Estudo do perfil epidemiológico da tuberculose em Araraquara, SP, no período 2012 - 2017

Main Article Content

Eduardo Henrique Bonini
Antonio Carlos Massabni

Resumo

Introdução: A tuberculose (TB) afeta 1/3 da população mundial e cerca de 10 milhões de pessoas desenvolvem TB a cada ano, resultando em mais de dois milhões de mortes. Objetivos: O principal objetivo deste trabalho é apresentar um estudo do perfil epidemiológico da TB em Araraquara (SP) e comparar o perfil epidemiológico da TB em Araraquara com os padrões da doença no mundo, Américas, Brasil e Estado de São Paulo. Método: As pesquisas e informações foram coletadas do relatório anual da Organização Mundial da Saúde (OMS), do Ministério da Saúde do Brasil, da Secretaria do Estado de São Paulo, da Secretaria Municipal de Saúde e do Serviço Especial de Saúde de Araraquara (SESA). O período de 2012 a 2017 foi analisado considerando-se as projeções das metas da OMS para o fim da TB de 2015 a 2035. Resultados: Todos os dados apresentados, com exceção da cidade de Araraquara, estão acima da projeção requerida pela OMS. Embora ligeiramente abaixo da projeção citada, Araraquara está se encaminhando para reduzir a incidência de TB até o ponto de erradicar a doença. conclusões: Os baixos níveis atuais de infecção por TB em Araraquara podem ser explicados por fatores como, um dos maiores Índices de Desenvolvimento Humano (IDH) do País, a existência de um sanatório especializado no tratamento da doença, políticas públicas e uma eficiente rede de informações sobre TB . Araraquara pode ser um modelo no combate à doença no nível nacional e erradicar a doença  até antes do prazo estabelecido pela OMS.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Bonini, E. H., & Massabni, A. C. (2020). Estudo do perfil epidemiológico da tuberculose em Araraquara, SP, no período 2012 - 2017. Revista Brasileira Multidisciplinar, 23(2). https://doi.org/10.25061/2527-2675/ReBraM/2020.v23i2.780
Seção
Artigos Originais
Biografia do Autor

Eduardo Henrique Bonini

Universidade de Araraquara (Uniara), Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia em Medicina Regenerativa e Química Medicinal

Antonio Carlos Massabni, Instituto de Química Unesp Araraquara (IQ Unesp)Universidade de Araraquara (Uniara)

Universidade de Araraquara (Uniara), Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia em Medicina Regenerativa e Química Medicinal

Referências

ARARAQUARA, PREFEITURA MUNICIPAL DE ARARAQUARA. Dados IBGE-FIRJAN-IDH. 2017. Disponível em: http://www.araraquara.sp.gov.br/wp-content/uploads/2017/01/Dados-IBGE-FIRJAN-IDH.pdf. Acesso em: 22 nov. 2018.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico, Brasília, v. 49, n. 11, mar. 2018 Disponível em: http://portalms.saude.gov.br/images/pdf/2018/marco/26/2018-009.pdf. Acesso em: 20 nov. 2018.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portal Arquivos. Taxa de incidência de tuberculose de 1990 a 2017. Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/marco/19/taxa-incidencia-tuberculose-1990-2017-JAN-2018.pdf. Acesso em: 20 dez 2018.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Manual de Recomendações para o Controle da tuberculose no Brasil. Brasília: Ministério da Saúde, 2018.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. DATASUS. Tecnologia da Informação a Serviço do SUS. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sinannet/cnv/tubercSP.def. Acesso em: 28 mai 2019.

MASSABNI, A. C.; BONINI, E. H. Tuberculose: história e evolução dos tratamentos da doença. Revista Brasileira Multidisciplinar, v. 22, n. 2, p. 6-34, 2019. https://doi.org/10.25061/2527-2675/ReBraM/2019.v22i2.678.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. TB: a global emergency. 1994. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/58749/OMS_TB_94.177.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 10 out 2019.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. WHO treatment guidelines for drug resistant tuberculosis, 2016 update. October 2016 revision. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/250125/9789241549639- eng.pdf;jsessionid=FC8D03A39743D8BA63EFDAF2A9EFE213?sequence=1. Acesso em: 28 mai 2019.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Global Tuberculosis Report 2018, França, 2018. Relatório. Disponível em: https://www.who.int/tb/publications/global_report/en/. Acesso em: 20 nov 2018.

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE. Tuberculosis in the Americas 2018. Washington, D. C.: PAHO, 2018. Disponível em: http://iris.paho.org/xmlui/bitstream/handle/123456789/49510/PAHOCDE18036_eng?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 10 out 2019.

SÃO PAULO (Estado). SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE. Centro de Vigilância Epidemiológica “Prof. Alexandre Vranjac”. Fórum Estadual de Tuberculose 2018, Programação, 27 de setembro de 2018. Disponível em: http://www.saude.sp.gov.br/resources/cve-centro-de-vigilancia-epidemiologica/areas-de-vigilancia/tuberculose/eventos/tb18_forum_programa.pdf. Acesso em: 19 dez 2018.

SÃO PAULO (Estado). SECRETARIA DA SAÚDE. Centro de Vigilância Epidemiológica “Prof. Alexandre Vranjac”. Sobre tuberculose. Disponível em: http://www.saude.sp.gov.br/resources/cve-centro-de-vigilancia-epidemiologica/areas-de-vigilancia/tuberculose/doc/tuberculose.html. Acesso em: 24 nov. 2018.

SÂO PAULO (Estado). SECRETARIA DA SAÚDE. Centro de Vigilância Epidemiológica “Prof. Alexandre Vranjac”. Plano Estadual pela Eliminação da Tuberculose: 2018 a 2021. Disponível em: http://www.saude.sp.gov.br/resources/cve-centro-de-vigilancia-epidemiologica/areas-devigilancia/tuberculose/doc/tb17_plano_eliminacao.pdf. Acesso em: 28 mai 2019.

TELAROLLI JUNIOR, R., LOFFREDO, L. C. M., GASPARETTO, R. M., Clinical and epidemiological profile of tuberculosis in an urban area with high human development index in southeastern Brazil. Time series study, São Paulo Medical Journal, v .135, n, 5, 2017. https://doi.org/10.1590/1516-3180.2016.0260210317.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)