A Revitalização da Avenida Sete de Setembro: As Potencialidades do Novo, a Crítica do Presente

Main Article Content

André Cavalcante Da Silva Batalhão
Murilo Canella
Alex Moreira

Resumo

Este artigo versa sobre a análise do impacto pontual de uma política pública na cidade de Araraquara: a revitalização da Avenida Sete de Setembro. Porém, a particularidade relaciona-se de modo tensionado e ambivalente com uma miríade de complexos fenômenos. O que se intenta é traçar alguns apontamentos que vão do macro ao micro – a partir da análise teórica de alguns importantes intelectuais acerca da produção e da reprodução do espaço urbano no ínterim capitalista –, e também do micro ao macro – por meio da observação direta e da aplicação de um questionário semiestruturado, cujo objetivo é demonstrar as ambivalências que atravessam o tecido social urbano alvo do processo de revitalização. No Centro Comercial de Araraquara a revitalização foi um processo ambivalente, no qual as mudanças estruturais estão presentes no mesmo espaço. Observou-se que uma fragilidade estrutural pode gerar uma barreira não só social, mas também econômica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Silva Batalhão, A. C. D., Canella, M., & Moreira, A. (2014). A Revitalização da Avenida Sete de Setembro: As Potencialidades do Novo, a Crítica do Presente. Revista Brasileira Multidisciplinar - ReBraM, 17(2), 81-96. https://doi.org/10.25061/2527-2675/ReBraM/2014.v17i2.27
Seção
Artigos Originais
Biografia do Autor

André Cavalcante Da Silva Batalhão, Centro Universitário de Araraquara – UNIARA.

Mestre em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente pelo Centro Universitário de Araraquara – UNIARA.

Murilo Canella, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita – UNESP – Campus Araraquara.

Mestrando em Ciências Sociais na Faculdade de Ciências e Letras da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita – UNESP – Campus Araraquara.

Alex Moreira, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita – UNESP – Campus Araraquara.

Doutorando em Ciências Sociais na Faculdade de Ciências e Letras da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita – UNESP – Campus Araraquara.

Referências

BAUDELAIRE, Charles. Sobre a modernidade.

São Paulo: Paz e Terra, 2007.

BECK, Ulrich. Crónicas desde el mundo de la política interior global. Barcelona: Paidós, 2011.

Sociedade de risco: por uma outra modernidade. São Paulo: Ed. 34, 2010.

La mirada cosmopolita o la guerra es la paz. Barcelona: Paidós, 2005.

O que é globalização. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CARLOS, Ana FaniAlessandri. Areprodução da cidade como "negócio". In: CARLOS, Ana Fanni Alessandri; CARRERAS, Carles (Orgs.).

Urbanização e mundialização: estudos sobre a metrópole. São Paulo: Contexto, 2005.

COSTAFERREIRA, L. Ideias para uma sociologia da questão ambiental- teoria social, sociologia ambiental e interdisciplinaridade. Revista Desenvolvimento e Meio Ambiente, Curitiba, n. 10, 2004. p. 77-89.

HARVEY, David. Do administrativo ao empreendedorismo: a transformação da governança urbana no capitalismo tardio. In: HARVEY, David. A produção capitalista no espaço. São Paulo: Annablume, 2005. p. 163-190.

HEIMSTRA, Norman W.; MCFARLING, Leslie H. Psicologia ambiental. São Paulo: Edusp, 1978.

LEFEBVRE, Henri. Arevolução urbana. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1999.

MARX, Karl. Manifesto do partido comunista.

Petrópolis: Vozes, 2000.

MORIN, Edgar. Rumo ao abismo? Ensaio sobre o destino da humanidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2011.

PINHO, Vanessa Dordron de; FERNANDES, Conceição Santos; FALCONE, Eliane Mary de Oliveira. Ainfluência da idade e da escolaridade sobre a experiência empática de adultos. Revista Estudos e Pesquisas em Psicologia, Rio de Janeiro, v.11, n.2, 2011. p. 456-471.

SALGUEIRO, Teresa Barata. Oportunidades e transformação na cidade centro. Revista Portuguesa de Geografia – Finisterra. Lisboa, v. 61, n. 81, p. 9-32, 2006

SANTOS, Milton. Da totalidade ao lugar. São Paulo: Edusp, 2005.

Anatureza do espaço. São Paulo: Edusp, 2008.

Metamorfoses do espaço habitado: fundamentos teóricos e metodológicos da Geografia. São Paulo: Edusp, 2012.

Por uma Geografia Nova: da crítica da Geografia a uma Geografia Crítica. São Paulo: Edusp, 2012.

O tempo nas cidades. Ciência e Cultura [online]. 2002, vol.54, n.2, pp. 21-22. Disponível em: http://cienciacultura.bvs.br/ scielo.php?pid=S0009- 67252002000200020&script=sci_arttext. Acesso em: 09 de jun. de 2014.

SANTOS, Cristiane Ferreira dos et. al. O Processo evolutivo entre as gerações X, Y e Baby Boomers. XIV SemeAd – Seminários em

Administração, São Paulo, 2011. Disponível em:http: // www.ead.fea.usp.br/semead/14semead/

resultado/trabalhosPDF/221.pdf . Acesso em: 15 de jun. de 2014.

SASSEN, Saskia. Estado, soberanía e globalización. Bogotá: Siglo del Hombre Editores, 2010.

Los espectros de la globalización.

Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2007.

SIMMEL, Georg. Questões fundamentais da sociologia. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.