Avaliação do conhecimento enfermeiros atuantes em unidade de terapia intensiva sobre monitorização hemodinâmica

Main Article Content

João Victor Batista Cabral
Willaine Balbino de Santana Silva
Raphaelle Rodrigues Soares de Farias

Resumo

O enfermeiro que trabalha em UTI deve dispor de conhecimento técnico-científico sobre monitorização hemodinâmica, pois é de sua responsabilidade garantir que os parâmetros monitorizados sejam fidedignos, e a partir destes avaliar criticamente o estado do doente. Este estudo teve como objetivo avaliar o conhecimento dos enfermeiros atuantes em UTI sobre monitorização hemodinâmica. Trata-se de um estudo transversal descritivo-exploratório de abordagem quantitativa, realizado em um hospital público de alta complexidade localizado na cidade de Caruaru/PE. Verificou-se que os enfermeiros se consideram aptos à realização de qualquer tipo de monitorização, sendo a não invasiva a mais utilizada. Foi apontado que seu principal uso é para fins diagnósticos, terapêuticos e prognósticos e que a monitorização precisa ser somada ao exame físico. Conclui-se que o conhecimento dos enfermeiros sobre monitorização hemodinâmica em UTI é satisfatório, apresentando acertos para a maioria dos itens avaliados quanto à aptidão, utilidade e sua associação com o exame físico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Cabral, J. V. B., Silva, W. B. de S., & de Farias, R. R. S. (2021). Avaliação do conhecimento enfermeiros atuantes em unidade de terapia intensiva sobre monitorização hemodinâmica. Revista Brasileira Multidisciplinar, 24(3). Recuperado de https://revistarebram.com/index.php/revistauniara/article/view/783
Seção
Artigos Originais
Biografia do Autor

João Victor Batista Cabral, Centro Universitário da Vitória de Santo Antão – UNIVISA

Mestre em Ciências da Saúde (2019); Especialista em Terapia Intensiva (2015); Bacharel em Enfermagem (2013). Atualmente é Professor, Membro do Núcleo Docente Estruturante, Membro do Comitê de Ética em Pesquisa e Gerente da Clínica Escola de Saúde do Centro Universitário da Vitória de Santo Antão-UNIVISA. É Enfermeiro Plantonista na UTI Pediátrica do Hospital Correia Picanço - SES/PE.

Willaine Balbino de Santana Silva, Centro Universitário da Vitória de Santo Antão – UNIVISA

Enfermeria, egressa do Centro Universitário da Vitória de Santo Antão – UNIVISA

Raphaelle Rodrigues Soares de Farias, Centro Universitário da Vitória de Santo Antão – UNIVISA

Enfermeria, egressa do Centro Universitário da Vitória de Santo Antão – UNIVISA

Referências

ALCÂNTARA, T. F.; MARQUES, I.R. Avanços na monitorização neurológica intensiva: implicações para a enfermagem. Revista brasileira de enfermagem v. 62, n. 6, p. 894–900, 2009.

BAGGIO, M.A.; FORMAGGIO, F.M. Trabalho, cotidiano e o profissional de enfermagem: o significado do descuidado de si. Cogitare enferm v. 13, n. 1, p. 67–74, 2008. Disponível em: <http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs2/index.php/cogitare/article/view/11954/8435>.

COELHO, W. Assistência de Enfermagem na Monitorização Hemodinâmica. p. 15–26 , 2011. Disponível em: <https://www.editorasanar.com.br/images/p/Capítulo 1.pdf>.

DA SILVA, R.C.; FERREIRA, M. A. Características dos enfermeiros de uma unidade tecnológica: implicações para o cuidado de enfermagem. Revista brasileira de enfermagem v. 64, n. 1, p. 98–105 , 2011.

DIAS, F.S. et al. Hemodynamic monitoring in the intensive care unit: A Brazilian perspective. Revista Brasileira de Terapia Intensiva v. 26, n. 4, p. 360–366 , 2014.

FELICE, R.O. Influência das diferentes inclinações de cabeceiras na monitorização hemodinâmica do paciente crítico Influência das diferentes inclinações de cabeceiras na monitorização hemodinâmica do paciente crítico. UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. v. 1, p. 1–60 , 2014.

HENRIQUES CAMELO, S.H. et al. Perfil profissional de enfermeiros atuantes em unidades de terapia intensiva de um hospital de ensino. Ciencia y Enfermeria v. 19, n. 3, p. 51–62 , 2013.

PEREIRA JÚNIOR, G.A. et al. Monitorização Hemodinâmica Invasiva. Medicina (Ribeirao Preto. Online) v. 31, n. 3, p. 380 , 1998.

PIRES, D. et al. Jornada de 30 horas semanais: condição necessária para assistência de enfermagem segura e de qualidade. Enfermagem em Foco v. 1, n. 3, p. 114–118 , 2011.

SILVA, W.O. Monitorização hemodinâmica no paciente crítico. Revista Hospital Universitário Pedro Ernesto v. 12, n. 3, p. 57–65 , 2013.

VENTURI, V. et al. O papel do enfermeiro no manejo da monitorização hemodinâmica em unidade de terapia intensiva. Revista Recien - Revista Científica de Enfermagem v. 6, n. 17, p. 19 , 2016.

VIANA, R.A.P.P. et al. Perfil do enfermeiro de terapia intensiva em diferentes regiões do Brasil. Texto e Contexto Enfermagem v. 23, n. 1, p. 151–159 , 2014.