O CONTROLE DA CONTAMINAÇÃO MICROBIOLÓGICA DE PRODUTOS MAGISTRAIS

Main Article Content

Vivian Aline Mariano Mota
João Augusto Oshiro Jr
Bruna Galdorfini Chiari-Andréo

Resumo

O controle da contaminação microbiana de fórmulas magistrais, entre elas cosméticos, produtos de higiene e medicamentos, é de fundamental importância, estando relacionado com a Saúde Pública, a qualidade e a estabilidade do produto. Devido ao grande número de micro-organismos que podem estar presentes nas formulações magistrais, a contaminação deve ser evitada ao longo do processo de fabricação. Considerando a importância deste tema, este trabalho teve como objetivo a realização de uma revisão da literatura visando esclarecer pontos de importância relacionados à contaminação microbiológica de produtos magistrais. Foram utilizados artigos, dissertações e teses, além de publicações da Agência Nacional de Vigilância Sanitária datados de 2000 a 2017. Foi verificado que as fontes de contaminação são pontos críticos na fabricação dos produtos e devem ser monitorados de acordo com as Boas Práticas de Fabricação. Existe grande preocupação com a manutenção da qualidade dos produtos não estéreis, visto que o desvio de qualidade pode acarretar em grande prejuízo ao usuário incluindo o desenvolvimento de patologias severas, dependendo do estado de saúde do mesmo. A análise da formulação é realizada buscando micro-organismos que são patológicos ao homem, como Escherichia coli, Salmonella spp., Staphylococcus aureus e Pseudomonas aeruginosa. A manutenção da qualidade em produtos farmacêuticos é um grande desafio, pois, embora existam vários métodos e se tenha um vasto conhecimento na área da Microbiologia, invariavelmente surgem problemas relacionados à contaminação. A orientação teórica e prática detalhada dos métodos qualitativos e quantitativos é de absoluta necessidade para que os eventuais desvios de qualidade sejam solucionados rapidamente. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Mota, V. A. M., Oshiro Jr, J. A., & Chiari-Andréo, B. G. (2017). O CONTROLE DA CONTAMINAÇÃO MICROBIOLÓGICA DE PRODUTOS MAGISTRAIS. Revista Brasileira Multidisciplinar - ReBraM, 20(1). https://doi.org/10.25061/2527-2675/ReBraM/2017.v20i1.447
Seção
Artigos de Revisão

Referências

ALMEIDA, M. L. C. As estratégias mitigadoras do impacto da resolução 67/2007 da agência nacional de vigilância sanitária para as farmácias com manipulação. 2009. 108 páginas, Curso de Mestrado em Sistemas de Gestão da Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2009.

ALVES, A. P.; MOURA, A.; VAN NEUTGEM, E. R.; SILVA, J. M.; CUNHA, N. S.; OKA, S. K., MACHADO, S. R. P. Avaliação das boas práticas de manipulação nas farmácias com manipulação de Cuiabá e Várzea Grande. Revista Brasileira de Farmácia, v. 90, n. 1, p. 75–80, 2009.

AMARAL, F.D. Análise de riscos e pontos críticos de contaminação microbiana na manipulação de produtos e insumos farmacêuticos. Instituto de Ciência, Tecnologia e Qualidade Industrial - ICTQ. Disponível em: <http://www.lucapeconsultores.com/artigos/analise_de_risco.pdf>. Acesso em setembro de 2015.

ANDRADE, F. R. O.; SOUZA, A. A.; ARANTES, M. C. B.; de PAULA, J. R.; BARA, M. T. F. Análise Microbiológica de matérias primas e formulações farmacêuticas magistrais. Revista Eletrônica de Farmácia, v. 2, p. 38-44, 2005.

BAIRD, R. M.; HODGES, N. A.; DENYER, S. P. Handbook of Microbiological quality control - Pharmaceuticals and Medical Devices, New York: CRC Press, 2000, p. 293.

BONFILIO, R.; EMERICK, G. L.; JUNIOR, A. N.; SALGADO, H. R. N. Farmácia Magistral: Sua Importância e Perfil de Qualidade. Revista Baiana de Saúde Pública, v. 34, n. 3, p. 653-644, 2010.

