Psicologia social e HIV/AIDS: Um estudo de revisão BRAZILIAN SCIENTIFIC PRODUCTION

Main Article Content

José Tadeu Acuna
Mariana Favorido Sant’Ana
Isabela Mendes Rocha
Ariela Cursino Lanfranchi

Resumo

Objetivou-se conhecer e analisar as investigações nacionais brasileiras que abordam o fenômeno do Vírus da Imunodeficiência e da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (HIV/AIDS) a partir da psicologia em sua abordagem social. Neste sentido, delineou-se um estudo qualitativo de revisão de artigos datados nos últimos 11 anos e seis meses, sendo o lócus de pesquisa o Portal de Periódicos da CAPES e a técnica de análise qualitativa de conteúdo como procedimento organizador e analítico. Os nove artigos analisados apresentaram contribuições ao campo da psicologia, no tocante ao entendimento de como o HIV/AIDS é representado tanto na perspectiva da pessoa soropositiva quanto na de terceiros. Foi discutido que no Brasil a psicologia em uma perspectiva social se encontra numa etapa de diagnóstico e de análise do fenômeno HIV/AIDS, a qual produz conhecimentos necessários para futuras intervenções. Entretanto, destacou-se que é preciso avançar na produção de medidas propositivas no que tange à superação dos desafios vivenciados pelo sujeito soropositivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Acuna, J. T., Favorido Sant’Ana, M. ., Mendes Rocha, I. ., & Cursino Lanfranchi, A. . (2022). Psicologia social e HIV/AIDS: Um estudo de revisão: BRAZILIAN SCIENTIFIC PRODUCTION. Revista Brasileira Multidisciplinar - ReBraM, 25(2). Recuperado de https://revistarebram.com/index.php/revistauniara/article/view/1372
Seção
Artigo de Revisão
Biografia do Autor

José Tadeu Acuna, Programa de Pós-graduação em Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem. UNESP, Bauru

Psicólogo. Pedagogo. Mestre e doutorando em Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem pela UNESP de Bauru. Docente no Ensino Superior.

Referências

ACUNA, J. T.; SILVA, N. R. da. Contribuições da Psicologia Social à formação de representações sociais que prescindam de preconceito: um relato de experiência. Educação em revista, v.21, n.1, p. 95-108. 2020.

BELLENZANI, R.; NEMES, M. I. B.; PAIVA, V. Comunicação profissional-paciente e cuidado: Avaliação de uma intervenção para adesão ao tratamento de HIV/AIDS. Interface: Communication, Health, Education, v. 17, n. 47, p. 803–834, 2013.

BERNI, V. L.; ROSO, A. Tornar-se adolescente com HIV/aids: possibilidades e limitações. Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 20, n. 3, p. 582–601, 2014. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/pdf/per/v20n3/v20n3a11.pdf>

BERWANGER, O.; SUZUMURA, E. A.; BUEHLER, A. M.; OLIVEIRA, J. B. Como avaliar criticamente revisões sistemáticas e metanálises? Revista Brasileira de Terapia Intensiva, v. 19, n. 4, p. 475–480, 2007.

BOTELHO, L. L. R.; CUNHA, C. C. de A.; MACEDO, M. O Método Da Revisão Integrativa Nos Estudos Organizacionais. Gestão e Sociedade, v. 5, n. 11, p. 121, 2011.

BRASIL. Aids/HIV: o que é, causas, sintomas, diagnóstico, tratamento e prevenção. 2019. Disponível em: http://www.saude.gov.br/saude-de-a-z/aids-hiv.

CAJADO, L. C. de S.; MONTEIRO, S. Social movement of women with HIV/AIDS: An experience between posithive citizen from Rio de Janeiro, Brazil. Ciencia e Saude Coletiva, v. 23, n. 10, p. 3223–3232, 2018.

CALAIS, L. B. de; DE JESUS, M. Â. das G. S. Desvendando olhares: Infância e AIDS nos discursos da sociedade. Psicologia e Sociedade, v. 23, n. 1, p. 85–93, 2011.

CFP. Conselho Federal de Psicologia. Código de Ética Profissional do Psicólogo. 2005. Disponível em: https://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2012/07/codigo-de-etica-psicologia.pdf. Acesso em: 25.dez.2020.

