Desempenho ocupacional de moradores de residências terapêuticas de um município Mineiro

Main Article Content

Gabriela de Souza Roveda
Ludimila Canário da Silva Barreto
Andrea Ruzzi-Pereira

Resumo

A residência terapêutica é uma das estratégias da reforma psiquiátrica para mudar a lógica de segregação. Ela recebe pessoas com transtornos mentais crônicos, que podem ter seu desempenho ocupacional comprometido. Objetiva-se analisar o desempenho ocupacional de moradores das residências terapêuticas de um município Mineiro; e avaliar como esses moradores percebem a própria saúde mental após a mudança para o Serviço Residencial Terapêutico. Trata-se de um estudo exploratório de natureza qualitativa. Participaram da pesquisa 22 moradores das residências terapêuticas. Os dados foram coletados nas dependências dos serviços por meio de uma entrevista e da Medida Canadense de Desempenho Ocupacional, sendo avaliados por meio de análise de conteúdo temático categorial. Foram consideradas as três categorias da Medida Canadense de Desempenho Ocupacional (autocuidado, produtividade e lazer) e estabelecidas outras duas categorias adicionais: participação social e percepção de saúde. Este estudo mostra que há prejuízo no desempenho ocupacional dos moradores, seja pelos anos de doença ou de internação, mas que eles valorizam muito a autonomia nas ocupações que ainda desempenham; e que aspectos ambientais contribuem positivamente para a percepção de saúde dessas pessoas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Roveda, G. de S., Barreto, L. C. da S., & Ruzzi-Pereira, A. (2021). Desempenho ocupacional de moradores de residências terapêuticas de um município Mineiro. Revista Brasileira Multidisciplinar, 24(3). https://doi.org/10.25061/2527-2675/ReBraM/2021.v24i3.968
Seção
Artigos Originais
Biografia do Autor

Gabriela de Souza Roveda, Universidade Federal do Triângulo Mineiro.

Terapeuta Ocupacional pela Universidade federal do Triângulo Mineiro. Residência Multiprofissional em Reabilitação Física. FAMERP - Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto.

Ludimila Canário da Silva Barreto, Universidade Federal de Minas Gerais

Bacharel em Terapia Ocupacional pela Universidade Federal de Minas Gerais (2014). Atualmente é supervisora de dois Serviços Residenciais Terapêuticos de Belo Horizonte - PBH. Pós graduada em MBA Gestão de Pessoas pela UNIBH (2016). Especialista em Saúde Mental pelo COFFITO (2018), e mestranda em Estudos da Ocupação pela UFMG (2019). Tem experiência na área de Terapia Ocupacional, com ênfase em Supervisora de SRT (saúde mental) e técnica em lazer.

Andrea Ruzzi-Pereira, Universidade Federal do Triângulo Mineiro – UFTM. Núcleo de Estudo e Pesquisa em Saúde Mental, Álcool e outras Drogas – NEPSMAD.

Terapeuta Ocupacional graduada pela Universidade Federal de São Carlos, especialista em Saúde Pública e Saúde Mental, pela UNICAMP, mestre e doutora em Ciências Médicas, Programa Saúde na Comunidade, pela FMRP-USP e Pós-doutora em Psicologia, pela Universidade de São Paulo. Professora Adjunta do Departamento de Terapia Ocupacional da Universidade Federal do Triângulo Mineiro - UFTM, na qual coordena o Núcleo de Estudo e Pesquisas em Saúde Mental, Álcool e outras Drogas (NEPSMAD) e o Centro Regional de Referência para capacitação de agentes e de trabalhadores atuantes no campo das políticas sobre drogas - CRR/UFTM. Atua no ensino, pesquisa e extensão na Terapia Ocupacional com enfoque nas áreas de saúde mental; saúde coletiva; prevenção do uso problemático e intervenções junto a pessoa com problemas devido ao uso de álcool e outras drogas; e sexualidade humana. Professora colaboradora no Curso de Mestrado em Estudos da Ocupação da UFMG, onde orienta mestrado.

