Rastreamento de sintomas de depressão em policiais penais: estudo de validação do PHQ-9

Main Article Content

Rodrigo de Souza
Fabio Biasotto Feitosa
Tomás Daniel Menéndez Rodríguez
Leandro Aparecido Fonseca Missiatto

Resumo

A depressão é um grave transtorno psicológico que acomete cada vez mais pessoas, contudo, seu diagnóstico precoce necessita de instrumentos eficazes que possam rastrear suas sintomatologias em diversificadas bases populacionais. O objetivo deste estudo foi o de contribuir com o corrente processo de validação do questionário PHQ-9 para o uso na atenção primária em saúde pública no rastreio de sintomas depressivos. Trata-se de uma pesquisa de levantamento realizada com uma amostra de 131 policiais penais lotados no Presídio Federal de Porto Velho/RO. Utilizou-se como instrumentos de pesquisa o Patient Health Questionnaire-9 (PHQ-9), a Escala de Hamilton (HAM-D) que serviu como regra de ouro para a verificação da eficácia do PHQ-9 no rastreio de sintomas depressivos, além de um questionário sociodemográfico para identificação do perfil da amostra. Os resultados demonstraram forte e significativa correlação ente as escalas (rho = 0,667; p < 0,001) o que sugere a confiabilidade do PHQ-9 para rastreio de sintomas depressivos. Conclui-se que o PHQ-9 pode ser utilizado como instrumento confiável na rede de saúde pública por profissionais qualificados, principalmente os alocados na atenção primária, auxiliando-os no diagnóstico precoce da depressão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Souza, R. de, Feitosa, F. B., Rodríguez, T. D. M., & Missiatto, L. A. F. (2021). Rastreamento de sintomas de depressão em policiais penais: estudo de validação do PHQ-9. Revista Brasileira Multidisciplinar - ReBraM, 24(2), 180-190. https://doi.org/10.25061/2527-2675/ReBraM/2021.v24i2.980
Seção
Artigos Originais
Biografia do Autor

Rodrigo de Souza, Universidade Federal de Rondônia - UNIR.

 

Mestre pelo Programa Mestrado Acadêmico em Psicologia da Universidade Federal de Rondônia (UNIR)

 

Fabio Biasotto Feitosa, Universidade Federal de Rondônia - UNIR.

Psicólogo graduado pela Universidade Estadual Paulista/UNESP (2000). Doutor em Relações Interpessoais pelo PPGEEs da Universidade Federal de São Carlos/UFSCar (2007). Cumpriu período de doutorado sanduíche na Universidade Técnica de Lisboa/UTL (2006) pela CAPES, com ênfase em comportamento, desenvolvimento cognitivo e saúde. Formação complementar para o tratamento da Depressão pela abordagem interpessoal em Leicestershire/NHS Trust, Inglaterra. Pós-doutorado em tratamento e prevenção psicológica na University College London/UCL (2015) pela CAPES. Professor do Departamento de Psicologia/DEPSI da Universidade Federal de Rondônia/UNIR, onde atua nas seguintes funções: vice-diretor do Núcleo de Saúde; membro do Núcleo Docente Estruturante/NDE; relator do Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos/CEP do Núcleo de Saúde/NUSAU; docente nas áreas da Psicometria, Avaliação Psicológica, Psicologia Cognitivo-Comportamental e Filosofia das Ciências; orientador no Programa Mestrado Acadêmico em Psicologia; fundador e líder do Grupo de Pesquisa do Laboratório de Relações Interpessoais e Saúde/LARIS credenciado pelo CNPq; Coordenador de Núcleo Institucional do Grupo de Trabalho Relações Interpessoais e Competência Social na Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Psicologia (GT-ANPEPP, http://betara.ufscar.br:8080/pesquisa/rihs/equipe-1/); Coordena a Linha de Pesquisa Gestão da Inovação Social e Sustentabilidade na Amazônia do Grupo de Pesquisa em Gestão da Inovação e Tecnologia; coordenador de projetos de pesquisa em Psicologia da Saúde financiados pelo CNPq e CAPES. Membro da European Health Psychology Society/EHPS desde 2009. Pesquisa atualmente nos seguintes temas: avaliação psicológica; estresse e coping em profissionais da segurança pública; gerenciamento do estresse nas instituições; inovação tecnológica em psicologia; habilidades sociais e qualidade de vida relacionadas à saúde, aprendizagem e desenvolvimento de crianças e adolescentes.

Tomás Daniel Menéndez Rodríguez, Universidade Federal de Rondônia - UNIR.

