Novos caminhos da biotecnologia: As inovações da indústria 4.0 na saúde humana

Main Article Content

Creusa Sayuri Tahara Amaral
Oreonnilda de Souza
Leiraud Hilkner de Souza
Gilson José da Silva
Lucas Noboru Fatori Trevizan

Resumo

As aplicações da Biotecnologia na área da saúde humana são amplas e têm despertado o interesse de cientistas, da indústria e de investidores em todo o mundo. A Biotecnologia é uma das áreas que mais vem sendo impactada pelas novas tecnologias da indústria 4.0. Este trabalho tem como objetivo explorar as tendências registradas em patentes, incluindo bioimpressão 3D e genética humana, além de analisar os impactos que a indústria 4.0 tem repercutido na Biotecnologia, especificamente, na área da saúde humana e os impactos provocados na formação dos profissionais. Dentre os resultados foi possível comprovar o crescimento de pesquisas na Biotecnologia, evidenciando seu caráter multidisciplinar e a variedade de oportunidades na área da saúde humana, tanto no cenário econômico quanto na melhoria da qualidade de vida humana. Quanto às patentes em genética humana, as possibilidades comerciais derivadas do genoma humano abrem um novo campo (social e econômico), mas o assunto requer discussão e análise dos limites a essa exploração pela Bioética em conjunto ao Biodireito. Identificou-se também que a inteligência artificial, a robótica e a impressão 3D são tecnologias com grande potencial de soluções inovadoras na Biotecnologia. Essas novas soluções tecnológicas devem mudar o cenário de profissionais, requeridos tanto para o desenvolvimento de inovações quanto para a aplicação de novos serviços e produtos decorrentes desses avanços. A introdução de uma nova trajetória tecnológica, registrada pelas patentes, proporciona oportunidades para o reposicionamento de empresas e, mais amplamente, de países na competição internacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Amaral, C. S. T., de Souza, O. ., Hilkner de Souza, L. ., José da Silva, G., & Fatori Trevizan, L. N. . (2020). Novos caminhos da biotecnologia: As inovações da indústria 4.0 na saúde humana. Revista Brasileira Multidisciplinar, 23(3). https://doi.org/10.25061/2527-2675/ReBraM/2020.v23i3.889
Seção
Artigos de Revisão
Biografia do Autor

Creusa Sayuri Tahara Amaral, Universidade de Araraquara

Docente do programa de pós-graduação em Bioecnologia Medicina Regenerativa e Química medicinal - UNIARA e do Mestrado Profissional em Engenharia de Produção - UNIARA

Oreonnilda de Souza, Universidade de Araraquara - UNIARA

Discente do Doutorado no Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia em Medicina Regenerativa e Química Medicinal da Universidade de Araraquara - UNIARA

Leiraud Hilkner de Souza, Universidade de Araraquara - UNIARA

Discente do Doutorado no Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia em Medicina Regenerativa e Química Medicinal da Universidade de Araraquara - UNIARA

Gilson José da Silva, Universidade de Araraquara - UNIARA

Discente do Doutorado no Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia em Medicina Regenerativa e Química Medicinal da Universidade de Araraquara - UNIARA

Lucas Noboru Fatori Trevizan, Universidade de Araraquara - UNIARA

Discente do Doutorado no Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia em Medicina Regenerativa e Química Medicinal da Universidade de Araraquara - UNIARA

Referências

ABDI - Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (Brasil); Ministério da Industria, Comércio e Serviços (Brasil). Agenda brasileira para a Indústria 4.0 – O Brasil preparado para os desafios do futuro. Disponível em: http://www.industria40.gov.br. Acesso em: 3 mar. 2020.

ALMEIDA, M. Taking Biotech to the Next Level with Laboratory Automation. 2018. Disponível em: https://www.labiotech.eu/features/biotech-laboratory-automation/. Acesso em: 18 nov. 2019.

