INCIDÊNCIA E IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO PRECOCE DE MELANOMA NO BRASIL

Matheus Violato Guidetti, Gabriela do Couto Gomes de Morais, Laura Ferreira de Rezende

Resumo


Embora o câncer de pele seja o mais frequente no Brasil e corresponda a 25% de todos os tumores malignos registrados no País, o melanoma representa apenas 4% das neoplasias malignas do órgão, porém é o tipo mais grave devido à sua alta possibilidade de metástase. Após uma comparação dos diversos estudos presentes nessa revisão, percebe–se determinada padronização no desenvolvimento da doença quanto ao sexo, idade, etnia e localização da lesão. No Brasil, essa neoplasia cresce anualmente e os fatores são diversos, como a pré-disposição genética e os maus cuidados com a pele, por isso, é fundamental trabalhar a conscientização sobre o risco dessa doença. Ademais, a incidência e prevalência do melanoma cutâneo carece de maior atenção das políticas públicas, pois o diagnóstico precoce é a chave-mestra para uma maior eficácia no tratamento.


Palavras-chave


Melanoma; Diagnóstico; Brasil; Epidemiologia

Texto completo:

PDF

Referências


AKISKAL et al., Merch - Saúde para a Família,

Seção 18 – Doenças da Pele, 208 e Cap., Rio

de Janeiro, MSD, 2010.cap. 205, 208, seção

-Cancer.

ANGER, M. Primary cutaneous melanoma: an

-year study. Clinics . v.65, n.3 257-263 Mar,

ARAUJO, I C. Melanoma Cutâneo: aspectos

clínicos epidemiológicos e anatomopatológicos

de um centro de formação em Belo Horizonte.

Rev. Bras. Cir. Plast. v.29, n.4, p. 497-503,

BAKOS, L. Melanoma cutâneo: estudos de base

populacional no Brasil An. Bras. Dermatol.

v.81, n. 5, Set/Out. 2006.

BONFÁ, R. A precocidade diagnóstica do

melanoma cutâneo: uma observação no sul do

Brasil. An. Bras. Dermatol, v. 86, n.2, Mar/Abr,

DIMATOS et al, C D. Melanoma cutâneo no

Brasil. Arquivos Catarinenses de Medicina

v.38, Suplemento 1 / , 2009.

FERNANDES, N. Melanoma cutâneo: estudo

prospectivo de 42 casos. An. Bras. Dermatol. v.

, n.6, p.1233-5, 2011.

INTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ

ALENCAR GOMES DA SILVA – INCA.

Disponível em:

estimativa/2014/tabelaestados.asp?UF=BR>.

Acesso em: 19 de set. 2015.

KONRAD, P. Perfil epidemiológico e

histopatológico dos casos de melanoma cutâneo

primário diagnosticados em Criciúma no período

entre 2005 e 2007. Dermatol, v. 86, n.3, Mai /

Jun, 2011.

NASSER, N. UVB: suscetibilidade no melanoma

maligno. Dermatol, v. 85, n.6 Nov/Dez. 2011.

PINTO, A C V A. Melanoma maligno: estudo

epidemiológico dos caos diagnosticados em

unidade de referência em dermatologia em

Bauru- SP de 2007 a 2014. Surgical and

Cosmetic Dermatology, v. 7, n.2, 2015.

SALVIO, A G. Experiência de um ano de modelo

de programa de prevenção contínua do melanoma

na cidade de Jaú-SP, Brasil. An. Bras. Dermatol.

v. 86, n.4, Jul/Ago 2011.

WAINSTEIN, A J A e BELFORT, F A.

Conduta para o melanoma cutâneo. Rev. Col.

Bras. Cir. v.31, n.3, Mai/Jun. 2004.




DOI: https://doi.org/10.25061/2527-2675/ReBraM/2016.v19i1.371

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Brasileira Multidisciplinar-ReBraM (e-ISSN: 2527-2675)

Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / Brasil / CEP 14801-340