Isolamento de Malassezia pachydermatis do ouvido externo de cães domésticos: possível fonte de transmissão

Main Article Content

Marilisa Gonçalves de Araújo
Andrezza Furquim Cruz
Juliana Leal Monteiro da Silva

Resumo

Infecções fúngicas têm crescido durante os últimos anos, principalmente em ambiente hospitalar, podendo ser brandas e rápidas ou graves e fatais. Leveduras lipofílicas do gênero Malassezia têm se tornado patógenos significantes tanto em indivíduos imunocompetentes como em pacientes imunodeprimidos levando ao aparecimento de doenças graves. Malassezia spp têm sido relatadas mais frequentemente como agente de infecções hospitalares em neonatos de baixo peso sob cuidados na UTI, sendo relacionada à alimentação lipídica e ao contato manual com profissionais de saúde e visitantes. Malassezia pachydermatis pertence à microbiota normal de cães, podendo causar infecções de pele e otites nesses animais. O objetivo desse trabalho foi verificar a prevalência de M. pachydermatis no ouvido externo de cães domésticos sem sintomas de otite. Foram analisadas 120 amostras de cães domésticos por crescimento em ágar fungobiótico e identificação morfológica e bioquímica das colônias leveduriformes isoladas. M. pachydermatis foi identificada em 56 (46,67%) amostras analisadas, sendo que a maioria dos animais analisados tinham orelhas pendentes, podendo ter sido um fator de predisposição. Animais mais jovens possuem maior predisposição à colonização pela levedura e essa colonização é independente do sexo. Por serem as espécies do gênero Malassezia, componentes da microbiota normal de homens e animais, e do perigo que este gênero apresenta de causar infecção em pessoas debilitadas, é de fundamental importância evitar o contágio para esses pacientes, deixando clara a importância de medidas de prevenção como higienização das mãos pelos profissionais nesse ambiente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Araújo, M. G. de, Cruz, A. F., & Monteiro da Silva, J. L. (2020). Isolamento de Malassezia pachydermatis do ouvido externo de cães domésticos: possível fonte de transmissão. Revista Brasileira Multidisciplinar, 23(1), 85-96. https://doi.org/10.25061/2527-2675/ReBraM/2020.v23i1.721
Seção
Artigos Originais
Biografia do Autor

Marilisa Gonçalves de Araújo, Universidade de Araraquara

Egressa do curso de Biomedicina no Departamento de Ciências da Saúde da Universidade de Araraquara - UNIARA

Andrezza Furquim Cruz, Universidade de Araraquara - UNIARA

Docente dos cursos de Biomedicina, Farmácia e Medicina no Departamento de Ciências da Saúde da Universidade de Araraquara - UNIARA

Juliana Leal Monteiro da Silva, Universidade de Araraquara - UNIARA

Docente do curso de Biomedicina no Departamento de Ciências da Saúde da Universidade de Araraquara - UNIARA

Referências

ALANGADEN, G. J. Nosocomial fungal infections: epidemiology, infection control, and prevention. Infect Dis Clin North Am, v. 25, n. 1, p. 201-25, Mar 2011. ISSN 1557-9824 (Electronic)

-5520 (Linking). Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21316001 >.

BANDHAYA, M. The distribution of Malassezia furfur and Malassezia pachydermatis on normal human skin. Southeast Asian J Trop Med Public Health, v. 24, n. 2, p. 343-6, Jun 1993. ISSN 0125-1562 (Print)

-1562 (Linking). Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/8266240 >.

BAPTISTA, T. C. C. et al. Diagnóstico de Malassezia sp em ouvidos de cães e sua correlação clínica. Revista Eletrônica Novo Enfoque, v. 9, n. 9, p. 48-55, 2010.

BONATES, A. Otite: conhecimento detalhado permite diagnósticos precisos e sucesso no tratamento. Veterinary News, v. 62, p. 6-8, 2003.

BRASIL. Pesquisa Nacional de Saúde: 2013 - acesso e utilização de serviços de saúde, acidentes e violências: Brasil, grandes regiões e unidades de federação. IBGE. Rio de Janeiro: Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão: 100 p. 2015.

BUENO, M.E.N.; FEIJÓ, A.M.; SANTIN, R.; LUND, R.G.; CLEFF, M.B.; MEIRELES, M.C.A.; NASCENTE, P.S. M. pachydermatis e outras leveduras em ambiente de UTI. XVI Congresso de Iniciação Científica. Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel, 2007.

CAFARCHIA, C. et al. Occurrence and population size of Malassezia spp. in the external ear canal of dogs and cats both healthy and with otitis. Mycopathologia, v. 160, n. 2, p. 143-9, Sep 2005. ISSN 0301-486X (Print)

-486X (Linking). Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16170610 >.