BATTEZINI, A. P.; REGINATO, K. C.; REGINATO, R. Patentes biotecnológicas: a propriedade de material genético humano sob a perspectiva do Biodireito. Revista Eletrônica de Direito do Centro Universitário Newton Paiva. Belo Horizonte, n. 34, p. 82-92, jan./abr. 2018. Disponível em: http://npa.newtonpaiva.br/direito. Acesso em: 18 nov. 2019.

BISHOP, E. S.; MOSTAFA, S.; PAKVASA, M.; LUU, H. H.; LEE, M. J.; WOLF, J. M.; AMEER, G. A.; HE, T. C.; REIDE, R. R. 3-D bioprinting technologies in tissue engineering and regenerative medicine: Current and future trends. Genes and Diseases, v. 4, n. 4, p. 185–195, 2017.

BRASIL. Decreto 5.705, de 16 de fevereiro de 2006. Promulga o Protocolo de Cartagena sobre Biossegurança da Convenção sobre Diversidade Biológica. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Decreto/D5705.htm. Acesso em: 22 out. 2019.

BRASIL. Lei n. 9.279, de 14 de maio de 1996. Regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9279.htm. Acesso em: 19 nov. 2019.

BRASIL. Lei n. 11105, de 24 de março de 2005. Regulamenta os incisos II, IV e V do § 1º do art. 225 da Constituição Federal, estabelece normas de segurança e mecanismos de fiscalização de atividades que envolvam organismos geneticamente modificados – OGM e seus derivados, cria o Conselho Nacional de Biossegurança – CNBS, reestrutura a Comissão Técnica Nacional de Biossegurança – CTNBio, dispõe sobre a Política Nacional de Biossegurança – PNB, revoga a Lei nº 8.974, de 5 de janeiro de 1995, e a Medida Provisória nº 2.191-9, de 23 de agosto de 2001, e os arts. 5º , 6º , 7º , 8º , 9º , 10 e 16 da Lei nº 10.814, de 15 de dezembro de 2003, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Lei/L11105.htm. Acesso em: 17 nov. 2019.

BRASIL. Ministério da Economia. Instituto Nacional da Propriedade Industrial. Boletim Mensal de Propriedade Industrial: Estatísticas Preliminares. Rio de Janeiro, v. 4, n. 8, p. 1-21, ago. 2019. Disponível em: http://www.inpi.gov.br/sobre/estatisticas. Acesso em: 3 dez. 2019.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB). Aprovada pelo Decreto Legislativo nº 2, de 1994. Disponível em: https://www.mma.gov.br/agencia-informma/item/7513-conven%C3%A7%C3%A3o-sobre-diversidade-biol%C3%B3gica-cdb. Acesso em: 3 dez. 2019.

CHANCHAICHUJIT, J.; TAN, A.; MENG, F.; EAIMKHONG, S. Healthcare 4.0: Next Generation Processes with the Latest Technologies. Palgrave Pivot, Singapore, 2019.

CHAWLA, N.; DAVIS, D. Bringing big data to personalized healthcare: A patient-centered framework. Journal of General Internal Medicine, n. 28, p. 660–665, 2013.

CHEN, J. C.; GABRIEL, V. S. Revolution of 3D printing technology and application of six sigma methodologies to optimize the output quality characteristics, in Proc. IEEE Int’l Conf. Industrial Technology (ICIT). IEEE, 2016, p. 904–909.

CNI - CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDUSTRIA. Encontro na CNI ressalta papel transformador da Biotecnologia 4.0. 2018. Disponível em: https://noticias.portaldaindustria.com.br/noticias/inovacao-e-tecnologia/encontro-na-cni-ressalta-papel-transformador-da-biotecnologia-40/. Acesso em: 17 nov. 2019.

CORONATO, M.; BUSCATO, M. A aprovação rápida de patentes beneficia a sociedade? Época, 16 ago. 2017, atual. 17 ago. 2017. Disponível em: https://epoca.globo.com/economia/noticia/2017/08/aprovacao-rapida-de-patentes-beneficia-sociedade.html. Acesso em: 15 nov. 2019.

DELOITTE. Global life sciences outlook: Focus and transform| Accelerating change in life sciences. 2019. Disponível em: https://www2.deloitte.com/global/en/pages/life-sciences-and-healthcare/articles/global-life-sciences-sector-outlook.html , Acesso em: 16 nov. 2019.

