Antibioticoterapia e sua Automedicação: Prática Comum entre Estudantes do Curso de Biomedicina de Instituto de Ensino Superior

Main Article Content

Isabella Leone Rossi
Michelle Caroline Dos Santos
Ana Rosa Crisci

Resumo

O hábito da automedicação de antibióticos contribui para o mecanismo de resistência bacteriana, sendo um problema de saúde pública mundial que deve ser prevenido. O universitário, como futuro profissional da saúde, é cobrado no sentido de orientar uma conduta e informar quanto ao uso de antimicrobianos no que se refere ao agente causal, ao sítio de infecção e à gravidade da doença. Neste estudo, verificou-se, através de um questionário, o perfil dos acadêmicos ingressantes e concluintes do curso de biomedicina de uma instituição de nível superior, comparando-se os resultados obtidos. Trata-se de um estudo descritivo com abordagem quantitativa dos dados (frequência relativa – %) através de questionário autoaplicável, e contendo 13 questões de múltipla escolha armazenadas no banco de dados no programa Excel. A amostra foi composta por 132 alunos de graduação do curso de Biomedicina desse centro universitário. Dentre os acadêmicos ingressantes, a compra do antibiótico é influenciada principalmente pela experiência própria com o fármaco, o que não se repete com concluintes, que preferem procurar e seguir orientação médica. Assim, 91,8% dos concluintes acreditam que a automedicação pode trazer danos à saúde. Em relação ao consumo de anti-inflamatórios, analgésicos e antitérmicos antes do uso do antibiótico, 67% dos iniciantes disseram que fazem a utilização destes medicamentos, contra 70% dos concluintes que também a fazem. Portanto, conclui-se que informações sobre os perigos da automedicação são fornecidos nas disciplinas de microbiologia e farmacologia, disciplinas estas ainda não cursadas pelos ingressantes e desconhecidas pela população em geral, que recorre à automedicação devido à falta de conhecimento. Para reverter este quadro, é necessária uma maior exposição na mídia sobre práticas educativas, riscos, benefícios, e explicações sobre bactérias multirresistentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Rossi, I. L., Santos, M. C. D., & Crisci, A. R. (2014). Antibioticoterapia e sua Automedicação: Prática Comum entre Estudantes do Curso de Biomedicina de Instituto de Ensino Superior. Revista Brasileira Multidisciplinar - ReBraM, 17(2), 97-105. https://doi.org/10.25061/2527-2675/ReBraM/2014.v17i2.28
Seção
Artigos Originais
Biografia do Autor

Isabella Leone Rossi

Biomédica

Michelle Caroline Dos Santos

Biomédica

Referências

AQUINO, D. S.; BARROS, J. A. C.; SILVA, M.

D. P. Aautomedicação e os acadêmicos da área de saúde. Rev. Ciência e Saúde Coletiva, v. 15, p. 2533-2538, 2010.

BRASIL. Automedicação. Disponívelem: . Acesso em 03 de jun. 2013.

CUNHA, E. R. et al. Eficácia de três métodos de degerminação das mãos utilizando gluconato de clorexidina degermante (GCH 2%). Rev. Esc.

Enferm. USP, v.45, n.6, p. 1440-5, 2011.

ESTEVAM, A. Higienização insana: sabonetes bactericidas. Disponívelem: http://contracultura de bolsoworldpress.com/2012/06/ 08higienizacaoinsanasabonetesbactericidas.>Acesso em 21mar.2014.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. de A.

Fundamentos de metodologia científica. Rev. Ampl.

São Paulo: Atlas, 4. ed. 288p, 2001.

LESSA, M. A.; BOCHNER, R. Análise das

internações hospitalares de crianças menores de um ano relacionadas a intoxicações e efeitos adversos de medicamentos no Brasil. Rev. Bras.

Epidemiol.,São Paulo, v. 11, n. 4, 2008.

NICOLINI, P. et al. Fatores relacionados à prescrição médica de antibióticos emfarmácia pública da região Oeste da cidade de São Paulo. Rev. Ciênc. saúde coletiva, vol.13, p. 689-696, 2008.

OLIVEIRA, C. M.; ANDRADE, A. M. G.; FERNANDES, T. R. M. D.; LAGO, G.; GARCIA,

R.; Levantamento da ocorrência de automedicação no município de Itajubá. Revista Brasileira de Medicina. Rio de Janeiro, v.62, p.142-145, 2004.

PINTO, F. C. et al. Automedicação em Acadêmicos do Curso de Enfermagem. 2008. 60f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Enfermagem) – Universidade Presidente Antônio Carlos. Minas Gerais, 2008.