CARLOTTI, D. N.; R.S., TAILLIEU-LE, L. L'otite externe chez le chien: etiologie et clinique, revue bibliographique et etude retrospective portant sur 752 cas. Pratique Médicale et Chirurgicale de l'Animal de Compagnie, v. 32, p. 243-257, 1997.

CHANG, H. J. et al. An Epidemic of Malassezia pachydermatis in an Intensive Care Nursery Associated with Colonization of Health Care Workers' Pet Dogs. New England Journal of Medicine, v. 338, n. 11, p. 706-711, 1998. Disponível em: < https://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJM199803123381102 >.

CHRYSSANTHOU, E.; BROBERGER, U.; PETRINI, B. Malassezia pachydermatis fungaemia in a neonatal intensive care unit. Acta Paediatrica, v. 90, n. 3, p. 323-327, 2001. ISSN 0803-5253. Disponível em: < https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/j.1651-2227.2001.tb00312.x >.

CRESPO, M. J.; ABARCA, M. L.; CABANES, F. J. Occurrence of Malassezia spp. in the external ear canals of dogs and cats with and without otitis externa. Med Mycol, v. 40, n. 2, p. 115-21, Apr 2002. ISSN 1369-3786 (Print)

-3786 (Linking). Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12058723 >.

EIDI, S.; KHOSRAVI, A. R.; JAMSHIDI, S. A comparison of different kinds of Malassezia species in healthy dogs and dogs with otitis externa and skin lesions. Turkish Journal of Veterinary and Animal Sciences, v. 35, n. 5, p. 345-350, 2011.

FAERGEMANN, J. Atopic dermatitis and fungi. Clin Microbiol Rev, v. 15, n. 4, p. 545-63, Oct 2002. ISSN 0893-8512 (Print)

-8512 (Linking). Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12364369 >.

FAN, Y.-M. et al. Granulomatous Skin Infection Caused by Malassezia pachydermatis in a Dog Owner. JAMA Dermatology, v. 142, n. 9, p. 1181-1184, 2006. ISSN 2168-6068. Disponível em: < https://doi.org/10.1001/archderm.142.9.1181 >. Acesso em: 7/18/2019.

FEIJÓ, F. M. C.; CAMPOS, S. G.; RAMADINHA, R. H. R. Epidemiologia da otite por Malassezia pachydermatis em cães. Revista Brasileira de Medicina Veterinária, v. 20, n. 5, p. 197-200, 1998.

GIACOMAZZI, J. et al. The burden of serious human fungal infections in Brazil. Mycoses, v. 59, n. 3, p. 145-150, 2016. ISSN 0933-7407. Disponível em: < https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/myc.12427 >.

GIRÃO, M. D. et al. Malassezia pachydermatis isolated from normal and diseased external ear canals in dogs: A comparative analysis. The Veterinary Journal, v. 172, n. 3, p. 544-548, 2006/11/01/ 2006. ISSN 1090-0233. Disponível em: < http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1090023305001772 >.

GUILLOT, J. et al. Identification of Malassezia species. A pratical approach. Journal of Medical Mycology, v. 6, p. 103-110, 1996.

ILAHI, A. et al. Molecular epidemiology of a Malassezia pachydermatis neonatal unit outbreak. Medical Mycology, v. 56, n. 1, p. 69-77, 2017. ISSN 1369-3786. Disponível em: < https://doi.org/10.1093/mmy/myx022 >. Acesso em: 7/18/2019.

KORBELIK, J. et al. Analysis of the otic mycobiota in dogs with otitis externa compared to healthy individuals. Vet Dermatol, v. 29, n. 5, p. 417-e138, Oct 2018. ISSN 1365-3164 (Electronic)

-4493 (Linking). Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/30088292 >.

KOZAK, M. et al. Study of the dermatophytes in dogs and the risk of human infection. Bratisl Lek Listy, v. 104, n. 7-8, p. 211-7, 2003. ISSN 0006-9248 (Print)

-9248 (Linking). Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15168865 >.

KUMAR, V. et al. Robbins & Cotran Patologia - Bases Patológicas das Doenças. 8ª Ed. Rio de Janeiro: Elsevier Editora Ltda., 2010. 1479p. ISBN 978-85-352-3459-6.

LEITE, C. A. L.; ABREU, V. L. V.; COSTA, G. M. Frequência de Malassezia pachydermatis em otite externa de cães. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, v. 55, p. 102-104, 2003. ISSN 0102-0935. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-09352003000100016&nrm=iso >.