COSTA, T. L. da. Et al. Pessoas com HIV/Aids nas representações sociais de enfermeiros: Análise dos elementos centrais, contranormativos e atitudinais. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 20, n. 6, p. 1091–1099, 2012.

CRTPPP. Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas. Referências técnicas para a atuação de psicólogas (os) nos programas de IST e HIV/AIDS. 2019. Disponível em: <https://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2019/07/REFERÊNCIA-TÉCNICA-IST-HIV-AIDS-Versão-Consulta-Pública.pdf> Acesso em: 25. dez.2020

DE LUIZ, G. M. O uso da argumentação científica na opção por estilos de vida arriscados no cenário da aids. Interface: Communication, Health, Education, v. 17, n. 47, p. 789–802, 2013.

EID, A. P.; WEBER, J. L. A. W.; PIZZINATO, A. P. Maternity and life plans among young people infected with HIV by vertical transmission. Revista latinoamericana de Ciencias Sociales, Niñez y Juventud, v. 13, n. 2, p. 937–950, 2015.

GALVÃO, C. M.; SAWADA, N. O.; TREVIZAN, M. A. Revisão sistemática: recurso que proporciona a incorporação das evidências na prática da enfermagem. Revista latino-americana de enfermagem, v. 12, n. 3, p. 549–556, 2004.

GALVÃO, C. M.; SAWADA, N. O.; TREVIZAN, M. A. Revisão sistemática: recurso que proporciona a incorporação das evidências na prática da enfermagem. Revista Latino-americana de enfermagem, v. 12, p. 549-556, 2004.

GALVÃO, T. F.; PANSANI, T. de. S. A; HARRAD, D. Principais itens para relatar Revisões sistemáticas e Meta-análises: A recomendação PRISMA. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 24, p. 335-342, 2015.

GERGEN, K. J. The social constructionist movement in modern psychology. American Psychologist, v.40, n.3, 266-275 1992.

GOFFMAN, E. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade. Tradução: Mathias Lambert, v. 4, 1988. Disponível em: http://www.aberta.senad.gov.br/medias/original/201702/20170214-114707-001.pdf

GOMES, I. S.; CAMINHA, I. O. Guia para estudos de revisão sistemática: uma opção metodológica para as Ciências do Movimento Humano. Movimento, v. 20, n. 1, p. 395-411, 2014.

HIPOLITO, R. L. et al. A teoria das representações sociais ea qualidade de vidahivaids: revisão integrativa de literatura. Revista de Pesquisa, Cuidado é Fundamental Online, v. 8, n. 1, 2016.

LANE, S. T. M. O que é psicologia social. Ed. Brasiliense. 2017.

MEDINA, E. U.; PAILAQUILÉN, R. M. B. A revisão sistemática e a sua relação com a prática baseada na evidência em saúde. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 18, p. 824-831, 2010.

MENDES, K. D. S.; SILVEIRA, R. C. C. P.; GALVÃO, C. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto & contexto-enfermagem, v. 17, p. 758-764, 2008.

OMS. Organização Mundial da Saúde. Diretora regional da OMS pede que países repensem resposta ao HIV. 2019. Disponível em: https://nacoesunidas.org/diretora-regional-da-oms-pede-que-paises-repensem-resposta-ao-hiv/

PAIVA, V. et al. Prevención, promoción y cuidado: Enfoques de vulnerabilidad y derechos humanos, Teseo, v.1, n.1, 2018. Disponível em: https://www.teseopress.com/vulnerabilidadesyddhh

RODRIGUES, A. Psicologia Social. Rio de Janeiro: Vozes. 1988.

SOUSA, L. M. S.; SILVA, L. S.; PALMEIRA, A. Representações sociais de caminhoneiros de rota curta sobre HIV/AIDS. Psicologia & Sociedade, v. 26, p. 346-355, 2014.

SOUZA, M. T.; SILVA, M. D.; CARVALHO, R. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein (São Paulo), v.8, n.1, p.102-106. 2010.

ZOLTOWSKI, A. P. C. et al. Qualidade metodológica das revisões sistemáticas em periódicos de psicologia brasileiros. Psicologia: teoria e Pesquisa, v. 30, p. 97-104, 2014.