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 4. ed. Lisboa: Edições 70, 2010.281p.

BRASIL.Ministério da Saúde. Residências terapêuticas: o que são, para que servem. Brasília, 2004.16p. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/120.pdf. Acesso em 22 out. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 106, de 11 de fevereiro de 2000. Institui os Serviços Residenciais Terapêuticos. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 11 nov. 2000.Disponível em:

http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2015/marco/10/PORTARIA-106-11-FEVEREIRO-2000.pdf. Acesso em 22 out. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Saúde Mental em Dados – 12, ano 10, nº 12. Informativo eletrônico. Brasília, 2015.Disponível em: http://www.mhinnovation.net/sites/default/files/downloads/innovation/reports/Report_12-edicao-do-Saude-Mental-em-Dados.pdf.Acesso em 22 out. 2019.

CHAVES, GFS. Estudo de confiabilidade e validade da Medida Canadense de Desempenho Ocupacional (COPM) em idosos com comprometimento Cognitivo Leve (CCL).76 p. Dissertação Mestrado (

Fisiopatologia Experimental). Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

CHESWORTH, C; DUFFY, R; HODNETT, J; KNIGHT, A. Measuring clinical effectiveness in mental health: Is the Canadian Occupational Performance an appropriate measure? Br. J. Occup. Ther., v. 65, n. 1, p. 30-34, 2002.

CRESSWELL, M; RUGG, S. The canadian performance occupational therapy measure: its use with clients with schizofrenia. Int. J. Ther. Rehabil. , v. 10, n. 12, p. 544-553, 2003.

DEDDING, C; CARDOL, M; EYSSEN, IC; DEKKER, J; BEELEN, A. Validity of the canadian occupational performance measure. Clinical Rehabilitation, v. 19, n. 01, p.888-894, 2004. https://doi.org/10.1191/0269215504cr746oa. Acesso em 22 out. 2019.

DIAS, EG; ANDRADE, FB; DUARTE, YAO; SANTOS, JLF; LEBRÃO, ML. Atividades avançadas de vida diária e incidência de declínio cognitivo em idosos: Estudo SABE. Cadernos de Saúde Pública. v. 31, n. 8, p. 1623–35, 2015. https://doi.org/10.1590/0102-311X00125014.Acesso em 22 out. 2019.

DIEHL, CA; SOUZA, MA; DOMINGOS, LEC. O uso da estatística descritiva na pesquisa em custos: Análise do XIV Congresso Brasileiro de Custos. ConTexto, v.7, n. 12, p. 1-24,2007.

EYSSEN, ICJM; BEELEN, A; DEDDING, C; CARDOL, M; DEKKER, J. The reproducibility of the Canadian Occupational Performance Measure: a client- centred outcome measurement. ClinicalRehabilitation, v.1, n. 18, p. 660-667, 2006.DOI: https://doi.org/10.1191/0269215505cr883oa. Acesso em 20 nov. 2019.

FONSÊCA, MA. A prática do terapeuta ocupacional em saúde mental a partir de uma perspectiva não excludente e de respeito as diferenças. In Drummond, A. de F., Rezende, M. B., Intervenções da terapia ocupacional. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008. 175 p., (broch.).

FONTANELLA, BJB; LUCHESI, BM; SAIDEL, MGB; RICAS, J; TURATO, ER; MELO, DG. Amostragem em pesquisas qualitativas: proposta de procedimentos para constatar saturação teórica. Cadernos de Saúde Pública, v. 27, n. 2, p. 389-94, 2011. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2011000200020. Acesso em 20 nov. 2019.

GOMES, R. A análise de dados em pesquisa qualitativa. In: MINAYO, CS (org). Pesquisa social: teoria, método criatividade. 28 ed.Petrópolis, RJ: Vozes, 2008, capítulo 4. p. 67-80.

