação de atenção básica- Situação de Saúde – Pará. 2010. Acesso em 14 de dezembro de 2018.

MORAES, V. R., CARNEIRO JR, J. J. VALENTINI, C. M. A., & DE FARIA, R. A. P. G. Caracterização dos modelos de esgotamento sanitário na comunidade São Gonçalo Beira Rio, Cuiabá, MT. Biodiversidade, v. 12, n. 1, 2013. Acesso em 10 de janeiro de 2019.

NUVOLARI, A. Esgoto Sanitário: Coleta, Transporte, Tratamento e Reuso Agrícola. 2ª ed. São Paulo: Blucher, 2011.

OLIVEIRA NETTO A. P.; GUERRA L.R.M.; SILVA M.R.P.S e SILVA R.F.S. Biorremediação Vegetal Do Esgoto Domiciliar: O Caso Da Fossa Verde Em Comunidades Rurais Do Alto Sertão Alagoano. Revista Produção e Desenvolvimento, v.1, n.3, p.103-113, 2015. Acesso em 05 de junho de 2018.

PAMPLONA, S.; VENTURI, M. Esgoto à flor da terra. Permacultura Brasil. Soluções Ecológicas, ano VI, v 16, 48 p., 2004. Acesso em 05 de junho de 2018.

PINTO, F. de R. Qualidade da água em propriedades rurais da microbacia hidrográfica do córrego Rico, Jaboticabal - SP. 2011. xiii, 123 f. Tese (doutorado) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, 2011. Acesso em 12 fevereiro de 2019.

REIS, B. O.; SILVA, I. T. D.; SILVA, I. M. O. D. Produção de briquetes energéticos a partir de caroços de açaí. Procedings of the 4th Encontro de Energia no Meio Rural, 2002.

RODRIGUES, T. E. DOS SANTOS, P. L. ROLLIM, P. A. M., SANTOS, E., REGO, R. S., DA SILVA, J. M. L., GAMA, J. R. N. 53p. 2001. Caracterização e classificação dos solos do Município de Tomé-Açu, PA. Embrapa Amazônia Oriental-Documentos (INFOTECA-E). Acesso em 23 de abril de 2019.

SILVA, W. T. L. Memorial descritivo: montagem e operação da fossa séptica biodigestora. São Carlos, SP: Embrapa Instrumentação, 2017. Acesso em 08 de abril de 2019.

SOUSA, R. S. D. MENEZES, L. G. C. D., FELIZZOLA, J. F., FIGUEIREDO, R. D. O. SÁ, T. D. D. A., & GUERRA, G. A. D. Água e saúde no município de Igarapé-Açu, Pará. Saúde e

Sociedade, v. 25, p. 1095-1107, 2016. Disponível em: <https://www.scielosp.org/article/sausoc/2016.v25n4/1095-1107/pt/>. Acesso em 10 de maio de 2019.

VON SPERLING, Marcos. Introdução à qualidade das águas e ao tratamento de esgotos. 4. ed. 452p. Belo Horizonte: UFMG, 2005.