BONFÍLIO, R.; SANTOS, O. M. M.; NOVAES, Z. R.; MATINATTI, A. N. F.; ARAÚJO, M. B. Controle de qualidade físico-quimico e microbiológico em 2347 amostras manipuladas em 2010 e 2011. Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada. v. 34, n. 4, p. 527-535, 2013.

BRASIL, AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Guia de Controle de Qualidade de Produtos Cosméticos, uma abordagem sobre ensaios físicos e químicos. Brasília, 2008. Disponível em: < http://www.anvisa.gov.br/cosmeticos/material/guia_cosmetico.pdf>. Acesso em: em 31 de março de 2017.

BRASIL, AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Consulta Pública No 25, de 23 de Março de 2010. D.O.U de 25/03/10. Disponível em <http://anvisa.gov.br>. Acesso em: em 31 de março de 2017.

BRASIL, AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Resolução - RDC nº 29 de 01 de junho de 2012. Disponível em < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2012/rdc0029_01_06_2012.pdf>. Acesso em: em 31 março de 2017.

BRAGA, G. K. Identificação dos riscos sanitários na manipulação de medicamentos alopáticos não estéreis em farmácia comunitária e o papel das boas práticas de manipulação no controle desses riscos. 2009. 128 páginas, Tese de doutorado em Medicamentos e Cosméticos da Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2009.

CORREIA, J. M. S.; da SILVA, R. F.; MOURA, L. L. Controle estatístico de processo para avaliar a produção de medicamentos sob a forma de cápsulas. Journal of Engineering and Technology Innovation. v.3, n. 1, p. 39-53, 2015.

CRF–SP, CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Resolução RDC No 67, de 08 de outubro de 2007. Disponível em: <http://portal.crfsp.org.br/juridico-sp-42924454/legislacao/2595-resolucao-rdc-no-67-de-08-de-outubro-de-2007-anexo.html>. Acesso em: 31 de março de 2017.

DA SILVA, L. A. G.; PASSOS, P. C.; LOPES, S. C.; ALVES, S. F.; BRANDÃO, R. Controle de qualidade microbiológico de formulação magistral contendo fitoterápico. Revista Faculdade Montes Belos (FMB). v. 7, p. 38-46, 2014.

EPSTEIN, S. P.; AHDOOT, M.; MARCUS, E.; ASBELL, P. Comparative Toxicity of Preservatives on Immortalized Corneal and Conjunctival Epithelial Cells. Journal of Ocular Pharmacology and Therapeutics. v. 25, n. 2, p. 113-119 2009.

KUMAR, V.; ABBAS, A. K.; FAUSTO, N. Robbins & Cotran: Patologia - Bases Patológicas Das Doenças. v. 1. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005, p. 367-395.

LEAL, L . B.; SILVA, M. C.; SANTANA, D. P. Preços X Qualidade e segurança de medicamentos em farmácias magistrais. Infarma. v. 19, n. 1/2, p. 28-31, 2007.

LUCENA, K. L. Qualidade microbiológica de formulações farmacêuticas de uma farmácia magistral no município de João Pessoa-PB. 2014. Folhas. 41, Monografia (Graduação) em Farmácia, Departamento de Ciências Farmacêuticas, Universidade Federal da Paraíba, Paraíba, 2014.

MACHADO, T. L. Potencial Alérgico de Conservantes Cosméticos. 2010. 28 páginas, Monografia em Farmácia da Universidade do Extremo Sul Catarinense-UNESC, Santa Catarina, 2010.

MARCATTO, A. P.; LAMIM, R.; BLOCK, L. C.; BRESOLIN, T. M. B. Análise de Cápsulas de Captopril Manipuladas Em Farmácias. Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada. v. 26, n. 3, p. 221-225, 2005.

MEDEIROS, A. C. D.; PORTO, K. L.; PAIVA, A. V. R.; PROCÓPIO, J. V. V. Análise de contaminantes microbiológicos em produtos comercializados em farmácia de manipulação. Revista de Biologia e Farmácia BioFar. v.1, n. 1, p. 1-12, 2007.

