Avaliação do impacto do efluente da estação de tratamento de esgoto (ETE) do município de Araraquara – SP: macroinvertebrados aquáticos como bioindicadores

Main Article Content

Rafaela Bermudez Possetti
Guilherme Rossi Gorni
Vanessa Colombo-Corbi
Juliano José Corbi

Resumo

O aumento da atividade humana e seus impactos ambientais tem causado maior preocupação com a conservação dos recursos hídricos, especialmente da água potável. Assim, os efluentes provenientes das atividades humanas, especialmente dos esgotos domésticos, devem ser tratados antes de serem lançados no corpo de água receptor diminuindo, dessa forma, a possibilidade de poluição das águas. Nos ecossistemas aquáticos, os macroinvertebrados aquáticos têm sido utilizados como ferramenta para avaliações da qualidade ambiental de rios e córregos. Sabendo-se da problemática ocasionada pelo despejo de efluentes domésticos em rios e córregos, este trabalho apresenta como objetivo analisar a comunidade de macroinvertebrados aquáticos do córrego das Cruzes nas áreas à montante e à jusante do recebimento dos efluentes da Estação de Tratamento de Esgoto do Município de Araraquara (ETE - Araraquara). Os macroinvertebrados foram coletados em duas épocas utilizando-se rede em “D”, com 0,25mm de abertura de malha, pelo método de varredura. Os organismos foram identificados até o nível de família exceto Chironomidae e Oligochaeta que foram identificados até gêneros ou espécie. Os resultados indicam alteração na estrutura comunitária dos macroinvertebrados e diminuição na riqueza de espécies após a ETE de Araraquara. A presença exclusiva do gênero Chironomus no ponto 3, após a ETE, indica um impacto ambiental do efluente proveniente da estação sobre a riqueza de espécies de macroinvertebrados aquáticos do Ribeirão das Cruzes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Possetti, R. B., Gorni, G. R., Colombo-Corbi, V., & Corbi, J. J. (2017). Avaliação do impacto do efluente da estação de tratamento de esgoto (ETE) do município de Araraquara – SP: macroinvertebrados aquáticos como bioindicadores. Revista Brasileira Multidisciplinar - ReBraM, 20(2), 06-14. https://doi.org/10.25061/2527-2675/ReBraM/2017.v20i2.536
Seção
Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)