Levantamento do uso e preparo de plantas medicinais pelos moradores da cidade de Bandeirante - SC

Main Article Content

Priscila Oliboni
Flávia Cristina Sossae
José Maria Gusman Ferraz
Maria Lucia Ribeiro
Zildo Gallo
Marcelo Nivert Schlindwein

Resumo

O uso de plantas medicinais na recuperação da saúde tem evoluído ao longo do tempo, utilizadas pelo homem primitivo, até as mais sofisticadas formas tecnológicas adotadas pelo homem moderno. Representam uma importante ferramenta na promoção da saúde em muitas regiões do Brasil, e veem sendo investigadas também no estado de Santa Catarina.  O presente trabalho teve como finalidade realizar um levantamento das plantas e o seu  uso medicinal, junto aos moradores do município de Bandeirante-SC. Durante o período de janeiro a julho de 2019, uma amostra de 40 pessoas foram entrevistadas,  escolhidas pela técnica conhecida como bola de neve (snowball sampling), utilizando um roteiro de  entrevista  estruturado, com questões abertas e fechadas, que abordou dados referentes às características pessoais como idade, escolaridade, tempo de residência no município e a utilização das plantas como remédio pelos moradores.  Os entrevistados mencionaram 40 espécies distribuídas em 18 famílias e Lamiaceae (11), Asteraceae (09) foram as que apresentaram maior número de espécies.  As plantas mais mencionadas como Gervão (Stachytarpheta cayennensis), Cavalinha (Equisetum hiemale), Mentinha (Hyptis atrorubens), Quebra Pedra (Phyllanthus niruri), Cancorosa (Maytenus ilicifolia), Macela (Egletes viscosa), Anador (Justiciapectoralis  sp), Carqueja (Baccharis trimera)  e  Guaco (Mikania glomerata) são nativas do Brasil.  Destas plantas Baccharis trimera, Maytenus ilicifolia e Mikania glomerata compõem a Relação Nacional de Medicamentos Essenciais (RENAME), sendo as folhas indicadas para uso. Quanto à transmissão dos conhecimentos e uso das plantas verificamos que ocorre através de  rodas de conversas  juntamente com o uso de outra planta medicinal, o Ilex paraguariensis que é utilizada no chimarrão. A multiplicidade de usos de algumas das espécies mencionadas demonstra o etnoconhecimento da população, o que resulta no registro desse conhecimento , adquirido no contato direto com o ambiente em que vivem, relevante contribuição   para  a preservação da biodiviersidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Oliboni, P., Sossae, F. C., Ferraz, J. M. G., Ribeiro, M. L. ., Gallo, Z., & Schlindwein , M. N. (2022). Levantamento do uso e preparo de plantas medicinais pelos moradores da cidade de Bandeirante - SC. Revista Brasileira Multidisciplinar, 25(1). Recuperado de https://revistarebram.com/index.php/revistauniara/article/view/1362
Seção
Artigos Originais
Biografia do Autor

Priscila Oliboni, (UNIARA) Araraquara, São Paulo, Brasil

Mestre em Desenvolvimento Territorial  e Meio Ambiente pela Universidade de Araraquara 

Flávia Cristina Sossae, Universidade de Araraquara (UNIARA) Araraquara, São Paulo, Brasil. 

Docente e Pesquisador do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Territorial  e Meio Ambiente da 

José Maria Gusman Ferraz, Universidade de Araraquara (UNIARA) Araraquara, São Paulo, Brasil

Docente e Pesquisador do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Territorial  e Meio Ambiente 

Maria Lucia Ribeiro, Universidade de Araraquara (UNIARA) Araraquara, São Paulo, Brasil

Docente e Pesquisador do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Territorial  e Meio Ambiente  

Zildo Gallo, Universidade de Araraquara (UNIARA) Araraquara, São Paulo, Brasil

Docentes e Pesquisadores do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Territorial  e Meio Ambiente 

Marcelo Nivert Schlindwein , Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), Sorocaba, São Paulo, Brasil

Docente e Pesquisador 

Referências

ALONSO, A. M. Plantas medicinais para uso caseiro: produção vegetal. Apostila de Plantas Medicinais. UNESP-Jaboticabal: 50p, 2001.

