A Realidade do Idoso Institucionalizado Frente á Visita Familiar: Um Estudo Quantitativo

Main Article Content

Aline Cristina de Faria
Sandra Aparecida Emidio Antonio
Cássia Tiêmi Nagasawa Ebisui

Resumo

O envelhecimento para o indivíduo consiste na perda gradativa de seus papéis sociais e o vazio experimentado por não encontrar novas funções. Esses sentimentos podem levá-lo ao sofrimento psíquico, principalmente quando há falhas na integração familiar. Este estudo quantitativo objetivou identificar o número de idosos institucionalizados que recebe visitas, assim como sua frequência e o vínculo dos visitantes, em um município do interior do estado de São Paulo. Para a coleta de dados utilizou-se questionário estruturado contendo questões de interesse ao estudo para que os 47 idosos (100%) institucionalizados respondessem. Os resultados mostram que, dentre os sujeitos respondentes, 64% dos idosos entrevistados recebiam visitas; em relação à frequência dessas visitas, 26% referem receber visitas no período superior a um mês. Os achados revelam ainda que 63% dos visitantes foram identificados como outros parentes (sobrinhos, irmãos, netos e primos e amigos) e, destes, 47% possuíam filhos que não visitavam seus pais. Concluiu-se que o achado de maior relevância neste estudo, além da corroboração da multiplicidade de perdas presentes na história de vida dos idosos institucionalizados, foi o sentimento de abandono inerente a todos esses idosos em relação aos filhos e outros parentes, assim como pela sociedade em geral, havendo necessidade de valorização dessa população emergente tanto nas instâncias governamentais como familiares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Faria, A. C. de, Antonio, S. A. E., & Ebisui, C. T. N. (2014). A Realidade do Idoso Institucionalizado Frente á Visita Familiar: Um Estudo Quantitativo. Revista Brasileira Multidisciplinar - ReBraM, 17(2), 117-124. https://doi.org/10.25061/2527-2675/ReBraM/2014.v17i2.32
Seção
Artigos Originais
Biografia do Autor

Aline Cristina de Faria, Centro Universitário de Araraquara

Graduação em Enfermagem pelo Centro Universitário de Araraquara. Especialista em Saúde da Família pela Unifesp. Enfermeira gestora da atenção básica na Prefeitura Municipal de Araraquara

Sandra Aparecida Emidio Antonio

Graduação em Enfermagem pelo Centro Universitário de Araraquara. Especialista em urgência e emergência e cuidados intensivos. Enfermeira do Hospital Beneficência Portuguesa de Araraquara.

Cássia Tiêmi Nagasawa Ebisui, Centro Universitário de Araraquara

Profa. Dra. do curso de Enfermagem do Centro Universitário de Araraquara e coordenadora pedagógica do Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza.

Referências

AREIAS, G. L.; LIPP, M. E. N. Comparação do nível de stress entre idosos que moramcom a família e aqueles que vivem em casa de repouso. In: ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA

PUC, 13 -Campinas, 2008.

BOFF, L. Saber cuidar: ética do humano- compaixão pela Terra. Petrópolis: Vozes, 1999.

BORGHI, A. C.; MOLITERNO, A. C. M;

CARREIRA, L. Caracterização dos idosos institucionalizados no asilo São Vicente de Paulo de Maringá. In: SIMPÓSIO MARINGAENSE DE

GERONTOLOGIA, 2. 2010. Disponívelem: .

Acesso em: 07 agosto 2011.

BORN, T.; BOECHAT, N. S. Aqualidade dos cuidados ao idoso institucionalizado. In: FREITAS, E. V.; PY, L.; CANÇADO, F. A. X.; GORZONI, M. L. Tratado de Geriatria e Gerontologia. 2 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006. Cap. 119, p. 1131-1141.

BRASIL. MINISTÉRIO DASAÚDE. AGENCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA-

ANVISA. Resolução da Diretoria Colegiada n

Regulamento Técnico que define normas de funcionamento para as Instituições de Longa Permanência para Idosos. 2005. Disponível em:

<http://www.saude.sp.gov.br/atos_normativos/ legislacao-sanitaria/estabelecimentos-de-saude/ atencao-ao-idoso/RES_283.pdf>. Acesso em: 20 abril 2011.

CHAIMOWICZ, F. Dinâmica da institucionalização de idosos em Belo Horizonte, Brasil. Revista Saúde Pública, v. 33, p. 454-460, 1998.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E

ESTATÍSTICA - IBGE. Coordenação de população e indicadores sociais. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira: 2011. Rio de Janeiro.

Disponívelem: http://www.ibge.gov.br/home/ estatistica/populacao/censo2010/default.shtm. Acesso em: 10 agosto 2011.

PAPALEO, M. Gerontologia: a velhice e o envelhecimento emvisão globalizada. São Paulo: Editora Atheneu, 2005.

PAVAN, F. J.; MENEGHEL, S. N.; JUNGES, J. R.

Mulheres idosas enfrentando a institucionalização. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, set. 2008. Disponívelem: http://www.scielosp.org/ scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102- 311X2008. Acesso em: 17 fevereiro 2011.

PERLINI, N. M. O. G.; LEITE, M. T.; FURINI, A.

C. Em busca de uma instituição para a pessoa idosa morar: motivos apontados por familiares. Revista da Escola Enfermagem da USP, São Paulo, v. 41, n. 2, p. 229-236, 2007.

PINHEIRO, L.; GALIZA, M.; FONTOURA, N.

Novos arranjos familiares, velhas convenções sociais de gênero: a licença parental como política pública para lidar com essas tensões. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 17, n. 3, p. 851-859,

set./dez. 2009.

REIS, L. A.; TORRES, G. V.; REIS, L. A.;

FERNANDES, M. H. Características sóciodemográficas e de saúde de idosos dependentes residentes em domicílio. Revista Espaço para a Saúde, v. 10, n. 2, p. 12-17, 2008.