Padronização e Aplicação da Curva de Fragilidade Osmótica no Auxílio Diagnóstico de Anemias

Main Article Content

Ana Carla Caires
Miriane da Costa Gileno

Resumo

Na Curva de Fragilidade Osmótica as hemácias são submetidas a concentrações crescentes de cloreto de sódio e o percentual de hemólise é avaliado pela quantidade de hemoglobina livre em solução. Ocorre aumento da resistência globular na anemia ferropriva e talassemia, e diminuição da resistência na esferocitose hereditária e esferocitose associada às anemias hemolíticas autoimunes. Este trabalho objetivou padronizar essa curva com relação à necessidade e tempo de incubação, caracterizar curvas de pacientes anêmicos e testar sua eficiência em estudo cego, auxiliando na caracterização de anemias. Foram obtidos 4 mL de sangue total de sujeitos divididos em três grupos de pesquisa: 1) 15 indivíduos saudáveis; 2) 15 indivíduos com hemograma apresentando microcitose, esferocitose, macrocitose, hemácia em alvo, hemácias falciformes, desvio à esquerda/granulações tóxicas; 3) 10 indivíduos com hemograma alterado (estudo cego). O sangue foi pipetado em tubos com solução de cloreto de sódio a 1% e água destilada. Após centrifugação, realizou-se a leitura dos sobrenadantes em 540 nm. As curvas do grupo 1 foram realizadas sem e com incubação de 24 e 48 horas a 37°C. Na padronização, não se observou diferença nas curvas com ausência e presença de incubação. Ficou evidente a curva no caso de macrocitose, microcitose e presença de hemoglobina S; não houve alterações na curva com desvio à esquerda, granulações tóxicas e eliptócitos. Constatou-se que não existe necessidade de incubação para execução do método e é útil quando associado ao hemograma para auxílio na caracterização de anemias megaloblásticas, anemia ferropriva, presença de HbS e talassemia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Caires, A. C., & Gileno, M. da C. (2012). Padronização e Aplicação da Curva de Fragilidade Osmótica no Auxílio Diagnóstico de Anemias. Revista Brasileira Multidisciplinar - ReBraM, 15(2), 49-58. https://doi.org/10.25061/2527-2675/ReBraM/2012.v15i2.88
Seção
Artigos Originais
Biografia do Autor

Ana Carla Caires, Centro Universitário de Araraquara – Uniara.

Biomédica formada pelo Centro Universitário de Araraquara – Uniara.

Miriane da Costa Gileno, Centro Universitário de Araraquara – Uniara.

Mestre e doutora em Análises Clínicas (FCF-Unesp), professora de Hematologia Clínica e Bioquímica e Enzimologia Clínica. Curso de Biomedicina. Laboratório de Hematologia Clínica. Centro Universitário de Araraquara – Uniara.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)