Conhecimento dos enfermeiros e uso escala de Braden em unidades de terapia intensiva: análise da produção científica brasileira

Main Article Content

João Victor Batista Cabral
Lukas Mergulhão de Vasconcelos
Martha Maria de Oliveira

Resumo

O objetivo deste estudo foi descrever o conhecimento dos enfermeiros relacionado ao uso da Escala de Braden em Unidade de Terapia Intensiva. Trata-se de uma revisão integrativa descritivo-exploratória, com pesquisa realizada na Biblioteca Virtual em Saúde no período de 2010 a 2017. Os resultados revelaram que a Escala de Braden é um dos instrumentos de avaliação do risco de Lesão por Pressão mais utilizado em Unidade de Terapia Intensiva, sendo objetivo de todos os estudos incluídos na amostra desta pesquisa, porém o conhecimento e uso da escala por enfermeiros ainda é marcado por divergências e heterogeneidade quanto, aplicação e avaliação. Conclui-se que o conhecimento dos enfermeiros sobre a Escala de Braden em Unidade de Terapia Intensiva ainda apresenta fragilidades, sendo considerada sensível e específica na avaliação preditiva, principalmente quando seu escore se aproxima dos valores de maior risco.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Cabral, J. V. B., Vasconcelos, L. M. de, & Oliveira, M. M. de. (2021). Conhecimento dos enfermeiros e uso escala de Braden em unidades de terapia intensiva: análise da produção científica brasileira. Revista Brasileira Multidisciplinar, 24(1). https://doi.org/10.25061/2527-2675/ReBraM/2021.v24i1.782
Seção
Artigos de Revisão
Biografia do Autor

João Victor Batista Cabral, Centro Universitário da Vitória de Santo Antão – UNIVISA

Graduado em Enfermagem (2013), Especialista em Terapia Intensiva (2015), Mestre em Ciencias da Saúde (2019).Docente do Centro Universitário da Vitória de Santo Antão – UNIVISA

Lukas Mergulhão de Vasconcelos, Centro Universitário da Vitória de Santo Antão – UNIVISA

Enfermeiro - Centro Universitário da Vitória de Santo Antão – UNIVISA

Martha Maria de Oliveira, Centro Universitário da Vitória de Santo Antão – UNIVISA

Enfermeira - Centro Universitário da Vitória de Santo Antão – UNIVISA

Referências

ALVES, A.G.P.; BORGES, J.W.P.; BRITO, M.A. Avaliação do risco para úlcera por pressão em unidades de terapia intensiva: uma revisão integrativa. Jorn Pesq Fundam Care On line, (2):793-804, 2014. Disponível em: < http://www.redalyc.org/pdf/5057/505750622036.pdf>. Acesso em 05/12/2017.

ARAÚJO, T.M.; ARAÚJO, M.F.M.; CAETANO, A.J. Comparação de escalas de avaliação de risco para úlcera por pressão em pacientes em estado crítico. Acta Paul Enferm, 24(5):695-700, 2011. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/ape/v24n5/16v24n5.pdf>. Acesso em: 27/12/2017.

BARBOSA, P.T.; BECCARIA, M.L.; POLETTI, A.A.N. Avaliação do risco de úlcera por pressão em UTI e assistência preventiva de enfermagem. Rev enferm UERJ, 22(3):353-8, 2014. Disponível em: http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/enfermagemuerj/article/view/13724>. Acesso em: 13/12/2017.

BAVARESCO, T.; MEDEIROS, H.R.; LUCENA, F.A. Implantação da Escala de Braden em uma unidade de terapia intensiva de um hospital universitário. Rev Gaúcha Enferm, 32(4):703-10, 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rgenf/v32n4/v32n4a10.pdf>. Acesso em: 15/12/2017.

BRAQUEHAIS, A.R.; DALLAROSA, F.S. Conhecimento dos Enfermeiros Acerca da Prevenção de Lesões por Pressão em Unidade de Terapia Intensiva. Rev Enferm UFPI, 5(4):13-8, 2016. Disponível em: <http://www.ojs.ufpi.br/index.php/reufpi/article/view/5426>. Acesso em 08/12/2017.

BERLOWITZ, D. Epidemiology, pathogenesis and risk of pressure ulcers. Up To Date; 2016. Disponível em: <http://www.uptodate.com/contents/epidemiology-pathogenesis-and-risk-assessment-of-pressure-ulcers>. Acesso em: 02/12/2017.

COSTA, G.I.; CALIRI, L.H.M. Validade preditiva da escala de Braden para pacientes de terapia intensiva. Acta Paul Enferm, 24(6):772-7, 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ape/v24n6/a07v24n6.pdf>. Acesso em: 15/12/2017.

DANTAS, A.L.M.; ARAÚJO, J.D.B.; FERREIRA, P.C.; VALENÇA, C.N.; DINIZ, K.D.; LIRA, A.L.B.C. Prevenção de úlcera por pressão segundo a perspectiva do enfermeiro intensivista. Rev Enferm UFPE on line, 7(1):706-12, 2013. Disponível em:

<http://www.repositorio.ufc.br/bitstream/riufc/7183/1/2013_art_albclira1.pdf>. Acesso em 02/12/2017.