MELO, A. S. P., Planejamento e controle da produção em farmácia com manipulação: Estudo de caso em Intituição Pública. 2009. 105 páginas. Mestrado em Sistemas de Gestão. Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2009.

SHARON LABORATORIES. Misturas de Conservantes de Amplo Espectro. Disponível em <http://www.sharon-labs.com/pt/Products.aspx?iid=20&t=1>. Acesso em: 31 de março de 2017.

REVISTA COSMÉTICOS E PERFUMES. Conservantes. p. 28-52. Disponível em: <http://www.insumos.com.br/cosmeticos_e_perfumes/artigos/conservantes_n%2044.pdf>. Acesso em: 31 de março de 2017.

RODRIGUEZ, D. D. P., Microbiologia em cosméticos, Natura® Inovação e Tecnologia de Produtos, Gerência de Avaliação de Produtos. 2011. Disponível em: <http://www.eurofins.com.br/media/3534672/cosmeticos.pdf>. Acesso em: 31 de março de 2017.

ROSA, A. M.; CHANG, M. R.; SPOSITTO, F. L. E.; SILVA, C. G.; MYAGUSKU, L.; SVERSUT, R. A.; AMARAL, M. S.; KASSAB, N. M. Análise Microbiológica de Xampus E Cremes Condicionadores Para Uso Infantil. Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada. v. 36, n. 1, p. 43-49, 2015.

ROSENBERG, G. A. ISO 9001 Na Indústria Farmacêutica. Uma Abordagem Das Boas Práticas de Fabricação. Disponível em: www.books.google.com/books. Acesso em: 22 de março de 2017.

RUSSEL, A. D. Bacterial Adaptation and Resistance to Antiseptics, Disinfectants and Preservatives Is Not a New Phenomenon. Journal of Hospital Infection. v. 57, p. 97-104, 2004.

SALOMON, L. S. Contaminação microbiológica de produtos farmacêuticos. 2009. Folhas, 48. Especialização em Microbiologia do Instituto de Ciências Biológicas, da Universidade Federal de Minas Gerais, 2009.

SANTOS, A. L. R. Avaliação do sistema conservante em formulação com extrato hidroalcoólico de Schinus terebinthifolius Raddi–ANACARDIACEAE. 2007.112 páginas. Dissertação (Mestrado) em Ciências Farmacêuticas. Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2007.

SILVEIRA, G. P.; NOME, F.; GESSER, J. C.; SÁ, M. M. Estratégias utilizadas no combate a resistência bacteriana. Quimíca Nova. v. 29, n. 4, p. 844-855, 2006

SONI, M. G.; CARABIN, I. G.; BURDOCK G. A. Safety assessment of esters of p-hydroxibenzoic acid (parabens). Food and Chemical Toxicology. v.43, p. 985- 015, 2005.

TURATTI, K. F. M. Syzygium cumini (L.) Skeels–Jambolão: Estudo farmacognóstico, otimização do processo extrativo, determinação da atividade antimicrobiana do extrato e avaliação da atividade anti-séptica de um sabonete líquido contendo o referido extrato. 2005. 181 páginas. Dissertação apresentada ao programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas, Área de Pesquisa e Desenvolvimento de Fármacos e Medicamentos. Universidade Estadual Júlio de Mesquita Filho, Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Araraquara, 2005.

YAMAMOTO, C. H.; PINTO, T. J. A.; MEURER, V. M.; CARVALHO, A. M.; REZENDE, P. Controle de Qualidade Microbiológico de Produtos Farmacêuticos, Cosméticos E Fitoterápicos Produzidos Na Zona Da Mata. Anais Do 2o Congresso Brasileiro de Extensão Universitária. Minas Gerais, 2004.

WEBER, L. Z.; FRASSOM , A. P. Z. Controle Microbiológico Do Ambiente Interno de Farmácias de Manipulação. Revista Contexto & Saúde. v. 9, n. 17, p. 39-44, 2009.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)