Resenha: löwy, michael. Ecologia e Socialismo. São paulo: Cortez, 2005. 94p.

Main Article Content

Flávio Roberto Chaddad

Resumo

Hoje o mundo vive uma crise ambiental. Ela suscita buscas a fim de se encontrar respostas que tragam horizontes para se pensar o mundo. Nessa busca é que se situa a análise de Michael Löwy sobre o pensamento ecológico no marxismo. Verifica-se, no primeiro capítulo – Progresso destrutivo: Marx, Engels e a Ecologia –, que a ecologia não é tema central nessas obras. Podemos inferir que este fato é decorrente da própria época em que viviam os autores, quando a natureza era vista como um bem ilimitado. Porém, algumas passagens referentes à natureza e de como ela deva ser conduzida pelo ser humano podem ser notadas. Assim, nos manuscritos escritos em 1844, Marx faz referência a natureza como se fosse o corpo orgânico do homem; em um outro texto, sobre o papel do trabalho na transformação do macaco em homem, de 1876, há uma crítica pela forma predatória que o homem utiliza a natureza, considerando que as ações que praticamos contra a natureza se voltam contra nós; no livro III do O Capital, vemos esboçar uma verdadeira problemática ecológica. O que se encontra nesse texto é um tipo de teoria da ruptura do metabolismo entre as sociedades humanas e a natureza, como resultado do produtivismo capitalista; no livro I de O Capital há uma crítica à destruição das florestas e à perda da capacidade produtiva dos solos; na obra de Engels, A Dialética da Natureza, ele cita a desertificação em solo cubano provocado pelos grandes produtores de café; o problema da poluição do meio ambiente não está ausente, mas é abordado sob o ângulo da insalubridade dos bairros operários nas grandes cidades inglesas, nas páginas da A condição da classe operária inglesa de 1844. A partir dessas passagens, como podemos analisar a ecologia na obra de Marx? Podemos dizer que elas parecem considerar que a conservação da natureza está ligada à superação do produtivismo capitalista, como uma tarefa fundamental do socialismo, e isto se comprova no volume III, de O Capital, em que Marx parece aceitar o princípio da responsabilidade, a obrigação de cada geração de respeitar o meio ambiente – a condição de existência das próximas gerações. No segundo capítulo do livro – O que é ecossocialismo –, Löwy aponta o cenário atual que envolve a problemática ambiental, bem como deve ser a reação a este cenário por parte do socialismo. Ele afirma que devemos trocar os valores quantitativos pelos valores qualitativos, dar maior ênfase ao valor de uso - as nossas necessidades, o que não está ocorrendo no mundo de hoje e que contribui decisivamente para a crise ambiental. Nessa perspectiva, a inserção do discurso ecológico no marxismo é o grande desafio, o que irá exigir dos marxistas uma crítica profunda da sua concepção tradicional de forças produtivas e o rompimento com a ideologia do progresso linear que não deve encontrar respaldo no marxismo.-------

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Chaddad, F. R. (2013). Resenha: löwy, michael. Ecologia e Socialismo. São paulo: Cortez, 2005. 94p. Revista Brasileira Multidisciplinar - ReBraM, 16(2), 107-109. https://doi.org/10.25061/2527-2675/ReBraM/2013.v16i2.67
Seção
Artigos Originais
Biografia do Autor

Flávio Roberto Chaddad, UNESP - Araraquara (SP).

Mestre em Educação pela PUC-Campinas. Mestrando em Educação Escolar pela UNESP - Araraquara (SP).