Riscos ambientais: percepções dos profissionais de enfermagem em unidade de saúde básica e especializada

Main Article Content

Lucas Lima dos Santos
Silvia Tognoli Helena Helena
Angela Aparecida Costa
Cibele Correa Semeão Binotto
Juice Ishie Macedo
Tatiane Bonametti Veiga
Aline Natália Domingues
Adriana Aparecida Mendes

Resumo

O objetivo deste estudo foi levantar o conhecimento dos profissionais de enfermagem sobre riscos ambientais presentes no local de trabalho. Trata-se de uma pesquisa de campo, de caráter exploratório e descritivo de abordagem quantitativa realizada em uma unidade de saúde básica e especializada no interior do Estado de São Paulo. Para a coleta de dados foi utilizado um roteiro com questões estruturadas e semiestruturadas para os profissionais de enfermagem, no qual participaram do estudo 21 profissionais. Os resultados obtidos foram agrupados e avaliados por meio da estatística descritiva, que revelaram segundo relato dos profissionais que há diferentes tipos de riscos no ambiente laboral investigado, sejam biológicos, químicos, físicos e ergonômicos que podem interferir no desempenho do profissional em suas práticas assistenciais cotidianas. Conclui-se que devido a característica da instituição de saúde, a atenção dos profissionais e percepção voltou-se para o risco ambiental no seguimento biológico, representado por vírus, bactérias e bacilos, o que está diretamente relacionado as características dos pacientes assistidos no qual recebem tratamento para doenças transmissíveis.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Santos, L. L. dos, Helena, S. T. H., Costa, A. A., Binotto, C. C. S., Macedo, J. I., Veiga, T. B., Domingues, A. N., & Mendes, A. A. (2020). Riscos ambientais: percepções dos profissionais de enfermagem em unidade de saúde básica e especializada. Revista Brasileira Multidisciplinar, 23(2Supl.). https://doi.org/10.25061/2527-2675/ReBraM/2020.v23i2Supl.766
Seção
Artigos Originais

Referências

ATTANASIO JUNIOR, M. R. Teoria crítica e direito ambiental. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2012. Disponível em:< www.teses.usp.br./teses/disponiveis/2/2139/tde-07062013-142406/pt-br.php>. Acesso em: 15 fev. 2015.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Portaria nº 3.214, 08 de junho de 1978. Aprova as Normas Regulamentadoras - NR- do Capítulo V, Título II, da Consolidação das Leis do Trabalho, relativas à Segurança e Medicina do Trabalho. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 06 de julho de 1978.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Subsídios para construção da Política Nacional de Saúde Ambiental. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2007 (Série B. Textos Básicos de Saúde).

BRASIL. Ministério da Saúde. Manual de estrutura física das unidades básicas de saúde. Brasília, 2008.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Portaria nº 1.892, de 09 de dezembro de 2013. Aprova o texto da Norma Regulamentadora nº 7 do Ministério do Trabalho e Emprego. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 11 de dezembro de 2013.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Portaria nº 1471, de 24 de setembro de 2014. Aprova o texto da Norma Regulamentadora nº 9 do Ministério do Trabalho e Emprego. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 25 de setembro de 2014.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Portaria nº1.297 de 13 de agosto de 2014. Aprova o texto da norma regulamentadora nº 15 do Ministério do Trabalho e emprego. Diário oficial da união, Brasília. DF, 14 de agosto de 2014.

BRASIL. Lei nº 8.080/90. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. 1990.

BRASIL. Manual técnico: Promoção na saúde e prevenção de riscos e doenças na saúde suplementar. 2º edição, Rio de Janeiro, 2007. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/promocao_saude_prevencao_riscos_doencas.pdf > Acesso em: 20 nov. 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

BRASIL. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012.

CANINI, S.R.M.S.; et al. Acidentes perfurocortantes entre trabalhadores de enfermagem de um hospital universitário do interior paulista. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 2, n. 10, p. 172-178, mar./abr. 2002.