MACHADO, M. L. S. et al. Otites e dermatites por Malassezia spp. em cães e gatos. Clínica Veterinária: Themebezz. 44: 27-34 p. 2003.

MANSFIELD, P. D.; BOOSINGER, T. R.; ATTLEBERGER, M. H. Infectivity of Malassezia pachydermatis in the external ear canal of dogs. Journal of the American Animal Hospital Association, v. 26, n. 1, p. 97-100, 1990.

MARTINS-DINIZ, J. N. et al. Monitoramento de fungos anemófilos e de leveduras em unidade hospitalar. Revista de Saúde Pública, v. 39, p. 398-405, 2005. ISSN 0034-8910. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102005000300010&nrm=iso >.

MORRIS, D. O. Malassezia pachydermatis carriage in dog owners. Emerging infectious diseases, v. 11, n. 1, p. 83-88, 2005. ISSN 1080-6040

-6059. Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15705327

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3294355/ >.

MOTA, É. C. et al. Higienização das mãos: uma avaliação da adesão e da prática dos profissionais de saúde no controle das infecções hospitalares. Revista de Epidemiologia e Controle de Infecção, v. 4, n. 1, p. 12-17, jan/mar 2014. ISSN 2238-3360.

NAKABAYASHI, A.; SEI, Y.; GUILLOT, J. Identification of Malassezia species isolated from patients with seborrhoeic dermatitis, atopic dermatitis, pityriasis versicolor and normal subjects. Medical Mycology, v. 38, n. 5, p. 337-341, 2000. ISSN 1369-3786. Disponível em: < https://doi.org/10.1080/mmy.38.5.337.341 >. Acesso em: 7/22/2019.

NARDONI, S. et al. Occurrence of Malassezia species in healthy and dermatologically diseased dogs. Mycopathologia, v. 157, n. 4, p. 383-8, May 2004. ISSN 0301-486X (Print)

-486X (Linking). Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15281400 >.

NASCENTE, P. et al. Estudo da frequência de Malassezia pachydermatis em cãescom otite externa no Rio Grande do Sul. Ciência Animal Brasileira, v. 11, n. 3, p. 527-533, 1 out. 2010.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. D. Diretrizes da OMS sobre higienização das mãos na assistência à saúde (versão preliminar avançada): resumo. Mãos limpas, mãos mais seguras. Genebra, Suíça: OMS: 34 p. 2005.

PADOVANI, C. Perfil dos tutores de pets e sua percepção sobre o médico-veterinário. Boletim APAMVET, v. 8, n. 1, p. 15-17, 2017. ISSN 2179-7110

PEDROSA, A. F.; LISBOA, C.; GONCALVES RODRIGUES, A. Malassezia infections: a medical conundrum. J Am Acad Dermatol, v. 71, n. 1, p. 170-6, Jul 2014. ISSN 1097-6787 (Electronic)

-9622 (Linking). Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24569116 >.

PUIG, L.; CASTELLA, G.; CABANES, F. J. Quantification of Malassezia pachydermatis by real-time PCR in swabs from the external ear canal of dogs. J Vet Diagn Invest, v. 31, n. 3, p. 440-447, May 2019. ISSN 1943-4936 (Electronic)

-6387 (Linking). Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/30943876 >.

RUIZ, L. S.; RICHNI PEREIRA, V. B. Importância dos fungos no ambiente hospitalar. Boletim do Instituto Adolfo Lutz, v. 26, n. U, p. art.2, 2016.

SCHMIDT, A. Malassezia furfur: a fungus belonging to the physiological skin flora and its relevance in skin disorders. Cutis, v. 59, n. 1, p. 21-4, Jan 1997. ISSN 0011-4162 (Print)

-4162 (Linking). Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/9013067 >.

SIDRIM, J. J. C.; ROCHA, M. F. G. Micologia Médica à luz de Autores Contemporâneos. 2. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2004. ISBN 9788527708661.

SILVA, D. P. D. et al. Fungal infections in preterm infants by yeasts of the genus Malassezia. Revista de Enfermagem 2018, v. 12, n. 10, p. 8, 2018-10-07 2018. ISSN 1981-8963. Disponível em: < https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/236345/30268 >.

SOMENZI, C. C.; RIBEIRO, T. S.; MENEZES, A. D. Características Particulares da Micologia Clínica e o Diagnóstico Laboratorial de Micoses Superficiais. Santos: NewsLab: 106-118 p. 2006.

WAGNER, R.; SCHADLER, S. Qualitative study of Malassezia species colonisation in young puppies. Vet Rec, v. 147, n. 7, p. 192-4, Aug 12, 2000. ISSN 0042-4900 (Print)

-4900 (Linking). Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/10985463 >.