Preferência de Habitat de Oligochaeta (Annelida, Clitellata) em Macrófitas Aquáticas na Represa Ribeirão das Anhumas (Américo Brasiliense-Sp)

Nathalie Aparecida De Oliveira Sanches, Guilherme Rossi Gorni

Resumo


As macrófitas possuem complexidades estruturais morfológicas diferentes, oferecendo aos animais a disponibilidade de vários nichos. Esses vegetais também são um importante substrato para o desenvolvimento de perifíton, que possui grande valor nutricional e constitui um dos principais alimentos dos invertebrados aquáticos, principalmente naidídeos. Este estudo teve como objetivo verificar a diversidade da comunidade de Oligochaeta em macrófitas dos gêneros Egeria sp. e Salvinia sp., em lagoas marginais da represa do Ribeirão das Anhumas. Essas macrófitas possuem características tridimensionais distintas e hábitos diferentes, sendo a Egeria submersa fixa e a Salvinia flutuante livre. As coletas das macrófitas foram realizadas entre os meses de agosto de 2012 e abril de 2013. Das amostras vegetais foram tomadas 100 gramas de biomassa (peso úmido) de cada gênero e a remoção das plantas do ambiente foi feita com o auxílio de uma peneira com malha 0,21 mm. Entre as duas macrófitas analisadas, a Egeria sp. foi a que obteve maior diversidade, riqueza e abundância em relação à Salvinia sp. Esses resultados demonstram que as macrófitas aquáticas são importantes para o estabelecimento dos oligoquetos, fornecendo principalmente proteção e alimento, e que possivelmente a morfologia e hábito das plantas são os fatores que mais influenciam na associação da oligogauna com esses vegetais.

Palavras-chave


Oligoquetos aquáticos; Substrato vegetal; Plantas aquáticas

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, R.G.;GORNI, G. R. Naididae species (Oligochaeta) associated with submersed aquatic macrophytes in two reservoirs. São Paulo. Acta Limnologica Brasiliensia, v.19, n.4, p.407-413, 2007.

ARMENDÁRIZ, L.C. Ciclo de Vida de Dero (Aulophorus) costatus Marcus, 1944 (Tubificidae, Oligochaeta) enun cuerpo de agua com vegetation flotante en los Talas, Argentina. Gayana, v.72, n.1, p. 23-20, 2008.

BRINKHURST, R.O.; JAMIESON, B.G.M.

Aquatic Oligochaeta of the world. University of Toronto Press. 1971, 860p.

BRINKURST, R.O.; MARCHESE, M.R. 1989.

Guia para la identificación de oligoquetos acuáticos continentales de Sud y Centroamerica. Santa Fé: Asociación de ciencias naturales del litoral, 1989. 207p.

CÓ, L. M. Distribuição de oligochaeta na Represa do Lobo (Estado de São Paulo, Brasil). 1979. 169 f. Mestrado (Limnologia) – Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, São Paulo.

CÓ, L. M. Distribuição de oligochaeta na Represa do Lobo (Estado de São Paulo, Brasil). 1979. 169 f.. Mestrado (Limnologia) – Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.

CORBI, J. J. Distribuição espacial e batimétrica dos macroinvertebrados bentônicos da Represa do Ribeirão dasAnhumas ( Américo Brasiliense- SP). 2001. 75 f. Dissertação (Mestrado em Ecologia e Recursos Naturais) – Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, São Paulo.

CORBI, J. J.; TRIVINHO-STRIXINO, S. Spatial

and bathymetric distributionmacrobenthic fauna of the Ribeirão dasAnhumas reservoir (Américo Brasiliense-SP, Brasil). Acta Limnologica Brasiliensia, v.10, n.1, p. 37-47, 2002.

CORREIA, L.C.S.; TRIVINHO-STRIXINO, S

Macroinvertebrados da Rizosfera de Scirpus cubensis na lagoa do Infernão (Estação Ecológica de Jataí-SP): Estrutura e função. Acta Limnologica Brasiliensia, v.10, n.1, p. 37-47, 1998.

ESTEVES, F.A. Fundamentos de limnologia. 2 ed. Rio de Janeiro: Interciência, 1998. 602 p.

HAMMER, Ø.; HARPER, D. A.T.; RYAN P. D.

Past: Paleontological Statistics Software Package for Education and Data Analysis. Palaeontologia Electronica, E.U.A, v. 4, n. 1, p. 1-9, 2001.

HECKMAN, C.W. The Seasonal Succession of Biotic Communities in Wetlands of the Tropical Wet- and-Dry Climatic Zone: V. Aquatic Invertebrate Communities in the Pantanalof Mato Grosso, Brazil. International Rewiew of Hydrobiology, v.83, n.1, p. 31-63.

LEARNER, M.A; LOCHHEAD, G;HUGHES,

B.D. Areview of the biology of the Britishi Naididae (Oligochaeta) with emphasis on the lotic environment. Freswater biology, v.8, p. 357-375, 1978.

MARCUS, E. Sobre Oligochaeta límnicos do Brasil. Boletim da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo Zoologia.v.43, n.8, p.5-135, 1944.

PEIRÓ, D.F.; ALVES, R.G. Insetos aquáticos associados a macrófitas da região litoral da represa do Ribeirão dasAnhumas(Município de Américo Brasiliense, São Paulo, Brasil). Biota Neotropica, v. 6, n. 2, p. 1-9, 2006.

PEIRÓ, D.F; GORNI, G.R. Diferença na composição da entomofauna aquática associada a duas plantas de hábitos diferentes em um tanque de psicultura. Multiciência, v.10, p. 149-160, 2010.

POTT, V.J.; POTT, A. Plantas aquáticas do Pantanal. Embrapa, 2000.353 p

RIGHI, G. 1984. Manual de identificação de invertebrados límnicos do Brasil. CNpq/ Coordenação Editorial. 48p.

ROSINE, W.N. The Distribution of invertebrates on submerged aquatic plant surfaces in Muskee Lake, Colorado. Ecology, v. 36, n. 2, p.308-314, 1955.

SALCEDO, A.K.M. Riqueza e densidade de macroinvertebrados aquáticos associados às macrófitas aquáticas nos lagos de várzea Januacá (AM) e Grande de Curuaí (PA) da Amazônia Central Brasileira. 2011. 102 p. Tese de Doutorado (Programa de Pós-Graduação em Ecologia) – Instituto de Ciências Biológicas – Departamento de Ecologia – Universidade de Brasília. Brasília, Distrito Federal.

TRIVINHO-STRIXINO, S.; CORREIA, L.C.S.;

SONODA, K. Phytophilous Chironomidae (Diptera) and other macroinvertebrates in the ox- bow Infernão Lake (Jataí Ecological Station, Luiz Antônio, SP, Brazil). Revista Brasileira de Biologia, v.60, n.3, p.527-535, 2000.




DOI: https://doi.org/10.25061/2527-2675/ReBraM/2014.v17i1.16

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Brasileira Multidisciplinar-ReBraM (e-ISSN: 2527-2675)

Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / Brasil / CEP 14801-340