ALONSO, A. M; SOSSAE, F. C. Plantas medicinais na Educação Ambiental: uma proposta transdisciplinar in Cadernos do Cescar – Educação Ambiental; Metodologias e temas socioambientais na formação de educadoras(es) ambientais (2001– 2008) – Projeto Viabilizando a Utopia (ViU) 2005–2011. Org. SANTOS, Silvia Aparecida Martins; OLIVEIRA, Haydée Torres; DOMINGUEZ, Isabel Georgina Patronis; KUNIEDA; Edna. – São Carlos Gráfica e Editora Futura, 2011.

ALBUQUERQUE, U.P. Referências para o estudo da etnobotânica dos descendentes culturais do africano no Brasil. Acta Farmacéutica Bonaerense, v.18, n.4, p.299-306, 1999.

ALMANAQUE BRASIL SOCIOAMBIENTAL, São Paulo: Takano Editora Gráfica, 2005. 479p.

ALMEIDA, J. R. G. da S. et al. Uso de plantas medicinais em uma unidade de saúde da família no município de Juazeiro-BA. Revista Interfaces Científicas - Saúde e Ambiente, v.01, n.01, p. 9-18, 2012.

AMOROZO, M. C. M. Uso e diversidade de plantas medicinais em Santo Antônio do Leverger, MT, Brasil. Acta Botanica Brasilica, v.16, n.2, p.189-203, 2002

AMOROZO, M.C.M.; GÉLY, A. Uso de plantas medicinais por caboclos do Baixo Amazonas, Barcarena, Pará, Brasil. Bol. Mus. Paraense Emílio Goeldi, sér. Bot., v. 4, n. 1, p.47-131, 1988.

ANKLI, A.; STICHER, O.; HEINRICH, M. Medical Ethonobotany of the Yucatec Maya: healers consensus as a quantitative criterion. Economic Botany v.53, n.2, p.144-160. 1999.

ARNOUS, A. H. et al. Plantas Medicinais de uso Caseiro - Conhecimento Popular e Interesse por Cultivo Comunitário. Revista Espaço para a Saúde, Londrina, v.6, n.2, p.1-6, jun. 2005.

BANDEIRANTE. Disponível em: https://www.bandeirante.sc.gov.br/cms/pagina/ver/codMapaItem/9648. Acesso em: 17/12/2018.

BRASILEIRO, B.G. et al. Plantas medicinais utilizadas pela população atendida no programa de saúde da família de Governador Valadares-MG Brasil. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas, v.44, n.4, p.629-636, 2008.

BORGES, K.B.; BAUTISTA, H.B.; GUILERA, S. Diabetes - utilização de plantas medicinais como forma opcional de tratamento. Revista Eletrônica de Farmácia, v.5, n.2, p.12-20, 2008.

CRONQUIST, A. An integraded system of classification of flowering plants. New York: Columbia University Press, 555p., 1981.

DIEGUES, A. C.. Etnoconservação da Natureza: Enfoques Alternativos. p. 1-46. In: Diegues, A.C. (org.). Etnoconservação: novos rumos para a proteção da natureza nos trópicos. NAPAUB, São Paulo. 2000

FARIA, C. O. P. A. O Uso de Plantas Medicinais em Juscimeira e Rondonópolis Mato Grosso: Um Estudo Etnoecológico. 1998, 168 F. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Ciências Biolóogicas, Curso de Ecologia e Conservação da Biodiversidade), Instituto de Biociências, Universidade Federal do Mato Grosso, Cuiabá-MT, novembro/1998.

GOULARTE, J.; QUEVEDO DOS SANTOS, N.; DAHLEM ZIECH, A. R. Plantas medicinais: cultivo e conhecimento pela população urbana de Santa Helena/PR. Revista Brasileira Multidisciplinar, [S. l.], v. 24, n. 1, p. 89-102, 2021. DOI: 10.25061/2527-2675/ReBraM/2021.v24i1.932. Disponível em: https://revistarebram.com/index.php/revistauniara/article/view/932. Acesso em: 03 nov. 2021.

HANAZAKI, N. et al. Ethnobotany of rural people from the boundaries of Carlos Botelho State Park, São Paulo State, Brazil. Acta Botanica Brasilica, v.20, n. 4, p.899-909, 2006.

