Letramento e gêneros textuais: uma estratégia formativa na educação de jovens e adultos de uma escola pública de São Luís do Maranhão

Main Article Content

Manoel Cleber Sampaio Silva
Klébia Ribeiro da Costa

Resumo

As práticas de letramento mediadas por gêneros textuais podem ser trabalhadas de forma dinamizada como recurso didático para estudantes da Educação de Jovens e Adultos - EJA. Com base nessa ideia, o presente trabalho tem como objetivo descrever as práticas de letramento por meio dos gêneros textuais como estratégia formativa de alunos do ensino médio da EJA no Instituto Federal do Maranhão, Campus Monte Castelo. Teoricamente está ancorado nas ideias de Tfouni (2010), Soares (2009), Marcuschi (2003), Rojo (2005) e Freire (1989). Trata-se de uma pesquisa participante que se caracteriza por buscar o envolvimento da comunidade na análise de sua própria realidade (THIOLLENT, 1988; FONSECA, 2002). Os resultados das análises apontaram que os estudantes desconhecem, em parte, os conceitos de gênero textual e letramento, a partir disso, foi estabelecida uma relação entre os conceitos de gêneros textuais e a realidade social de cada um, sua função social como elemento de interação social, bem como a importância da linguagem e da comunicação pelo uso de diferentes gêneros textuais que circulam socialmente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Sampaio Silva, M. C., & da Costa, K. R. (2020). Letramento e gêneros textuais: uma estratégia formativa na educação de jovens e adultos de uma escola pública de São Luís do Maranhão. Revista Brasileira Multidisciplinar, 23(3). https://doi.org/10.25061/2527-2675/ReBraM/2020.v23i3.892
Seção
Artigos Originais
Biografia do Autor

Manoel Cleber Sampaio Silva, Instituto Federal do Rio Grande do Norte

Biólogo. Especialista em Práticas Assertivas em Educação

Klébia Ribeiro da Costa, Instituto Federal do Rio Grande do Norte

Professora Formadora 

Referências

BEAUGRANDE, R. Text Linguistics, Discourse Analysis, and the Discourse of Dictionaries. In: HERMANS, A. (Ed.), Les dictionnaires specialisés et l’analyse de la valeur. Louvain-la-Neuve: Peeters, 1997a, 57-74. Disponível em: Disponível em: http://www.beaugrande.com/lexiconasdiscourse.htm . Acesso em: 14 ago. 2010.

BALTAR et al. Algumas reflexões acerca dos estudos de letramento e gêneros textuais/discursivos como possibilidades para a formação do professor de língua. Work. pap. linguíst., 12(1): 87-99, Florianópolis, jan. jun., 2011.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. Trad. Maria Ermantina Galvão Gomes e Pereira. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

______. Problemas da politica de Dostoievski. Traduzido do russo por Paulo Bezerra. 2. ed. rev. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1997.

BARTON, D., HAMILTON, M. Situated Literacies: Reading and Writing in Context. London: Routledge, 2000.

BRASIL. LEI 9394, de 20/12/96 IN Diário Oficial de 23/12/96.

_______ Parâmetros Curriculares Nacionais para o ensino fundamental: Língua portuguesa. Brasília: 1997, pp.30; pp.49

BRONCKART, J. Atividades de linguagem, textos e discursos. São Paulo: EDUC-P, 1999.

BUZATO, M. K. Entre a fronteira e a periferia: linguagem e letramento na inclusão digital. Instituto de Estudos da Linguagem. Campinas: Unicamp, 2007 [Tese de doutorado]

DIONISIO, A. Gêneros Textuais e Multimodalidade. In: Acir Mário Karwoski, Beatriz Gaydeczka & Karim Siebeneicher Brito (org.). Gêneros Textuais: Reflexões e Ensino. 4.ed. São Paulo: Parábola, 2011

ERRANI, S. (org.). Letramento, discurso e trabalho docente. Ed. Horizonte, 2010. Disponível em: <http://www.cereja.org.br/pdf/20041105_Elson.pdf> Acesso em 27.06.2011.

