As vivências e necessidades de informação das gestantes com risco para o nascimento pré-termo

Main Article Content

Lucilei Cristina Chiodi
Aline Natália Domingues
Ana Márcia Spanó Nakano
Luciana Mara Monti Fonseca

Resumo

Objetivo: identificar as vivências das gestantes de risco frente à possibilidade do nascimento pré-termo. Procedimentos Metodológicos: estudo descritivo, exploratório, com abordagem qualitativa, sendo realizadas entrevistas semiestruturadas junto à doze gestantes que apresentaram trabalho de parto pré-termo espontâneo na gestação atual ou histórico de nascimento pré-termo. Para a análise dos dados utilizou-se a análise de conteúdo, modalidade temática de Bardin. Resultados: foram obtidas as três categorias temáticas, denominadas: as incertezas da gestação com risco para o nascimento pré-termo; o enfrentamento das gestantes frente ao risco para o nascimento pré-termo; e o universo do recém-nascido pré-termo na percepção das gestantes de risco. Para as gestantes, vivenciar uma gravidez com risco para o nascimento pré-termo significa conviver com incertezas quanto ao nascimento e à sobrevivência do filho, exigindo destas mulheres mudanças nos hábitos de vida e o enfrentamento do desconhecido, com a busca por informações acerca do neonato pré-termo. Conclusão: os profissionais de saúde devem oferecer uma assistência humanizada, com momentos para as gestantes esclarecem suas dúvidas, bem como promover o acesso destas mulheres a conteúdos sobre o nascimento pré-termo, utilizando estratégias inovadoras, auxiliadas por materiais de ensino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Chiodi, L. C., Domingues, A. N., Nakano, A. M. S., & Fonseca, L. M. M. (2020). As vivências e necessidades de informação das gestantes com risco para o nascimento pré-termo. Revista Brasileira Multidisciplinar, 23(2Supl.). https://doi.org/10.25061/2527-2675/ReBraM/2020.v23i2Supl.802
Seção
Artigos Originais
Biografia do Autor

Lucilei Cristina Chiodi, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo

Bacharem em enfermagem, Mestre em Ciências e Doutoranda pelo Programa Enfermagem em Saúde Pública da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo.

Referências

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION (APA). Diagnostic and statistical: manual of mental disorders. 5ª ed. Arlington, VA: American Psychiatric Association, 2013. Disponível em: <http://www.dsm5.org/Documents/PTSD%20Fact%20Sheet.pdf>. Acesso em: 26 nov. 2016.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo SP: Edições 70, 2011. 279 p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. CONEP – Comissão Nacional de Ética em Pesquisa. Resolução nº 466 de 12 de dezembro de 2012. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2012. Disponível em: <http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/reso_12.htm>. Acesso em: 23 nov. 2019.

COSTA, M.C. et al. Gestación de riesgo: percepción y sentimentos de las mujeres embarazadas com amniorrexe prematuro. Enfermería Global, Múrcia ES, n. 20, 2010. Disponível em:< http://scielo.isciii.es/pdf/eg/n20/pt_clinica5.pdf>. Acesso em: 26 nov. 2019.

FERECINI, G.M. et al. Avaliação de um website sobre o aleitamento materno do prematuro. Ciência Cuidado e Saúde, Maringá PR, v. 11, n. 4, p. 642-49, 2012. Disponível em:< http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/view/21651/pdf>. Acesso em: 26 nov. 2019.

FONSECA, L.M.M. et al. Cartilha educativa para orientação materna sobre os cuidados com o bebê prematuro. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto SP, v. 12, n. 1, p. 65-75, 2004. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/rlae/v12n1/v12n1a10.pdf>. Acesso em: 26 nov. 2019.

GARBIN, H.B.R.; PEREIRA-NETO, A.F.; GUILAM, M.C.R. A internet, o paciente expert e a prática médica. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu SP, v. 12, n. 26, p. 579-88, 2008. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/icse/v12n26/a10.pdf>. Acesso em: 26 nov. 2019.

GOMES, R. Análise e interpretação de dados de pesquisa qualitativa. In: MINAYO, M.C.S.; DESLANDES, S.F.; GOMES, R. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Rio de Janeiro RJ: Vozes, 2010. 108 p.

GUIMARÃES, G.P.; MONTICELLI, M. (Des)motivação da puérpera para praticar o método mãe-canguru. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre RS, v. 28, n. 1, p. 11-20, 2007. Disponível em:< file:///C:/Users/5907786/Downloads/4687-15033-1-PB.pdf>. Acesso em: 26 nov. 2019.

HYMOVICH, D.P.; HAGOPIAN, G.A. Chronic illness in children and adults: a psychosocial approach. Philadelphia, Pennsylvania: Saunders, 1992. 239 p

LÓPEZ, M.E.G.; CALVA, E.A. Alterações psicológicas em la mujer con embarazo de alto riesgo. Revista Psicologia y Salud, México, v. 17, n. 1, p. 53-61, 2007. Disponível em:< https://www.redalyc.org/pdf/291/29117106.pdf>. Acesso em: 26 nov. 2019.

LÓPEZ, M.E.G.; CALVA, E.A. et al. Psicoterapia de grupo para mujeres com embarazo de alto riesgo. Terapia Psicológica, Santiago CL, v. 27, n. 2, p. 215-225, 2009. Disponível em:< https://scielo.conicyt.cl/pdf/terpsicol/v27n2/art07.pdf>. Acesso em: 26 nov. 2019.

MINAYO, M.C.S. O desafio da pesquisa social. In: MINAYO, M.C.S.; DESLANDES, S.F.; GOMES, R. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Rio de Janeiro RJ: Vozes, 2010. 108 p.

MINAYO, M.C.S. Análise qualitativa: teoria, passos e fidedignidade. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro RJ, v. 17, n. 3, p. 621-626, 2012. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/csc/v17n3/v17n3a07.pdf>. Acesso em: 26 nov. 2019.

NYQVIST, K. H. et al. Expansion of the baby-friendly hospital initiative ten steps to successful breastfeeding into neonatal intensive care: expert group recommendations. Journal of Human Lactation, v. 29, n.3, 2013. Disponível em:< https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23727630>. Acesso em: 26 nov. 2019.

OLIVEIRA, V.J.; MADEIRA, A.M.F.; PENNA, C.M.M. Vivenciando a gravidez de alto risco entre a luz e a escuridão. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, Fortaleza, v. 12, n. 1, p. 49-56, 2011. Disponível em:<http://periodicos.ufc.br/rene/article/view/4119/3210>. Acesso em: 26 nov. 2019.

TONG, A.; SAINSBURY, P.; CRAIG, J. Consolidated criteria for reporting qualitative research (COREQ): a 32-item checklist for interviews and focus groups. International Journal for Quality in Health Care, v. 19, n. 6, p. 349-357, dez. 2007. Disponível em:<http://intqhc.oxfordjournals.org/content/19/6/349>. Acesso em 26 nov. 2019.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Assessment and management of conditions specifically related to stress: mhGAP intervention guide module. Geneva, Switzerland: World Health Organization, 2013a. Disponível em: <http://www.who.int/mental_health/emergencies/mhgap_module_management_stress/en/>. Acesso em: 26 nov. 2019.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Counselling for maternal and newborn health care. Geneva, Switzerland: World Health Organization, 2013b. Disponível em: <http://www.who.int/maternal_child_adolescent/documents/9789241547628/en/>. Acesso em: 26 nov. 2016.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)