Possui graduação em Licenciatura em Matemática pelo Instituto Superior Pedagógico "Juan Marinello" de Matanzas (1982) . Doutorado em Matemática na Saint Petersburg State University (1992). Pós-Doutorado em Matemáticas na Associação Instituto de Matemática Pura e Aplicada - IMPA , Rio de Janeiro em 2004. Atualmente é professor titular da FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA. Tem experiência docente e de pesquisa nas áreas de Matemática (Análise Funcional e Equações Diferenciais), Matemática Aplicada e Modelagem, Matemática Financeira, Matemática Computacional, Pesquisa Operacional, Construção de Índices e Indicadores . É Professor de Métodos Quantitativos de Pesquisa do Mestrado de Administração da UNIR e Professor do Mestrado Profissional de Matemática em Rede Nacional - PROFMAT.

Leandro Aparecido Fonseca Missiatto, Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal - Facimed.

Possui Mestrado em Psicologia na Universidade Federal de Rondônia - UNIR, Linha de Pesquisa em Saúde e Processos Psicossociais.Graduação em psicologia pela Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal (2012). Vice-líder do LARIS, Laboratório de Relações Interpessoais e Saúde do Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Rondônia (UNIR). Atualmente é analista processual na especialidade de psicologia - Tribunal de Justiça do Estado de Rondônia. Docente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal - FACIMED. Doutorando em Desenvolvimento e Perturbações da Linguagem pela Universidade Fernando Pessoa, Porto, Portugal.

Referências

ADEWUYA, A. O.; OLA, B. A.; AFOLABI, O. O. Validity of the patient health questionnaire (PHQ-9) as a screening tool for depression amongst Nigerian university students. Journal of affective disorders, v. 96, n. 1-2, p. 89-93, 2006.

ARANTES, D. V. Depressão na atenção primária à saúde. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, v. 2, n. 8, p. 261-270, 2007.

AROS, M. S.; YOSHIDA, E. M. P. Estudos da depressão: Instrumentos de avaliação e gênero. Boletim de Psicologia, v. 59, n. 130, p. 61-76, 2009.

ARROL, B.; GOODYEAR-SMITH, F.; CRENGLE, S.; GUNN J.; KERSE, N.; FISHMAN, T.; FALLOON, K.;, HATCHER, S . Validation of PHQ-2 and PHQ-9 to screen for major depression in the primary care population. Annals of Family Medicine, v. 8, p. 348-53, 2010.

BARBOSA F. O.; MACEDO, P. C. M.; SILVEIRA, R. M. C. Depressão e o suicido. Revista da SBPH, v. 14, n. 1, p. 233-243, 2011.

BEZERRA, C. M.; ASSIS, S. G.; CONSTANTINO, P. Sofrimento psíquico e estresse no trabalho de polícia penal: uma revisão da literatura. Ciência & Saúde Coletiva, v. 21, n. 7, p. 2135-2146, 2016.

BORSA, J. C.; DAMÁSIO, B. F.; BANDEIRA, D. R. Adaptação e validação de instrumentos psicológicos entre culturas: algumas considerações. Paidéia, v. 22, n. 53, p. 423-432, 2012.

BOTEGA N. J. Prática Psiquiátrica no Hospital Geral: interconsulta e emergência. Porto Alegre: Artmed, 2002.

CALIL, H. M.; PIRES, M. L. N. Aspectos gerais das escalas de avaliação de depressão. Revista de Psiquiatria Clínica, v. 25, p. 240-244, 1998.

ERTHAL, T.. Manual de psicometria. Rio de Janeiro: Editora Jorge, 2009.

FERNANDES, R.C. P; SILVANY, N. A. M.; SENA, G. M.; LEAL, A. S., CARNEIRO, C. A. P.; COSTA, F. P. M. Trabalho e cárcere: um estudo com polícia penal da Região Metropolitana de Salvador, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 18, n. 3, 807-816, 2002.

FREIRE, M. A.; FIGUEIREDO, V. L. M.; GOMIDE, A.; JANSEN, K.; SILVA, R. A.; MAGALHÃES, P. V. S.; KAPCZINSKI, F. P. Escala Hamilton: estudo das características psicométricas em uma amostra do sul do Brasil. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, v. 63, n. 4, p. 281-289, 2014.

GUERRA, T. R. B.; VENANCIO, I. C. D.; PINHEIRO, D. M. M.; MENDLOWICZ, M. V.; CAVALCANTI, A. C. D.; MESQUITA, E. D. Métodos de Rastreamento da Depressão em Pacientes Ambulatoriais com Insuficiência Cardíaca. International Journal of Cardiovascular Sciences, v. 31, n. 4, p. 414-421, 2018.