DIAFÉRIA, Adriana. Patente de genes humanos e a tutela dos interesses difusos: o direito ao progresso econômico, científico e tecnológico. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2007.

ESPACENET. Pesquisa de patentes. 2019. Disponível em: https://lp.espacenet.com/?locale=pt_LP. Acesso em: 15 nov. 2019.

EXAME. Tempo de espera por uma patente não deve impedir inventores de contribuírem com o desenvolvimento do país. Publicado em: 17 set. 2018. Disponível em: https://exame.abril.com.br/negocios/dino/tempo-de-espera-por-uma-patente-nao-deve-impedir-inventores-de-contribuirem-com-o-desenvolvimento-do-pais/. Acesso em: 3 dez. 2019.

FENDRICH, C. B.; SÉLLOS-KNOERR, V. C. Vedação do patenteamento de embriões humanos: o respeito à ética, segurança e princípios. 2013. Disponível em: http://revista.unicuritiba.edu.br/index.php/RevJur/article/download/762/587. Acesso em: 15 nov. 2019.

FOX, A., GRIFFITH, R., JOSEPH, A., KATZ, R., KONWINSKI, A., LEE, G., STOICA, I. Above the clouds: A berkeley view of cloud computing. Technical Report No. UCB/EECS-2009-28. Dept. Electrical Eng. and Comput. Sciences, University of California, Berkeley, Rep. UCB/EECS, 28(13), 2009.

FREIRE, R. Qual é a relação entre patentes e tamanho da economia. Inova.jor, 19 out. 2016. Disponível em: https://www.inova.jor.br/2016/10/19/pedidos-patentes-tamanho-economia/. Acesso em: 15 nov. 2019.

GUNDELACH, B. Z. F. B.; GORGULHO, C. F.; TREDINNICK, M. R. A. C.; THEOTONIO, S. B. Mapeamento tecnológico – Documentos de Patentes - Impressoras 3D. Instituto Nacional da Propriedade Industrial – INPI, 2019.

INPI - INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL. Busca de patentes. Rio de Janeiro, atual. 21 out. 2016. Disponível em: http://www.inpi.gov.br/menu-servicos/informacao/busca-de-patentes. Acesso em: 22 out. 2019.

INPI - INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL. Classificação de patentes. Rio de Janeiro, atual. 17 nov. 2017. Disponível em: http://www.inpi.gov.br/menu-servicos/patente/classificacao-de-patentes. Acesso em: 22 out. 2019.

INPI - INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL. Consulta à Base de Dados do INPI [Patentes]. Rio de Janeiro, 2019a. Disponível em: https://gru.inpi.gov.br/pePI/jsp/patentes/PatenteSearchBasico.jsp. Acesso em: 22 out. 2019.

INPI - INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL. Dados consolidados de 2018 indicam aumento de produção e redução do backlog. Rio de Janeiro, 11 jan. 2019b. Disponível em: http://www.inpi.gov.br/noticias/dados-consolidados-de-2018-indicam-aumento-de-producao-e-reducao-do-backlog. Acesso em: 3 dez. 2019.

KLINGENBERG, C. O.; BORGES, M. A. V.; ANTUNES JUNIOR, J. A. V. Industry 4.0 as a data-driven paradigm: a systematic literature review on technologies, Journal of Manufacturing Technology Management. 2019.

KREUZER, H.; MASSEY, A. Engenharia Genética e Biotecnologia. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2002.

LIMA, W. C. Bioética e Biodireito: interfaces e confluências. 2012. 134f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2012. Disponível em: https://repositorio.ufrn.br/jspui/bitstream/123456789/13682/1/Bio%C3%A9ticaBiodireitoInterfaces_Lima_2012.pdf. Acesso em: 14 nov. 2019.

MALAJOVICH, M. A. Biotecnologia. 2. ed. [E-book]. Rio de Janeiro: BTeduc, 2016.