CHIODI, M. B.; MARZIALE, M.E.P. Riscos ocupacionais para trabalhadores de unidades básicas de saúde: Revisão bibliográfica. Jardinópolis SP, Universidade de São Paulo, 2006. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/ape/v19n2/a14v19n2.pdf > Acesso em: 24 set. 2019.

CESAR, E.S.; MARZIALE, M.H.P. Problemas de violência ocupacional em um serviço de urgência hospitalar da Cidade de Londrina, Paraná, Brasil. Paraná, Universidade norte do Paraná, 2006. Disponível em: . Acesso em: 04 nov. 2015.

DUARTE, S. N.; MAURO, M. Y. C. Análise dos fatores de riscos ocupacionais do trabalho de enfermagem sob a ótica dos enfermeiros. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional. São Paulo, v. 35, n.121 p.157-167., 2010. Disponível em: < www.scielo.br/pdf/rbso/v35n121/17.pdf > Acesso em: 04 nov. 2010.

DEJOURS, C. A loucura do trabalho: estudo de psicopatologia do trabalho. 5. ed. São Paulo: Cortez, 1992.

LAVILLE, C.; DIONNE, J. A construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999.

LEITÃO, I.M.T.A.; FERNANDES, A.L. RAMOS, I.C. Saúde ocupacional: Analisando os riscos relacionados à equipe de enfermagem numa unidade de terapia intensiva. Fortaleza-se. Ciência Cuidado e Saúde, 2008. Disponível em: < <https://doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v7i4.6630> Acesso em: 24 set. 2019.

MALAGUTI, S.E. et al. Enfermeiros com cargos de chefia e medidas preventivas à exposição ocupacional: Facilidades e barreiras. Revista da Escola de enfermagem da USP, São Paulo, v. 42, n. 3, p. 496-503. 2008. Disponível em: < www.scielo.br/pdf/reeusp/v42n3/v42n3a11 >. Acesso em: 04 nov. 2015.

MARZIALE, M. H. P. et al. Influência organizacional na ocorrência de acidentes de trabalho com exposição a material biológico. Revista Latino Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 21, n. especial, p. 199-206, jan./fev. 2013.

MENDES, R. Patologia do trabalho: Atualizada e ampliada. São Paulo: Atheneu, 2005.

SOERENSEN, A. A. et al. Atendimento Pré-Hospitalar Móvel: Fatores de Riscos Ocupacionais. Revista Enfermagem UERJ, Rio de Janeiro, v. 16, n. 2, p. 187-192, 2008.

SILVA, G.S. et al. Conhecimento e utilização de medidas de precaução padrão por profissionais de saúde. Revista de enfermagem da escola de enfermagem Anna Nery, Rio de Janeiro, v. 16, n. 1, p. 103-110, jan./mar. 2012. Disponível em: < www.scielo.br/pdf/ean/v16n1/v16n1a14.pdf>. Acesso em: 05 nov. 2015.

TAKEDA, E. Riscos ocupacionais, acidentes de trabalho e morbidade entre motoristas de uma central de ambulâncias do estado de São Paulo. 2002. 177 f. Tese (Doutorado) - Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2002.

VIEIRA, M.; PADILHA, M. I.; PINHEIRO, R. D. C. Análise dos acidentes com material biológico em trabalhadores da saúde. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 19, n. 2, p. 332-339, mar./abr. 2011.

WILKINSON, J. M. LEUVEN, K. V. Fundamentos de Enfermagem: Pensando e fazendo. Volume 2. São Paulo: Editora Roca, 2010.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. WHO definition of health. 1946. Disponível em: <http://www.who.int/about/definition/en/print.html>. Acesso em: 17 maio 2015.

ZAPPAROLI, A. S. Promoção da saúde do trabalhador de enfermagem: análise da prática segura do uso de luvas na punção venosa periférica. 2005. 87 f. Dissertação (Mestrado) - Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2005.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)