Avaliação do Sentimento de Ansiedade Frente ao Atendimento Odontológico

Patrícia Aleixo dos Santos, Juliana Alvares Duarte Bonini Campos, Carolina Scanavez Martins

Resumo


O presente estudo teve por objetivo avaliar a ansiedade e o comportamento de indivíduos adultos frente às visitas realizadas ao dentista. Para tanto, aplicouse um questionário a uma amostra de 984 indivíduos, entre 14 a 93 anos, de ambos os sexos, abordando temas sobre: medo e/ou ansiedade, freqüência de consultas ao dentista e procedimentos odontológicos realizados na última consulta. Os resultados demonstraram não haver diferença estatisticamente significante entre os sexos (masculino 23,81; feminino 27,7%), ao afirmarem não ter medo de dentista. Para os que tinham medo, 9,04% tiveram experiências desagradáveis no atendimento; 4,98% sentem medo a partir do ruído do alta-rotação; 6,20% da anestesia; 3,46% de todos os itens citados. Pode-se concluir que maior ênfase deve ser dada às manifestações de ansiedade e medo odontológico, pois os indivíduos são relutantes a admitirem seus medos, descuidando e fugindo da filosofia de prevenção em saúde bucal.

Palavras-chave


Ansiedade Odontológica, Medo, Dentista.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25061/2527-2675/ReBraM/2007.v11i1.240

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Brasileira Multidisciplinar-ReBraM (e-ISSN: 2527-2675)

Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / Brasil / CEP 14801-340