GOMES, L.S.F.; BASTOS, R.A.M.; MATOZINHOS, P.F.; TEMPONI, R.H.; MELÉNDEZ, V.G. Avaliação de risco para úlcera por pressão em pacientes críticos. Rev Esc Enferm USP, 45(2):313-18, 2011. Disponível em:<http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v45n2/v45n2a01.pdf>. Acesso em: 12/12/2017.

GOMES, L.S.F.; BASTOS, R.A.M.; MATOZINHOS, P.F.; TEMPONI, R.H.; MELENDEZ, V.G. Fatores associados à úlcera por pressão em pacientes internados nos Centros de Terapia Intensiva de Adultos. Rev Esc Enferm USP, 44(4):1070-6, 2010. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v44n4/31.pdf>. Acesso em 15/12/2017.

LIMA, A.F.C.; CASTILHO, V. Body mobilization for prevention of pressure ulcers:direct labor costs. Rev Bras Enferm, 68(5):647-52, 2015. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/reben/v68n5/0034-7167-reben-68-05-0930.pdf>. Acesso em: 17/12/2017.

MENDES, S.D.K.; SILVEIRA, C.C.R.P.; GALVÃO, M.C. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto & Contexto Enferm, 17(4): 758-64, 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/tce/v17n4/18.pdf>. Acesso em 23/12/2017.

MENEGON, B.D.; BERCINI, R.R.; SANTOS, T.C.; LUCENA, F.A.; PEREIRA, S.G.A.; SCAIN, F.S. Análises das subescalas de Braden como indicativos de risco para úlcera por pressão. Texto Contexto Enferm, 21(4):854-61, 2012. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/tce/v21n4/16.pdf>. Acesso em: 28/12/2017

MORITA, S.P.B.A.; POVEDA, B.V.; SANTOS, J.M.; MARCELINO, L.A. Conhecimento dos enfermeiros acerca dos instrumentos de avaliação de risco para úlcera por pressão. Reenvap, 02: p.09-23, 2012. Disponível em: <http://publicacoes.fatea.br/index.php/reenvap/article/view/1821/1343>. Acesso em: 02/12/2017.

NATIONAL PRESSURE ULCER ADVISORY PANEL. 2016 [Acesso em 10 maio 2017]. Disponível em: http:www.npuap.org.

ROGENSKI, B.M.N.; KURCGANT, P. Incidência de úlceras por pressão após a implementação de um protocolo de prevenção. Rev Latino-Am Enfermagem, 20(2):[07telas], 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ape/v25n1/v25n1a05.pdf>. Acesso em: 04/12/2017.

SERPA, F.L.; SANTOS, G.C.L.V.; CAMPANILI, F.G.C.T.; QUEIROZ, M. Validade preditiva da escala de Braden para o risco de desenvolvimento de úlcera por pressão em pacientes críticos. Rev. Latino-Am Enfermagem, 19(1):[08 telas], 2011. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rlae/v19n1/pt_08.pdf>. Acesso em: 04/12/2017.

SILVA, L.N.W.E.; ARAÚJO, A.R.; OLIVEIRA, C.E.; FALCÃO, L.F.T.V. Aplicabilidade do protocolo de prevenção de úlcera de pressão em unidade de terapia intensiva. Rev Bras Ter Intensiva, 22(2):175-185, 2010. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbti/v22n2/a12v22n2.pdf>. Acesso em: 20/12/2017.

SILVA, V.R.M.; DICK, M.R.N.; MARTINI, C.A. Incidência de úlcera por pressão como indicador de qualidade na assistência de enfermagem. Rev Enferm UFSM, 2(2):339-346, 2012. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.5902/217976925238>. Acesso em 17/12/2017.

SIMÃO, F.M.C.; CALIRI, L.H.M.; SANTOS, B.C. Concordância entre enfermeiros quanto ao risco dos pacientes para úlcera por pressão. Acta Paul Enferm, 26(1):30-5, 2013. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/ape/v26n1/06.pdf>. Acesso em 05/12/2017

URSI, S.E.; GALVÃO, M.C. Ocorrência de úlcera por pressão em pacientes submetidos a cirurgias eletivas. Acta Paul Enferm, 25(5):653-9, 2012. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/ape/v25n5/aop2112.pdf>. Acesso em 05/12/2017.

VALENÇA, P.M.; LIMA, O.P.; PEREIRA, M.M.; SANTOS, B.R. Percepção dos enfermeiros sobre a prevenção das úlceras por pressão em um hospital escola da cidade de Recife. Rev Enferm UFPE on line, 4(2):673-82, 2010. Disponível em: <10.5205/reuol.852-7202-1-LE.0402201028>. Acesso em: 11/12/2017.

VOCCI, C.M.; TOSO, R.M.L.; FONTES, B.M.C. Aplicação da Escala de Braden em unidade de terapia intensiva pediátrica. Rev enferm UFPE on line, 11(1):165-72, 2017. Disponível em: <10.5205/reuol.9978-88449-6-1101201720>. Acesso em: 28/12/2017.

ZAMBONATO, B.P.; ASSIS, M.C.S.; BEGHETTO, M.G. Associação das sub-escalas de Braden com o risco do desenvolvimento de úlcera por pressão. Rev Gaúcha Enferm, 34(1):21-28, 2013. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rgenf/v34n2/v34n2a03.pdf>. Acesso em: 27/12/2017.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)