MANOGARAN, G.; THOTA, C.; LOPEZ, D.; SUNDARASEKAR, R. Big Data Security Intelligence for Healthcare Industry 4.0. In L. Thames & D. Schaefer (Eds.), Cybersecurity for Industry 4.0: Analysis for design and manufacturing. Springer International Publishing. p. 103–126, 2017.

MARQUES, F. Propriedade intelectual: um mapa dos obstáculos. Pesquisa FAPESP. São Paulo, ed. 276, fev. 2019. Disponível em: https://revistapesquisa.fapesp.br/2019/02/08/um-mapa-dos-obstaculos/. Acesso em: 5 nov. 2019.

MENDES, C.; FRANZ, B. S.; CAMPOS, M. M. Estudos de caso da indústria 4.0 aplicados em uma empresa automobilística. POSGERE. São Paulo, v. 1, p. 15-25, 2017.

MURPHY, S. V.; ATALA, A. 3D bioprinting of tissues and organs. Nature biotechnology, v. 32, n. 8, p. 773, 2014.

NAVES, B. T. O.; GOIATÁ, S. R. Patentes de genes humanos: estudo do caso das patentes dos genes BRCA1 e BRCA2. 2013. Disponível em: http://www.publicadireito.com.br/artigos/?cod=6d9bffd3b6ec2641. Acesso em: 15 nov. 2019.

OLIVEIRA, H. M.; SPENGLER, R. L. Inovações na área de biotecnologia em saúde humana em países em desenvolvimento e sua importância econômica e social: uma reflexão sobre o cenário atual e perspectivas futuras. Caderno pedagógico, Lajeado, v. 11, n. 1, p. 99-116, 2014.

OLIVEIRA, V. K. S.; COSTA, L. F.; FONSECA, C. A. Principais aplicações da biotecnologia na medicina, REF - Revista Eletrônica de Farmácia, v. 3, n. 2, p. 42-43, 2006.

PIMENTEL, V.; GOMES, G.; LANDIM, A.; MACIEL, M.; PIERONI, J. P. O desafio de adensar a cadeia de P&D de medicamentos biotecnológicos no Brasil. BNDES Setorial. 38. Rio de Janeiro: BNDES, 2013.

PORTO, T. M. S.; Estudo dos avanços da tecnologia de impressão 3D e da sua aplicação na construção civil. Trabalho Final de Graduação. UFRJ, Rio de Janeiro, 2016.

QIN, J.; LIU, Y.; GROSVENOR, R. A categorical framework of manufacturing for Industry 4.0 and beyond. Procedia CIRP, n. 52, p.173–178, 2016.

REIS, C.; CAPANEMA, L. X. L.; PALMEIRA FILHO, P. L.; PIERONI, J. P.; BARROS, J. O.; SILVA, L. G. Biotecnologia para saúde humana: tecnologias, aplicações e inserção na indústria farmacêutica. BNDES Setorial. 29. Rio de Janeiro: BNDES, 2009.

REIS, C.; LANDIM, A.; PIERONI, J. P. Lições da experiência internacional e propostas para incorporação da rota biotecnológica na indústria farmacêutica brasileira. BNDES Setorial. 34. Rio de Janeiro: BNDES, 2011.

RUSSELL, S. J.; NORVIG, P. Artificial intelligence: a modern approach. Malaysia; Pearson Education Limited, 2016.

SABADA, I. Propriedad intelectual: bienes públicos o mercancías privadas? Madrid: Catarata, 2008.

SANTOS, B. P.; ALBERTO, A.; LIMA, T. D. F. M., CHARRUA-SANTOS, F. M. B. INDÚSTRIA 4.0: DESAFIOS E OPORTUNIDADES. Revista Produção e Desenvolvimento, v. 4, n. 1, p. 111-124, 2018.

SCHWAB, K. A quarta revolução industrial. São Paulo: Edipro, 2016.

SLIGO, J.; GAULD, R.; ROBERTS, V.; VILLA, L. A literature review for large- scale health information system project planning, implementation and evaluation. International Journal of Medical Informatics, n. 97, p. 86–97, 2017.

