Indicadores higiênicos sanitários em queijos do tipo minas frescal na cidade de Uberlândia-MG

Main Article Content

Helisângela de Almeida Silva
Ana Carolina Marques Ferreira

Resumo

O queijo tipo Minas Frescal se enquadra em um dos mais consumidos, devido ao custo benefício oferecido aos consumidores. Levando em consideração o alto consumo na região e o elevado risco de contaminação do mesmo foi realizado o presente estudo a fim de analisar os produtos que estão dispostos à venda e identificar se há diferenças na qualidade microbiológica entre os queijos de produção artesanal e os de produção industrial. Foram analisadas 10 amostras de queijo minas frescal na cidade de Uberlândia-MG, sendo que 5 eram de  produção artesanal e as outras 5 de produção industrial. Para a análise, foram realizadas as contagens de mesófilos, Staphylococcus coagulase positiva, coliformes totais e termotolerantes, avaliação da presença de Salmonella spp. e identificação de bactérias da família Enterobacteriaceae. De um modo geral, as amostras de produção industrial tiveram resultados melhores que o outro grupo, pois todas de produção artesanal estavam inadequadas em relação aos mesófilos. Além disso,  três amostras deste grupo estavam com Coliformes a 45ºC e duas com Staphylococcus coagulaspositivo acima do que é preconizado e uma com a presença de Salmonella spp. As principais bactérias encontradas foram: Serratia spp.,  Hafnia spp., Enterobacter spp. e Klebsiella. Das amostras envolvidas no estudo 90% estavam inapropriadas para o consumo, sendo que a única amostra adequada é de produção industrial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Silva, H. de A., & Ferreira, A. C. M. (2021). Indicadores higiênicos sanitários em queijos do tipo minas frescal na cidade de Uberlândia-MG. Revista Brasileira Multidisciplinar, 24(1). https://doi.org/10.25061/2527-2675/ReBraM/2021.v24i1.891
Seção
Artigos Originais
Biografia do Autor

Helisângela de Almeida Silva, Universidade Federal de Uberlândia

Instituto de Ciências Biomédicas- Departamento de Microbiologia

Ana Carolina Marques Ferreira, Universidade Federal de Uberlândia

Curso de Nutriçã- Faculdade de Medicina.

Referências

APOLINÁRIO, T. C. C. et al. Avaliação da qualidade microbiológica do queijo minas frescal produzidos por laticínios do estado de Minas Gerais. Revista Instituto de Laticínios Cândido Tostes, Juiz de Fora, v. 69, n. 6, p. 433-442, 2014.

BARROS, P. C. O. G.; NOGUEIRA, L. C.; RODRIGUEZ, E. M.; CHIAPPINI, C. C. J. Avaliação da qualidade microbiológica do queijo Minas Frescal comercializado no município do rio de janeiro, RJ. Revista Higiene Alimentar, São Paulo, v.18, n. 122, p. 57-60. 2004.

BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução RDC nº 12, de 02 de janeiro de 2001. Aprova o Regulamento Técnico sobre Padrões Microbiológicos para Alimentos. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 10 jan. 2001.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Manual integrado de vigilância, prevenção e controle de doenças transmitidas por alimentos. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2010.

FEITOSA, T. et al. Pesquisa de Salmonella sp., Listeria sp. e microrganismos indicadores higiênico-sanitários em queijos produzidos no estado do Rio Grande do Norte. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, n. 23, p. 162-165, 2003.

FILHO, R. F.; TEIXEIRA, F. S. Avaliação do potencial biotecnológico de pigmentos produzidos por bactérias do gênero Serratia isoladas de substratos amazônicos. 1ª Edição: Duque de Caxias, Espaço Científico Livre, 2013.

FOOD AND DRUG ADMINISTRATION (FDA/CFSAN). Foodborne pathogenic microorganisms and natural toxins handbook “bad bug book”. Food and Drug Administration. Center for Food Safety e Applied Nutrition, December, 2005.

GARCIA, E. P. et al. Qualidade microbiológica de queijo minas frescal e ricota comercializados na região metropolitana de Campinas-SP. Revista Higiene alimentar, São Paulo, v. 31, n. 264-264, p. 132-137, 2017.

KOMATSU, R. S. et al. Ocorrência de Staphylococcus coagulase positiva em queijos minas frescal produzidos em Uberlândia-MG. Biosci. J., Uberlândia, v. 26, n. 2, p. 316-321, 2010.

MACEDO, A. T. et al. Intoxicação por Clostridium botulinum, Víbrio cholerae e Salmonella typhi no Brasil. Revista Ceuma Perspectivas, São Luis, v. 30, n. 2525-5576, p. 180-192, 2017.

MARQUES, S. F. Análise microbiológica e incidência de amido em queijos ralado. Revista Higiene Alimentar, São Paulo, v.30, n.256-257, p. 100-104, 2016.

MORTON, R. D. Aerobic Plate Count. In: DOWNES, FP; ITO, K, editors. Compendium of methods for the microbiological examination of foods. 4ª ed. Washington, D.C.: APHA; 2001. p. 63-67.

MOTTIN, V. D. et al. Quantificação e correlações de parâmetros microbiológicos em queijos minas frescal no Sudoeste da Bahia. Revista Arquivos de Ciências Veterinárias e Zoologia, Umuarama, v. 19, n. 3, p. 137-142, 2016.

MOUTA, R. M. et al. Qualidade microbiológica do sushi comercializado na cidade de Sobral-CE. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, Três Corações, v. 12, n. 2, p. 277-284, 2014.

NETO, J. P. Ocorrência de aeróbios Mesófilos, Coliformes e Salmonella spp. em ovos comerciais higienizados por diferentes métodos. 2016. 55 p. Dissertação (Mestrado Profissional em Ciência e Tecnologia de Alimentos) – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo, Uberaba, 2016.

OKORO, C. K. et al. Signatures of Adaptation in Human Invasive Salmonella Typhimurium ST313 Populations from Sub-Saharan Africa. Revista PLOS Neglected Tropical Diseases, p.1-9, 2015.

OKURA, M. H.; MOACIR, J. Avaliações das condições higiênico-sanitárias de queijo minas frescal produzido com leite cru, leite pasteurizado e de queijo temperado em alguns municípios do triângulo mineiro. Revista Do Instituto de Latícinios Cândido Tostes, Juiz de Fora, n. 375, v. 65, p. 33-42, 2010.

OLIVEIRA, A. M. et al. Condições higiênico sanitárias da produção. Revista Instituto de Laticínios Cândido Tostes, Juiz de Fora, n.1, v. 72, p. 40-47, 2017.

SENGER, A. E.; BIZANI, D. Pesquisa de Staphylococcus aureus em queijo minas frescal produzido de forma artesanal e industrial, comercializado na cidade de Canoas-RS. Revista de Ciências Ambientais, Canoas, v. 5, n. 2, p. 25-42, 2011.

PEDROSA, F. R. V. Pesquisa de Salmonella spp. em queijos meia-cura obtidos em feiras livres em São Paulo. 2010. 62p. Dissertação (Mestrado em Epidemiologia Experimental Aplicada às Zoonoses da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia) – Universidade de São Paulo, 2010.

SOUZA, I, A. et al. Qualidade microbiológica de queijo minas frescal. Revista do Instituto Laticínios Cândido Tostes, Juiz de Fora, v. 72, n. 3, p. 152-162, 2017.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)