Obtenção de patente e os aspectos do regime de copropriedade

Amanda Gilvani Cordeiro Matias, Dandara Porto Pedreira, Anne Alice Nogueira Alves Costa, Luckas Tarik Cordeiro Sanatana, Victor Emanuell Cordeiro Santana

Resumo


A crescente busca do sistema patentário para proteger invenções produzidas por organizações privadas e públicas, esboça um cenário atrelado ao atual desenvolvimento socioeconômico, baseado em avanços científicos tecnológicos que desempenham papel preponderante em transações produtivas de poder econômico mundial. O objetivo deste artigo é contextualizar sobre procedimentos para obtenção de patentes na jurisdição brasileira, com ênfase na copropriedade patentária. Realizou-se busca de manuscritos em bases científicas SciELO, Sciece direct e bancos de informações do INPI concernentes aos aspectos jurídicos. Os critérios pré-estabelecidos foram: janela temporal de 2010-2017, descritores vinculados a operadores booleanos e uso do State of the Art through Systematic Review (StArt) para identificar manuscritos em duplicidade. A análise adicional sobre os direitos relacionados a patente, pertencentes ao indivíduo ou organização, que registra a obtenção em regime de copropriedade são necessários. Cujo compartilhamento resguarda os direitos das partes, requerendo clareza das regras para evitar futuros litígios de lacunas contratuais.

 


Palavras-chave


Patente. Diretrizes. Copropriedade

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, E.F. et.al. Propriedade Intelectual: proteção e gestão estratégica do conhecimento. Revista Brasileira de Zootecnia, Viçosa, v. 39 (Suppl.), n.1, p.02-10, jul. 2010.

BARBOSA, D. B. O Inventor e o Titular da Patente de Invenção. Rio de Janeiro. Lumen Juris, 2008. (Col. Propriedade Intelectual). Disponível http://denisbarbosa.addr.com/113.rtf.

BRASIL. Lei n. 10.406, de10 de jan. de 2002. Institui o Código Civil. Disponível em: Acesso em: 22 de mar. de 2018. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/2002/l10406.htm

BRASIL. Lei número 9.279, 14 de maio de 1996. Regula os Direitos Relativos à Propriedade Industrial. Disponível: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9279.htm.

CABELLO A.F. & PÓVOA L.M.C. Análise econômica da primeira Lei de Patentes brasileira. Estudos Econômicos, São Paulo, v.46, n.4, p.879-907, dez. 2016.

DANNEMANN, SIEMSEN, BIGLER & IPANEMA MOREIRA. Propriedade Intelectual no Brasil. Rio de Janeiro, PVDI Design, p.555-556, 2000. Disponível em: https://www.dannemann.com.br/

DIAS, A. A.; PORTO, G.S. Gestão de transferência de tecnologia inova Unicamp. Rev. adm. Contemp, Curitiba, v. 17, n.3, p.263-284, jun. 2013.

DIAS, J. C. V. Aspectos legais relativos à co-titularidade de invenções: o código civil e a Lei de Inovação em perspectiva. Revista Semestral de Direito Empresarial, v. 3, n.04, p.95-125, 2008.

DINIZ, M. H. Código civil anotado. Atual de acordo com o novo Código civil. (Lei n. 10.406/2002). Código civil Brasileiro. 8ª ed. Saraiva, São Paulo, 2002.

FERREIRA, A.A., GUIMARÃES E.R., CONTADOR J.C. Patente como instrumento competitivo e como fonte de informação tecnológica. Gest. Prod., São Carlos, v. 16, n.2, p.209-221, 2010.

HAMMES, B.J. O Direito da Propriedade Intelectual. Ed. Unisinos, 3ª Ed., 2002.

INPI- INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL. Inventando o futuro: uma introdução às patentes para as pequenas e médias empresas. Cartilha de patentes. Rio de Janeiro, 2015. Disponível: http://www.inpi.gov.br/sobre/arquivos/03_cartilhapatentes.pdf.

INPI-INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL. Universidades Brasileiras - Utilização do Sistema de Patentes. 2007, p.41-47 Disponível em: http://www.inpi.gov.br/menu-servicos/informacao/arquivos/universidades_brasileiras.pdf. Acesso em: 29 abr. 2016.

JANNUZZI, A. H. l.; VASCONCELLOS, A.G. Quanto custa o atraso na concessão de patentes de medicamentos para a saúde no Brasil? Cad. Saúde Pública, v.33, n.8, p.e00206516, 2017.

MUELLER, S.P.M & PERUCCHI, V. Universidades e a produção de patentes: tópicos de interesse para o estudioso da informação tecnológica. Perspectivas em Ciência da Informação, v.19, n.2, p.15-36, 2014.

QUINTAL, R.S. & TERRA, B.R.C.S. & SILVA, R. Políticas organizacionais de ciência, tecnologia e inovação e gestão da propriedade industrial: uma análise comparativa em Instituições de Pesquisa. Gestão & Produção, v.21, n.4, p.760-780, dez., 2014.

SILVA, M.S, SANTOS, F.P.C, MATIAS, A.G.C. Biotecnologia e o sistema patentário brasileiro: desenvolvimento e inovação tecnológica. Resiget, v.04 n.1, p.054-063, 2014.

SOARES, J. M. & CORREA, M.C.D.V. Como pesquisar o perfil patentário de um fármaco: o caso Efavirenz. Química Nova, v.33, n.5, p.1216-1219, 2010.

SPEZIALI, M. G., GUIMARÃES, P.P.G. & SINISTERRA, R. D. Desmistificando a proteção por patentes nas universidades. Química Nova, v.35, n.8, p.1700-1705, 2012.




DOI: https://doi.org/10.25061/2527-2675/ReBraM/2020.v23i1.591

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Brasileira Multidisciplinar-ReBraM (e-ISSN: 2527-2675)

Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / Brasil / CEP 14801-340