Uso de plantas medicinais por pacientes renais crônicos em tratamento hemodialítico

Main Article Content

Ana Luiza Oliveira
Ursula Marcondes Westin
Edvânio Ramos Rodrigues
Danielle Cristina Garbuio

Resumo

A utilização de plantas acontece há milhares de anos em todo o mundo. A insuficiência renal é a falha ou incapacidade dos rins em eliminar substâncias, sendo o principal tratamento baseado na hemodiálise. As plantas medicinais apesar de seu baixo custo e reduzidos efeitos adversos, muitas vezes são utilizadas sem o conhecimento de um profissional, causando riscos aos usuários. Este estudo teve como objetivo identificar e caracterizar o uso de plantas medicinais entre os pacientes com insuficiência renal crônica atendidos em um Centro Regional de Hemodiálise de uma cidade no interior de Minas Gerais. Os resultados demonstraram que 53,1% dos entrevistados utilizam plantas para tratamento de sinais e sintomas, sendo que 50,6% possuem uma baixa escolaridade tendo o ensino fundamental incompleto; notou-se que 67,4% cultivam a planta de consumo no próprio quintal, 81,4% desses entrevistados disseram que as plantas medicinais tem seu efeito positivo e elevado e 65,1% acreditam ser mais eficazes que remédios de farmácia. Como as plantas mais citadas destacaram-se hortelã, erva-cidreira, limão, alho, camomila e gengibre. O uso de plantas medicinais se associa a ambos os sexos, sendo que 50,6% são do sexo masculino. Os resultados mostraram que as plantas medicinais são utilizadas como alternativa terapêutica, entretanto, é necessário que os serviços de atenção ao paciente submetido à hemodiálise garantam profissionais qualificados e capazes de fornecer orientações sobre sua utilização de plantas, assim será possível embasar o desenvolvimento de ações que possam evitar riscos a saúde do paciente, ou interferência no tratamento, estimulando o uso seguro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Oliveira, A. L., Westin, U. M., Rodrigues, E. R., & Garbuio, D. C. (2020). Uso de plantas medicinais por pacientes renais crônicos em tratamento hemodialítico. Revista Brasileira Multidisciplinar, 23(2Supl.). https://doi.org/10.25061/2527-2675/ReBraM/2020.v23i2Supl.875
Seção
Artigos Originais

Referências

ARNOUS, A. H.; SANTOS, A. S.; BEINNER, R. P. C. Plantas medicinais de uso caseiro - conhecimento popular e interesse por cultivo comunitário. Revista Espaço para a Saúde, Londrina, v.6, n.2, p.1-6, jun.2005.

BALBINO, E. E.; DIAS, M. F. Farmacovigilância: um passo em direção ao uso racional de plantas medicinais e fitoterápicos Rev. bras. farmacogn. vol. 20 no. 6 Curitiba Dec. 2010 Epub Oct 29, 2010.

BRASIL - MINISTÉRIO DA SAÚDE . Política e Programa Nacional de plantas medicinal e fitoterápico. Brasília - DF 2016.

EATON. D. C.; POOLER. J. P.; Fisiologia renal de Vander – Artemed. v.8, p.104-136, 2015.

FERMI, M. R. V.; Diálise para enfermagem: guia prático. – 2.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan 2010.

FERRO, Dagmar.; Fitoterapia: conceitos clínicos. São Paulo: Atheneu, 2008.502p

FRANÇA, I.S.X.; SOUZA, J.A.; BAPTISTA, R.S.; BRITTO, V.R.S. Medicina popular: benefícios e malefícios das plantas medicinais. Rev. bras. enferm. Vol.61 no.2. Brasília Mar./Apr, 2008.

JUNIOR, V. F. V.; PINTO, A. C. Plantas medicinais: cura segura ? Quim. Nova, Vol. 28, No. 3, 519-528, 2005

KUBA, G.; VATTIMO, M.F.F. O uso de fitoterápicos orientais nas lesões renais: revisão integrativa.Rev. Bras. Plantas Med. Vol.17 no.4 supl.3 Botucatu 2015.

MOREIRA, R. C. T.; COSTA, L. C. B.; COSTA, R. C. S.; ROCHA, E. A. Abordagem entobotânica acerca do uso de plantas medicinais na vila cachoeira, Ilhéus, Bahia, Brasil. acta farmacêutica bonaerense - vol. 21 n° 3 - ano 2002.

MORSH, C.; GONÇALVES, L. F.; BARROS, E. Índice de gravidade da doença renal, indicadores assistenciais e mortaidade em pacientes em hemodiálise. Rev Assoc Med Bras 2005; 51(5): 296-300.

NIOLETTI , M. A. et. al. Uso popular de medicamentos contendo drogas de origem vegetal e/ou plantas medicinais: principais interações decorrentes. v.4, n.1 Revista saúde, UNG – SER, 2010. Disponível em: http://revistas.ung.br/index.php/saude/article/view/371/620 acesso em: 08 de julho de 2020.

OLIVEIRA, E. P.; SILVA, J. K.; BOSSO, M. K.; BÖHM, F. M. L. Z.; NEVES, G. Y. S. Determinação do efeito alelopático, índice mitótico e utilização do boldo, capim-cidreira e hortelã no bairro Boavista em Mandaguari (PR). Diálogos & Saberes, Mandaguari, v. 8, n. 1, p. 41-53, 2012.

ROSA, R.L.; BARCELOS, A.L.V.; BAMPI, G. Investigação do uso de plantas medicinais no tratamento de indivíduos com diabetes melito na cidade de Herval D’ Oeste - SC. Rev. Bras. Pl. Med., Botucatu, v.14, n.2, p.306-310, 2012.

SCARANELLO. K.L.; ALVARES. V. R. C.; CARNEIRO. D. M. Q.; BARROS. F. H. S.; GENTIL. T. M. S.; THOMAZ. M. J. et al.; Carambola como causa de lesão renal aguda. J Bras Nefrol 2014;36(2):246.

SILVA, M. A. B et al. Levantamento etnobotânico de plantas utilizadas como anti-hiperlipidêmico e anorexígenas pela população de Nova Xavantina-MT, Brasil. Rev. Bras. Farmacogn. Braz. J. Pharmacogn. 20(4): Ago./Set.2010.