LAW, M; BAPTISTE, S; CARSWELL, A; MCCOLL, MA; POLATAJKO, H; POLLOCK, N. Medida canadense de desempenho ocupacional (COPM). Tradução Ana Amélia Cardoso, Lílian Magalhães, Lívia de Castro Magalhães. 1 ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009, 63p.

MACEDO, M; MARQUES, A; QUEIRÓS, C; MARIOTTI, MC. Esquizofrenia, atividades instrumentais de vida diária e funções executivas: uma abordagem qualitativa. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional, v. 26, n. 2, p. 287-298, 2018.Disponível em: http://www.cadernosdeterapiaocupacional.ufscar.br/ index.php/cadernos/article/view/1938DOI10.4322/2526-8910.ctoAO1153. Acesso em 20 nov. 2019.

MARTINS, AKL; FERREIRA, WD; SOARES, RKO; OLIVEIRA, FB. Práticas de equipes de saúde mental para a reinserção psicossocial de usuários. S A N A R E, Sobral. v. 14, n. 02, p. 43-50, Jul/dez. 2015. Disponível em: https://sanare.emnuvens.com.br/sanare/article/view/823/494.Acessoem 04 de maio de 2020.

MASSA, PA; MOREIRA, MIB. Vivências de cuidado em saúde de moradores de Serviços Residenciais Terapêuticos. Interface (Botucatu), v. 23, e170950, 2019. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832019000100215&lng=en&nrm=iso>. https://doi.org/10.1590/interface.170950.Acesso em 05 Mai 2020.

MEDEIROS, DAA; ABELHA, L; FONSECA, DL; SARUÇÃO, K; LOVISI, GM. Avaliação das limitações do comportamento social dos moradores dos serviços residencias terapêuticos de um pequeno município do estado do Rio de Janeiro. Cadernos de Saúde Coletiva. [Internet]. v. 26, n. 3, p. 278-284, 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-462X2018000300278&lng=en. https://doi.org/10.1590/1414-462x201800030071.Acesso em 05 Mai 2020.

MOTIZUKI, CS; MARIOTTI, MC. Percepções de indivíduos com transtornos mentais e familiares sobre o desempenho ocupacional: contribuições da terapia ocupacional. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo.v. 25, n. 2, p. 101-10, 2014. Disponível em:http://www.revistas.usp.br/rto/article/view/57812 DOI 10.11606/issn.2238-6149.v25i2p100-11. Acesso em 22 dez. 2019.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE - OMS. O peso dos transtornos mentais e comportamentais. Organização Panamericana de Saúde. Relatório sobre a saúde no mundo 2001: saúde mental: nova concepção, nova esperança. Genebra, 2001. Disponível em: https://www.who.int/whr/2001/en/whr01_djmessage_po.pdf.Acesso em 22 out. 2019.

PEDRETTY, LW; EARLY, MB. Desempenho ocupacional e modelos de prática para disfunção física. In: PEDRETTY, LW; EARLY, MB. Terapia Ocupacional. 5.ed. São Paulo: Roca, 2005. capítulo 1, p. 03-13.

ROCHA, FL; HARA, C; PAPROCKI, J. Doença mental e estigma. Revista Médica de Minas Gerais, v. 25, n. 04, p. 590-596, 2015.Disponível em:http://www.gnresearch.org/doi/10.5935/2238-3182.20150127.DOI: https://doi.org/10.5935/2238-3182.20150127. Acesso em 22 dez. 2019.

ROZA JUNIOR, JA; LOFFREDO, AM. Residências Terapêuticas e a cidade: enfrentamentos de normas sociais vigentes. Saúde em Debate. v. 42, n. 116, p. 287–95, 2018. [citado em 04 de maio de 2020]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-11042018000100287&lng=pt&tlng=pt. DOI: https://doi.org/10.1590/0103-1104201811623