Prevalência de casos de hanseníase no município de Votuporanga (SP) no período de 2014 a 2018

Main Article Content

Eduarda Peres Bucater
Maria Aparecida do Carmo Dias

Resumo

A Hanseníase também conhecida como mal de Hansen é causada pelo bacilo denominado Mycobacterium Leprae, que afeta pele e sistema nervoso periférico. Agravo de transmissão respiratória que afeta 30% da humanidade que entra em contato com o microrganismo. No Brasil a taxa de detecção é de 12,2/100 mil hab. O objetivo da pesquisa foi analisar os casos de hanseníase no município de Votuporanga/SP, no período entre 2014 a 2018. Os dados foram coletados do Datasus no final de 2018. Dos 33 casos, 51,5% foram no sexo masculino e 48,5% no sexo feminino, sendo a maioria entre a faixa etária de 30 a 59 anos (58%). O modo de entrada houve predomínio de casos novos (76%). O encaminhamento foi o modo de detecção mais utilizado (52%); já a demanda espontânea ficou com 18%, exame de contatos 18% e outros ficaram com 12%. Quanto à forma clínica 34% foram virchowiana, 24% dimorfa, 27% tuberculóide e 15% indeterminada, sendo assim destacou-se a forma Multibacilar (58%) e a forma Paucibacilar ficou com 42%. O esquema terapêutico corrobora com os dados já citados, sendo mais prevalente PQT/MB/12 doses (58%).  As lesões cutâneas e os nervos afetados foram ignorados na maior parte dos casos. O grau 0 de incapacidade demonstrou-se mais significativo (79%), 15% teve grau 1 de incapacidade e 6% já estão no grau 2. Em relação ao tipo de saída com maior porcentagem foi a cura com 70%, 6% foi transferência e 21% não consta nos registros. O município estudado não atingiu a meta de eliminação e apresenta muitas formas contagiantes. É de extrema importância identificar e tratar os casos; e investir na prevenção das incapacidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Bucater, E. P., & Dias, M. A. do C. (2020). Prevalência de casos de hanseníase no município de Votuporanga (SP) no período de 2014 a 2018. Revista Brasileira Multidisciplinar, 23(2). https://doi.org/10.25061/2527-2675/ReBraM/2020.v23i2.748
Seção
Artigos Originais
Biografia do Autor

Eduarda Peres Bucater, UNIFEV

Graduação em Medicina pelo Centro Universitário de Votuporanga, Brasil

Área médica

Maria Aparecida do Carmo Dias, UNIFEV

Mestrado em Promoção de Saúde pela Universidade de Franca, Brasil

Área médica

Referências

BRASIL. Boletim Epidemiológico. Secretaria de Vigilância em Saúde. Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico vol 49. n4, 2018. Disponível:http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/janeiro/31/2018-004-Hanseniase-publicacao.pdf. Acesso: 15 de janeiro 2019.

BRASILa. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Guia prático sobre a hanseníase [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. – Brasília: Ministério da Saúde, 2017. Disponível em http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2017/novembro/22/Guia-Pratico-de-Hanseniase-WEB.pdf . Acesso: 15 de Fevereiro de 2019.

BRASILb. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação Geral de Desenvolvimento de Epidemiologia em Serviços. Guia de Vigilância em Saúde. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação Geral de Desenvolvimento de Epidemiologia em Serviços. 2 ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2017. Disponível em http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2017/outubro/06/Volume-Unico-2017.pdf. Acesso: 20 de Fevereiro de 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Diretrizes para vigilância, atenção e eliminação da Hanseníase como problema de saúde pública: manual técnico-operacional [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. – Brasília: Ministério da Saúde, 2016 http://www.saude.pr.gov.br/arquivos/File/DiretrizesdoManuaTcnicoOperacionaldeHansenase.pdf. Acesso: 17 de janeiro de 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Portaria Conjunta nº 125, de 26 de março de 2009. Disponível: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/svs/2009/poc0125_26_03_2009.html. Acesso: 25 de março de 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Vigilância em Saúde: Dengue, Esquistossomose, Hanseníase, Malária, Tracoma e Tuberculose / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica / - Brasília: Ministério da Saúde, 2007. Disponível: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cadernos_atencao_basica_vigilancia_saude.pdf. Acesso: 04 de março de 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Programa Nacional de Eliminação da Hanseníase. Plano Nacional de Eliminação da Hanseníase em nível municipal 2006. Disponível: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/hanseniase_plano.pdf. Acesso: 04 de março de 2019

FLOETER-WINTER, Lucile Maria. Tópicos em Fisiologia Comparativa, 2007. Disponível em http://www.ib.usp.br/cursodeinverno/old/2007/Livro%20CI%202007.pdf. Acesso: 02 de Abril de 2019.