STEQ. Laboratório 4.0 – Integrado E Inteligente: Este é o Laboratório do Futuro. 2018. Disponível em: http://www.steq.com.br/blog/laboratorio-4-0-integrado-e-inteligente-este-e-o-laboratorio-do-futuro/. Acesso em: 18 nov. 2019.

THE BOSTON CONSULTING GROUP (BCG). Industry 4.0: the future of productivity and growth in manufacturing industries. Alemanha, 2015.

THORSTEINSDÓTTIR, H. The Role of the Health System in Health Biotechnology in Developing Countries. Technology Analysis & Strategic Management. v. 19, n. 5, p. 659-675, 2007.

TORRES-FREIRE, C.; GOLGHER, D.; CALLIL, V. Biotecnologia em saúde humana no Brasil. Novos Estudos CEBRAP, n. 98, p. 69-93, 2014.

TRIGUEIRO, M. G. S. O clone de Prometeu: a biotecnologia no Brasil – uma abordagem para a avaliação. Brasília: UNB, 2002.

UFSCAR – UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS – UFSCAR sedia oitava edição do Four Biotec. Publicado em: 30 jun. 2017. Disponível em: http://www.fai.ufscar.br/noticia/ufscar-sedia-oitava-edicao-do-four-biotec.html. Acesso em: 21 out. 2019.

UNIFAL - UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS (/MG). Propriedade Intelectual. Agência de Inovação e Empreendedorismo [Equipe 19]. Marcia Paranho Veloso (Dir.). Alfenas: UNIFAL, 2014. Disponível em: https://www.unifal-mg.edu.br/i9unifal/sites/default/files/i9unifal/documentos/CARTILHA%20Correta_0.pdf. Acesso em: 7 abr. 2019.

USP - UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Biologia molecular. O código genético [texto 6]. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/3005455/mod_resource/content/1/BiologiaMolecular_texto06final.pdf. Acesso em: 22 out. 2019.

VERDÉLIO, Andreia. Governo anuncia plano para acelerar análise de pedidos de patentes. Agência Brasil. Brasília, 3 jul. 2019. Disponível em: http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2019-07/governo-anuncia-plano-para-acelerar-analise-de-pedidos-de-patentes. Acesso em: 2 dez. 2019.

VITÓRIO, F. DNA no ensino de biologia e química. Revista Educação Pública [da Diretoria de Extensão da Fundação Centro de Ciências e Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro]. Rio de janeiro, 22 ago. 2017. Disponível em: https://educacaopublica.cecierj.edu.br/artigos/17/16/dna-no-ensino-de-biologia-e-qumica. Acesso em: 22 out. 2019.

WAGIRE, A. A.; RATHORE, A. P. S.; JAIN, R. Analysis and synthesis of Industry 4.0 research landscape: Using latent semantic analysis approach, Journal of Manufacturing Technology Management. 2019.

WIPO. Classificação Internacional de Patentes. 2019a. Disponível em: http://ipc.inpi.gov.br/ipcpub/?notion=scheme&version=20190101&symbol=A61&menulang=pt&lang=pt&viewmode=f&fipcpc=no&showdeleted=yes&indexes=no&headings=yes&notes=yes&direction=o2n&initial=A&cwid=none&tree=no&searchmode=smart. Acesso em: 22 out. 2019.

WIPO. O PCT conta agora com 153 Estados Contratantes. 2019b. Disponível em: https://www.wipo.int/pct/pt/pct_contracting_states.html. Acesso em: 15 nov. 2019.

WU, J. J.; TAN, Y. G.; MA, G. F. 3D printing monitoring platform based on the Internet of Things. Institution of Engineering and Technology. 2015.

WU, X. D.; ZHU, X. Q.; WU, G. Q.; DING, W. “Data mining with big data,” IEEE Trans. Knowledge and Data Engineering, vol. 26, no. 1, pp. 97–107, jun. 2014.

YICK, J.; MUKHERJEE, B.; GHOSAL, D. Wireless sensor network survey. Computer networks, v. 52, n. 12, p. 2292-2330, 2008.