LOSSNITZER, N.; HERZOG, W.; STÖRK, S.; WILD, B.; MÜLLER-TASCH, T.; LEHMKUHL, E.; REGITZ-ZAGROSEK, V.;, PANKUWEIT , S.;, MAISCH, B.; ERTL, G.; GELBRICH, G.; ANGERMANN, C. E. Incidence rates and predictors of major and minor depression in patients with heart failure. International Journal of Cardiology, v. 167, n. 2, p. 502-507, 2013.

MATIAS, A. G. C.; FONSÊCA, M. A.; GOMES, M. L. F.; MATOS, M. A. A. Indicadores de depressão em idosos e os diferentes métodos de rastreamento. Eistein, v. 14, n. 1, p. 6-11, 2016.

MISSIATTO, L. A. F; FEITOSA, F. B.; RODRÍGUEZ, T. D. M. Correlações entre Assertividade, Condições Laborais, Estresse e Depressão de Servidores do INSS/RO. Psicologia Ciência e Profissão, v. 39, n. e188004, p. 1-12, 2019.

MISSIATTO, L. A. F; FEITOSA, F. B.; RODRIGUEZ, T. D. M.; MATHIS, M. A. S. Prevalência de depressão em servidores do Instituto Nacional de Seguridade Social. SMAD, Revista. Eletrônica Saúde Mental Álcool Drogas, v. 15, n. 3, p. 1-6, 2019.

MOLINA M. R. A. L.; WIENER, C. D.; BRANCO, J. C.; JANSEN, K.; SOUZA, L. D. M. D.; TOMASI, E.; SILVA, R. A.; PINHEIRO, R. T. Prevalência de depressão em usuários de unidades de atenção primária. Prevalência de depressão em usuários de unidades básicas de saúde. Revista Psiquiatria Clínica, v.39, n. 6, p. 194-197, 2012.

MORAES, P. R. B. de. A identidade e o papel de agentes penitenciários. Tempo Social, v. 25, n. 1, p. 131-147, 2013.

OMS, Organização Mundial de Saúde. The World Health Report. Suicide. Genebra: OMS, 2000. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932008000400005>. Acesso em: 02 jun. 2016.

OPAS, Organização Pan-Americana da Saúde. Folha informativa – Depressão. Disponível em: << https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5635:folha-informativa-depressao&Itemid=1095>. Acesso em: 08 mai. 2020.

OSÓRIO, F. L.; MENDES, A.V.; CRIPPA, J. A. S.; LOUREIRO, S. R.. Study of the discriminative validity of the PHQ-9 and PHQ-2 in a sample of Brazilian women in the context of primary health care. Perspectives in Psychiatric Care, v. 45, p. 216-227, 2009.

RIZOLLO, R. C. Estudo mostra que Prozac não funciona. Disponível em <http://www.folhadaregiao.com.br/Materia.php?id=88525>. Acesso em: 09 mai. 2020.

SANTOS, I. S.; TAVARES, B.; FRANCK, M. T. N.; ALMEIDA, L. S. P.; SILVA, N. T. B.; TAMS, B. D.; PATELLA, A. M.; MATIJASEVICH, A.. Sensibilidade e especificidade do Patient Health Questionnaire-9 (PHQ-9) entre adultos da população geral. Cadernos de Saúde Pública, v. 29, n. 8, p. 1533-1543, 2013.

SPITZER, R. L.; KROENKE, K.; WILLIAMS, J. B. W. (1999). Validation and utility of a self-report version of PRIME-MD: The PHQ primary care study. JAMA, v. 282, p. 1737-1744, 1999.

SZKLO, M.; JAVIER N. F. Epidemiology: beyond the basics. Sudbury: Jones and Bartlett Publishers, 2007.

WEBB-MURPHY, J. A.; DE LA ROSA, G. M.; SCHIMITZ, K. J.; VISHNYAK, E. J.; RADUCHA, S. C.; ROESCH, S. C.; JOHNSTON, S. L.. Operational stress and correlates of mental health among Joint Task Force Guantanamo Bay military personnel. Journal of Traumatic Stress, v. 28, n. 6, p.499-504, 2015.

ZIMMERMAN, M. Using the 9-Item Patient Health Questionnaire to Screen for and Monitor Depression. JAMA, v. 322, n. 21, p. 2125-2126, 2019.