GIL, Antônio Carlos Métodos e técnicas de pesquisa social / Antônio Carlos Gil. - 6. ed. - São Paulo: Atlas, 2008.

GOMES, Kássia Katarine de Lima; CALADO, Amanda Maria da Cunha. Análise do modo de detecção da hanseníase na Paraíba (2006- 2016). Disponível: http://www.editorarealize.com.br/revistas/congrefip/trabalhos/TRABALHO_EV069_MD4_SA3_ID658_28032017195959.pdf. Acesso: 05 de março de 2019.

MORESI, E. Metodologia de pesquisa. Série didática, UCB, 2003. 108 p. Disponível em: <http://www.inf.ufes.br/falbo/files/MetodologiaPesquisa-Moresi 2003.pdf>. Acesso em: 04 de outubro de 2018.

PACHECO, Marcos Antonio Barbosa; AIRES, Monica Lice Leite; SEIXAS, Emanuelle Samary.. Prevalência e controle de hanseníase: pesquisa em uma ocupação urbana de São Luís, Maranhão, Brasil. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, 2014. Disponivel em: https://www.rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/690. Acesso em 20 de Abril de 2019

PESCADOR, Michely de Almeida; SAKAE, Thiago Mamôru; MAGAJEWSKY, Flavio Ricardo Liberali. Análise de tendência histórica da evolução da hanseníase em Santa Catarina no período de 2001-2015. Arq. Catarin Med. 2018. Disponível: file:///C:/Users/Lazaro/Downloads/307-1245-1-PB.pdf. Acesso: 05 de março de 2019.

SANTINO, Lívia Soares; BARRETO, Jaison Antônio; MARTINS, Ana Luiza Grizzo Peres; ALVES, Fernando Simões. Hanseníase Dimorfa Reacional em Criança. Hansen Int 2011. periódicos.ses.sp.bvs.br. Acesso 26 de Junho de 2019.

SARMENTO, Ana Paula Avelino; PEREIRAO, Anderson de Moura; RIBEIRO, Fábio; CASTRO, Jamille Lessa, ALMEIDA, Mariana Braga; RAMOS, Nubia Muniz. Perfil epidemiológico da hanseníase no período de 2009 a 2013 no município de Montes Claros (MG). Rev Soc Bras Clin Med. 2015. Disponível em: http://files.bvs.br/upload/S/1679-1010/2015/v13n3/a5389.pdf. Acesso em 20 de Abril de 2019.

SILVA, Antônia Santos da; CUNHA, Paulo Bryguel da; LOBO, Katiane dos Santos; SOUSA, Semilly Suélen da Silva; PINHEIRO, Valéria Cristina Soares; BEZERRA, juliana Maria Trindade. Incidência da hanseníase, segundo sexo, faixa etária, tipos de lesões e formas clínicas no município de Caxias – Maranhão. 63º Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), 2018. Disponível: http://www.sbpcnet.org.br/livro/63ra/resumos/resumos/2311.htm. Acesso: 05 de março de 2019.

SINAN. Sistema de Informação de Agravos de Notificação, 2017. Disponível em http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/julho/13/Indicadores-epidemiologicos-e-operacionais-de-hanseniase-Brasil-2001-a-2017.pdf. Acesso em 01 de Abril de 2019.

SBD. Sociedade Brasileira de Dermatologia. Disponível em https://www.sbd.org.br/dermatologia/pele/doencas-e-problemas/hanseniase/9/. Acesso em 21 de Agosto de 2019.

TEIXEIRA, Márcia Almeida Galvão; SILVEIRA, Vera Magalhaes da; FRANÇA, Emmanuel Rodrigues de. Características epidemiológicas e clínicas das reações hansênicas em indivíduos paucibacilares e multibacilares, atendidos em dois centros de referência para hanseníase, na Cidade de Recife, Estado de Pernambuco. Rev. Soc. Bras. Med. Trop, 2010. Disponível: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0037-86822010000300015. Acesso: 04 de março de 2019.