Avaliação estática postural em pacientes após lesão medular

Naiara Ferreira Pereira Bastos, Vivian Escandola Cocolete, Ana Claudia Nunciato

Resumo


Aproximadamente 75% dos indivíduos com lesão medular são dependentes e fazem uso permanente da cadeira de rodas para se locomover. A postura estática sentada pode levar a alterações posturais decorrentes da perda ou mesmo do prejuízo de grupamentos musculares importantes para a manutenção da mesma. O objetivo foi avaliar a postura estática sentada de pacientes após lesão medular crônica. Participaram do estudo 5 indivíduos com lesão medular crônica em nível neurológico da cervical (C4-C7) do sexo masculino com idade média de 43±15 anos. Foram obtidos os registros de acordo com o protocolo SAPO (Software de Avaliação Postural) nas vistas anterior, posterior e lateral direita na posição sentada na própria cadeira de rodas do indivíduo. Dos 5 pacientes, 3 apresentaram lesões incompletas (ASIA D) e 3 completas (ASIA A). No SAPO as principais alterações encontradas foram inclinação da cabeça, altura de um dos acrômios, adução de um dos membros inferiores, alinhamento vertical da cabeça e do corpo. Não foi possível observar alterações na vista posterior, visto que a cadeira impediu a visualização dos pontos. O estudo pode concluir que a avaliação postural pode ser realizada durante a reabilitação de pacientes com lesão medular crônica, visto que se faz a necessidade da melhora do posicionamento de alguns pontos anatômicos para cada vista analisada.
.


Palavras-chave


Lesão medular; Cadeiras de rodas; Postura.

Texto completo:

PDF

Referências


SSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ERGONOMIA -ABERGO. Instrução normativa nº 01 da ABERGO. 2005. Disponível em: http://www.abergo.org.br/arquivos/estatuto_e_regimento/instrucao_normativa_n01_definitiva.pdf. Acesso em: 31 mar. 2020.

BASTOS, Naiara Ferreira Pereira et al. Atuação da fisioterapia na tetraplegia: revisão da literatura. Rev Bras Multidisciplinar. v.19 p. 63-156, 2016. Disponível em: http://www.revistarebram.com/index.php/revistauniara/article/view/374, Acesso em: 31 mar. 2020.

BOLIN, I et al. Sitting position - posture and performance in C5 - C6 tetraplegia. Spinal Cord. v. 38 p. 34-425, 2000. Disponível em: https://www.nature.com/articles/3101031.pdf?origin=ppub. Acesso em: 31 mar. 2020.

BRACCIALLI, Lígia Maria Presumido; Vilarta, Roberto. Aspectos a serem considerados na elaboração de programas de prevenção e orientação de problemas posturais. Rev paul Educ Fís. v.14 p.71-159, 2000. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rpef/article/view/138610. Acesso em: 31 mar. 2020.

CARRAFA, Karen Bezerra. Figura adaptada do protocolo SAPO, 2015.

EL MASRY WS et al. Validation of the American Spinal Injury Association (ASIA) motor score and the National Acute Spinal Cord Injury Study (NASCIS) motor score. Spine. 21 p. 614-9, 1996. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/8852318. Acesso em: 31 mar. 2020.

FERREIRA, Elizabeth Alves G. Postural assessment software (PAS/SAPO): validation and reliabiliy. Clinics. v.65 p. 81-675, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1807-59322010000700005. Acesso em: 31 mar. 2020.

FLORES, Leandro Pretto et al. Fatores prognósticos do trauma raquimedular por projetil de arma de fogo em pacientes submetidos a laminectomia. Arq Neuropsiquiatr. v.57 p. 42-836, 1999. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0004-282X1999000500016&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 31 mar. 2020.

GONÇALVES, Camila Rosa et al. Análise ergonômica das condições de trabalho de um setor de secretaria. EFDeportes.com, Revista Digital. v.18 p.182, 2013. Disponível em: https://www.efdeportes.com/efd182/condicoes-de-trabalho-de-um-setor-de-secretaria.htm. Acesso em: 31 mar. 2020.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE), Brasil. 2010. Disponível em: https://censo2010.ibge.gov.br/resultados.html. Acesso em: 31 mar. 2020.

MARQUES, Amélia Pasqual. Cadeias musculares: um programa para ensinar avaliação fisioterapêutica global. 2. ed. São Paulo: Manole; p.168, 2005.

MARQUES, Nise Ribeiro et al. Características biomecânicas, ergonômicas e clínicas da postura sentada: uma revisão. Fisioter Pesqui. v.17 p. 6-270, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-29502010000300015. Acesso em: 31 mar. 2020.

MEDOLA, Fausto Orsi et al. Avaliação do alcance funcional de indivíduos com lesão medular espinhal usuários de cadeira de rodas. Revista Movimenta. v.2, p.6-12, 2009.

NAS, Kemal et al. “Rehabilitation of spinal cord injuries.” World journal of orthopedics. v.21 p.9-614, 1996. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4303793/. Acesso em: 31 mar. 2020.

NEVES, Marco Antonio Orsini et al. Escalas clínicas e funcionais no gerenciamento de indivíduos com Lesões Traumáticas da Medula Espinhal. Rev Neurocienc. v.15, p.9-234. Disponível em: http://revistaneurociencias.com.br/edicoes/2007/RN%2015%2003/Pages%20from%20RN%2015%2003-11.pdf. Acesso em: 31 mar. 2020.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Spinal cord injury, 2013. Disponível em: https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/spinal-cord-injury. Acesso em: 31 mar. 2020.

POTTEN, Y.J.M; HAM, S.; DRUKKER, J.; REULEN, J.P.H.; DROST, M.R. Postural muscle responses in the spinal cord injured persons during forward reaching. Ergonomics. v.42 p.15-1200, 1999. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/001401399185081?journalCode=terg20. Acesso em: 31 mar. 2020.

ZAVARIZE, Sergio Fernando. Qualidade postural em pré-adolescentes: construção e validação de escala [dissertação]. 6 Dez. 2006. 104 folhas. Campinas: Universidade Católica de Campinas, Curso de Psicologia, Centro de Ciências da Vida da Pontifica; 2006.




DOI: https://doi.org/10.25061/2527-2675/ReBraM/2019.v22i3.627

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Brasileira Multidisciplinar-ReBraM (e-ISSN: 2527-2675)

Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / Brasil / CEP 14801-340