KOTTAK, C.P. Antropologia - una exploración de la diversidad humana con temas de la cultura hispana. 6ª ed. Madrid, Mc Graw-Hill, 1994 in MEDEIROS, M.F.T.; FONSECA, V.S.; Andreata, R.H.P. Plantas medicinais e seus usos pelos sitiantes da Reserva Rio das Pedras, Mangaratiba, RJ, Brasil. Acta Bot. Bras., São Paulo, v.18, n.2, abril/junho, 2004.

KUMAR B.M.; NAIR P.K.R. The enigma of tropical homegardens. Agroforest Systems, v.61, p.135-152, 2004.

LADEIRA, A.M. Plantas medicinais com óleos essências. São Paulo. Instituto de Botânica. 40p. 2002.

LORENZI, H.; MATOS, F. J. A. Plantas medicinais no Brasil: nativas e exóticas. 2. ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 544 p. 2008.

MACEDO, M.; CARVALHO, J.M.K.; NOGUEIRA, F.L. Plantas medicinais e ornamentais da área de aproveitamento múltiplo de Manso, Chapada dos Guimarães, Mato Grosso. Cuiabá: Ed. da UFMT, 188p. 2002.

MACHADO, L.H.B. As representações entremeadas no comércio de plantas medicinais em Goiânia/GO: uma reflexão geográfica. Sociedade & Natureza, v.21, n.1, p.159-172, 2009.

MEDEIROS, M. F. T.; et al. Plantas medicinais e seus usos pelos sitiantes da Reserva Rio das Pedras, Mangaratiba, RJ, Brasil. Acta bot. bras. v.18, n.2. p; 391-399, 2004.

MERÉTIKA, A. H.C.; PERONI, N.;HANAZAKI, N. Local knowledge of medicinal plants in three artisanal fi shing communities (Itapoá, Southern Brazil), according to gender, age, and urbanization. Acta Botanica Brasilica, v. 24, n. 2, p.386-394, 2010.

MING, L.C.; FERREIRA, M.I.; GONCALVES, G.G.. Pesquisas agronômicas das plantas medicinais da Mata Atlântica regulamentadas pela ANVISA. Rev. bras. plantas med., Botucatu , v. 14, n. spe, p. 131-137, 2012 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-05722012000500001&lng=en&nrm=iso>. access on 02 Mar. 2020. https://doi.org/10.1590/S1516-05722012000500001.

PASA, M.C.; SOARES, J.N. ; GUARIM-NETO, G. Estudo etnobotânico na comunidade de Conceição-Açu (alto da bacia do rio Aricá Açu, MT, Brasil). Acta Botanica Brasilica, v.17, n.19, p.195-207, 2005.

PINTO, E. P. P.; AMOROZO; M. C. M.; FURLAN, A. Conhecimento popular sobre plantas medicinais em comunidades rurais de mata atlântica – Itacaré, BA, Brasil. Acta bot. bras. 20(4): 751-762. 2006.

RENAME. Relação Nacional de Medicamentos Essenciais. MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Brasília – DF 2018.

RODRIGUES, G. E. V.; CARVALHO, A. D. Plantas Medicinais no Domínio dos Cerrados. 1. ed. Lavras, MG; UFLA, Editora UFLA;180p. 2001.

RODRIGUES, Z. E.; TOWERS, G.H.N.; MITCHELL, J.C. Biological activities of sesquiterpenes lactones. Phytochemyistry, v.15, p.1573-80, 1979.

ROSA, C.; CÂMARA, S.G.; BÉRIA, J.U. Representações e intenção de uso da fitoterapia na atenção básica à saúde. Ciências & Saúde Coletiva, v, 16, n. 1, p. 311 – 318, 2011.

SANTOS, A.C.B. et al. Levantamento etnobotânico, químico e farmacológico de espécies de Apocynaceae Juss. ocorrentes no Brasil. Rev. Bras. Pl. Med., Campinas, v.15, n.3, p.442-458, 2013.

SPREEN, Marinus. Rare populations, hidden populations and link-tracing designs:what and why? Bulletin de Méthodologie Sociologique. v.36, p.34-58, 1992

VINUTO, Juliana. A Amostragem em bola de neve na pesquisa qualitativa: Um debate em aberto. Temáticas, Campinas, 22, (44): 203-220, ago/dez. 2014

ZANK, S.; HANAZAKI, N. Exploring the links between Ethnobotany, Local Therapeutic Practices, and Protected Areas in Santa Catarina Coastline, Brazil. Evidence-Based Complementary and Alternative Medicine, ID 563570, 2012.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 5 > >>