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002. Apostila.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 47. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2013

______. A importância do Ato de Ler: três artigos que se completam. São Paulo: Cortez, 1989.

______. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo: Cortez, 2009[1981].

GARFINKEl, H; SACKS, H. (1970). On formal structures of practical action. In John C. McKinney & Edward A. Tiryakian (Eds.), Theoretical sociology: perspectives and developments (pp.338-66). New York: Appleton-Century-Crofts

GEE, J. P. Social Linguistics and Literacies: Ideology in Discourses. Londres: taylor & Francis, 2008

MACHADO, I. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In: PAIVA, A. D.et al. Gêneros Textuais e Ensino. Rio de Janeiro:Lucena,2005, pp. 19-36

KLEIMAN, A B; SANTOS MARQUES, I. B. A. letramentos e tecnologias digitais na educação profissional e tecnológica. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, [S.l.], v. 2, n. 15, p. e7514, nov. 2018. ISSN 2447-1801. Disponível em: <http://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/RBEPT/article/view/7514>. Acesso em: 26 fev. 2020.

________. Letramento e suas implicações para o ensino de lingua materna. Signo. V. 32, n.53, pp.1-25,2007

LÜCK, H. Pedagogia Interdisciplinar: Fundamentos teórico-metodológicos.3. ed Petrópolis: Vozes, 1995.

MACEDO, R. S. A etnopesquisa crítica e multireferencial nas ciências humanas e na educação. Salvador: EDUFBA, 2000

MASCIA, M. A. A. O discurso de letramento e as relações de poder: Por uma abordagem menos ilusória. Travessias, Cascavel (PR), v. 7, p.138¬153, 2013. Quadrimestral.

MEURER, J. L. & D. MOTTA-ROTH (Org.) Gêneros textuais: subsídios para o ensino da linguagem. Bauru, SP: EDUSC-Editora da Universidade Sagrado Coração, 2002

McLAREN, P. L. Culture or Canon? Critical Pedagogy and the Political of Literacy. Havard Educational Review, 58(2), 1988.

MARCUSCHI, L A. A questão dos suportes dos gêneros textuais. UFPE. Pernambuco. 2003.

MARSHALL, C.; ROSSMAM, G. Recording, managing and analyzing data. In MARSHALL, C.; ROSSMAN, G. Designing qualitative research. 2. ed. Thousand Oaks: Sage, 1995. p. 109-119.

MOSCOVICI, S. (1978). A representação social da psicanálise. Rio de Janeiro, Zahar..

MOTTA-ROTH, D. Análise crítica de gêneros: contribuições para o Ensino e a pesquisa de linguagem. D.E.L.T.A., v. 24 n 2, p. 341-383. 2. 2008

OLIVEIRA, M S, KLEIMAN, A B. (org.). Letramentos múltiplos: agentes, práticas, representações. – Natal, RN: EDUFRN - Editora da UFRN, 2008.

PAIVA, V.L.M.O. E-mail: um novo gênero digital. In: MARCUSCHI, Luiz Antônio; XAVIER, Antônio Carlos (Org.). Hipertexto e gêneros digitais. Rio de Janeiro: Lucerna , 2004, p. 68-90.

ROJO, R. Gêneros do discurso e gêneros textuais: questões teóricas e aplicadas. In: MEURER, J. L.; BONINI, A.; MOTTA-ROTH, D. (Org.). Gêneros teorias, métodos, debate. São Paulo: Parábola, 2005, p.184-207.

SAUSSURE, F. de. Curso de Linguística Geral. Trad. Antonio Chelini, José Pauylo Paes e Izidoro Blikstein. São Paulo: Cultrix, 1995.

SOARES, Magda. Letramento e Escolarização. In: RIBEIRO, Vera Masagão (Org.). Letramento no Brasil. São Paulo: Global, 2004. 287 p

________. Letramento e alfabetização: as muitas facetas*, 2003. Universidade Federal de Minas Gerais, Centro de Alfabetização, Leitura e Escrita.

SCLIAR-CABRAL, L.; SCLIAR-CABRAL, E.J. Princípios do uso do sistema alfabético na língua portuguesa do Brasil, 1998.

STREET, Brian; LEFSTEIN, Adam. Literacy: an advanced resource book. London / New York: Routledge, 2007.

TFOUNI, L. V. Letramento e Alfabetização. 9 ed. São Paulo: Cortez, 2010. 103 p.

THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Cortez & Autores Associados, 1988.

TRIVIÑOS, Augusto N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa